Existem 9 tipos de parto. Você conhece todos?

· 9 de julho de 2017

O parto é um momento muito especial na vida de qualquer mulher. Exatamente por isso é fundamental que as mulheres saibam e tenham conhecimento sobre os diferentes tipos de parto, já que isso as permite decidir o que será melhor para elas mesmas.

Conheça os 9 tipos de parto

Parto natural:

Nesse parto o bebê nasce por via vaginal, mas se diferencia do parto normal pois é realizado sem intervenções como a analgesia e sem a utilização de oxitocina artificial para estimular as contrações. Também não são realizados procedimentos como a episiotomia.

Nesse método, o serviço tem como foco as mulheres, respeitando suas necessidades e escolhas, portanto é humanizado. Dessa forma, a mãe pode escolher o lugar em que deseja dar à luz, por exemplo, em casa ou no hospital.

Parto normal:

Conhecido como parto vaginal, pois a saída do bebê ocorre pela vagina. De início é espontâneo e o bebê apresenta posição cefálica, ou seja, a cabeça do bebê se volta para a pélvis, preparando-se para o nascimento. Em alguns casos podem surgir dificuldades na saída do bebê e então uma episiotomia pode ser realizada. Essa é uma incisão cirúrgica feita no períneo, a região do músculo localizada entre a vagina e o ânus.

Os benefícios do parto normal são numerosos. Para o bebê pode significar a garantia de um pulmão maduro, contato com a mãe nos primeiros momentos de vida, oportunidade de mamar no peito logo em seguida, menos chances de desenvolver doenças respiratórias, entre outros benefícios. Para a mãe significa menos risco de hemorragia, recuperação mais rápida e contato com o bebê logo após o parto.

Parto na água:

da mãe

É aquele no qual o nascimento do bebê ocorre com a mãe dentro da água em uma banheira ou uma piscina. A barriga deve estar completamente coberta pela água e o pai, inclusive, pode entrar na banheira ou na piscina para apoiar sua companheira nesse momento tão íntimo e importante.

Durante o parto, a mãe fica em uma piscina ou banheiro com água morna.  O mais comum é que a mãe entre na água após uma dilatação cervical maior que 5 cm e quando já estiver sentindo contrações frequentes e intensas. Mais de 2 contrações a cada 10 minutos.

Parto de cócoras:

É realizado da mesma forma que o natural, muda apenas a posição da mãe que, ao invés da posição ginecológica comum, fica de cócoras. Geralmente, esse tipo de parto é bem rápido, já que conta também com a força da gravidade devido à posição vertical da mãe e costuma ser mais confortável para as mulheres.

Parto com fórceps:

Esse tipo de parto é realizado quando um parto normal apresenta algumas dificuldades no momento da saída do bebê. O fórceps é um instrumento que possui dois ramos articulados e conectados que se curvam nas extremidades para segurar a cabeça do bebê.

É necessária a realização de episiotomia no períneo para a introdução do fórceps e o posicionamento da cabeça do bebê. Com o fórceps no lugar certo, o profissional puxa enquanto a mulher se vê obrigada a empurrar o bebê durante uma contração.

Parto Leboyer:

Também chamado de parto sem violência, é um tipo de parto no qual o objetivo é não estressar o bebê, transformando sua primeira experiência fora do útero em uma experiência menos traumática, por assim dizer. A ideia é que o nascimento ocorra em um ambiente tranquilo e o mais parecido o possível com o útero da mãe. Para isso, nesse tipo de parto há pouca luz e ambiente é aquecido a fim de eliminar o impacto da diferença entre o mundo intrauterino e extrauterino.

Parto cesárea:

É realizado através do abdômen, com uma incisão na barriga da mãe, por meio da qual são cortadas várias camadas de tecido até chegar ao feto dentro do útero e retirá-lo pela abertura realizada.  Depois que o bebê é retirado, é realizada a eliminação da placenta.

Parto assistido em casa:

da mãe

Cada vez mais as mães escolhem esse método para dar à luz. Não é algo que provoca tanto medo, afinal as mães se sentem mais seguras e livres em casa. Esse é um parto com dor, mas as mulheres se preparam para enfrentar esse sofrimento e o assumem como parte do processo. Também há alguns recursos para diminuir a dor como a banheira de água quente, as massagens e outras coisas.

Esse método se caracteriza pela longa duração, podendo durar 12 ou 16 horas. A parteira tem como missão acompanhar a grávida em todos os momentos, segurar suas mãos, ajudar a encontrar a posição mais confortável, fazer massagens, entre outras coisas.

Parto humanizado:

Esse tipo de parto é uma atitude, não um método. A mulher é a protagonista do nascimento do seu filho, nesse momento suas escolhas são respeitadas e discutidas com os profissionais, usando como base a medicina que segue evidências científicas.

Em poucas palavras, o parto humanizado se refere acima de tudo a um parto que é tratado como um processo fisiológico normal que apenas na minoria dos casos exige intervenções.