Ensine a seu filho a regra do "Aqui Ninguém Toca"

05 Agosto, 2018

A regra “Aqui Ninguém Toca” é um conto infantil criado pelo Conselho Europeu que se divide em cinco temas vitais para ensinar as crianças sobre o abuso sexual. Por ter um personagem principal chamado Kiko, é conhecido em muitos lugares como “A Regra de Kiko”.

Como vivemos em um mundo onde coexiste o abuso sexual infantil e os direitos de uma criança de ser protegida contra este tipo de agressão, o trabalho para que prevaleça este último é um objetivo social que deve ser constante.

A regra “Aqui Ninguém Toca”

Seu corpo é só seu

A regra “Aqui Ninguém Toca” ressalta a importância dos pais ensinarem a seus filhos que os corpos das crianças pertencem só a elas mesmas e que ninguém pode tocar neles sem que estejam de acordo. 

O conto indica à criança que ela terá contato físico como desejar, quando e onde quiser, mas que por dentro da roupa interior nunca se pode tocar e que ninguém terá o direito de pedir para ver essas partes íntimas.

É necessário que a criança aprenda a evitar as pessoas com as quais não se sente cômodo, e ser educado a saber dizer não e evitá-las quando elas querem se aproximar.

ID-100117135

Boa forma de tocar, má forma de tocar

Nosso filho deve conhecer as zonas de seu corpo que ninguém pode tocar a não ser ele mesmo. Por isso, há que mostrar abertamente quais são essas partes privadas que nunca devem ser mostradas a outros mesmo quando é pedido.

Nesse sentido resulta vital advertir a ele que também não deve consentir que outras personas mostrem seus órgãos genitais nem que digam para a criança que os toque.

Há também que dizer que a mamãe, papai ou qualquer pessoa encarregada de sua limpeza pode lavar essas zonas durante o banho, mas que deve fazer do mesmo jeito que lava o resto de seu corpo.

Segredos bons, segredos ruins

A criança deve saber a diferença entre um segredo bom e um segredo ruim.  A regra “Aqui Ninguém Toca” ensina isso. Um segredo ruim é aquele que envolve as zonas erógenas da criança ou de qualquer outra pessoa, envolvendo condutas inapropriadas com as quais ela não se sente à vontade.

Um segredo ruim será aquele ocultado dos pais porque está relacionado com o contato físico entre adultos e crianças. Nunca se esconde um segredo ruim da mamãe e do papai, muito pelo contrário, se conta imediatamente. Nosso filho tem que saber que a comunicação é muito importante nesse caso.
ID-10077799

A prevenção e a proteção são responsabilidades do adulto

A comunicação entre pais e o filho deve ser constante e aberta, sem temas tabu para evitar ou postergar.

Há que falar com a criança sobre sexo desde que é pequena, pois só conhecendo sobre sexualidade ela poderá nos dizer algo ou poderemos detetar em seu comportamento se está sendo vítima de algum tipo de abuso sexual.

Uma criança que é vítima de violência sexual se retrai, sente temor do que podem pensar e fazer seus pais e, até podem se sentir culpados de que outra pessoa tenha feito isso com ela.

Os adultos devem dar a seus filhos todas as ferramentas que existem para que elas possam defender-se da agressão sexual. E sempre deixar claro para a criança que elas devem confiar sempre em seus pais e devem comunicar toda vez que suspeitam que alguém não as trata como é devido.

Conhecer sua rede de segurança

A criança, ajudada por seus pais, deve estabelecer sua própria rede de segurança.

A rede de segurança será composta por pessoas que o menor deseja incluir, nas quais tenha confiança suficiente para recorrer quando se sinta em perigo.

Ensine a seu filho a regra “Aqui Ninguém Toca”

A regra não deve ser ensinada só quando se suspeita que uma criança esteja sob perigo, mas sim preventivamente para se evitar qualquer tipo de violência sexual.

O abuso sexual infantil é traumático e suas sequelas psicológicas podem ficar para toda a vida. Esteja ciente disso.