Alergias alimentares comuns em crianças

· 4 de fevereiro de 2019
As alergias alimentares ocorrem em nossos filhos porque seu sistema imunológico é hipersensível. Isso os leva a sofrer sintomas desagradáveis, variando de leves a aqueles que podem colocar suas vidas em risco. Descubra como combater essas alergias logo a seguir.

Alergias alimentares comuns afetam um número significativo de crianças. Quando o sistema imunológico detecta um componente alergênico, desencadeia uma série de alertas no corpo que produzem sintomas desagradáveis. Estes, às vezes, podem colocar a vida em perigo.

É muito importante que os pais saibam quais tipos de alimentos podem causar alergias e quais são os sintomas mais comuns que o corpo manifesta.

Além disso, é essencial estar ciente das diferenças entre alergias alimentares e intolerâncias e, também, como certos tipos de alimentos devem ser introduzidos na dieta.

Infelizmente, alergias a certos alimentos não podem ser erradicadas do corpo. Por isso, é imperativo conhecer os tipos de reações que eles produzem. Da mesma forma, deve-se considerar que a prevenção é a melhor arma.

Alergias alimentares comuns em crianças

As alergias comuns em crianças podem ser geradas a partir da ingestão de qualquer alimento, embora haja, sem dúvida, algumas que tendem a estimular o aparecimento de uma crise.

Portanto, é muito importante que os pais saibam quais são os sintomas das alergias alimentares e, igualmente, que possam fazer uma distinção clara destas com as intolerâncias alimentares.

Sintomas de alergias alimentares

Os sintomas de alergias alimentares se manifestam com problemas de pele, respiratórios e digestivos, como os seguintes:

  • Urticárias locais ou generalizadas.
  • Doenças inflamatórias da pele.
  • Crise de broncoespasmo.
  • Asma brônquica.
  • Rinite.
  • Secreções cutâneas.
  • Inflamação na língua.
  • Inflamação na boca.
  • Protuberâncias nas pálpebras.
  • Anafilaxia.
menina com alergia alimentar

Esses sintomas de alergias alimentares comuns podem ocorrer depois de trinta minutos que a criança comeu determinado alimento. Na maioria dos casos, podem ser adiados para 2 ou 3 horas, ou até 5 dias após a ingestão do alimento, como é o caso das doenças inflamatórias da pele.

Diferenças nos sintomas de intolerâncias alimentares

As manifestações de intolerâncias alimentares são produzidas por problemas do sistema metabólico. Basicamente, elas são traduzidas como problemas do sistema digestivo para processar certos alimentos. 

Os três principais sintomas de intolerâncias alimentares são gases, inflamação do estômago e diarreia.

Alimentos ligados a alergias alimentares comuns em crianças

A lista de alimentos é variada e inclui as seguintes opções:

  • Manteiga de amendoim.
  • Frutos do mar, como peixes e mariscos.
  • Proteínas do leite de vaca.
  • Trigo.
  • Soja.
  • Frutos secos.
  • Ovos.
  • Morangos.
  • Pêssego.
  • Kiwi.
  • Glúten.

“Alergias a certos alimentos não podem ser erradicadas do corpo. Por isso, é imperativo conhecer os tipos de reações que produzem”

Como prevenir alergias alimentares em crianças

Considera-se que não existe um método real para prevenir alergias alimentares em crianças. As recomendações feitas pela maioria dos pediatras são para retardar a introdução na dieta dos produtos da lista ligados à produção de reações alérgicas.

Outras opções são fornecer à criança pequenas porções ou doses dos alimentos que podem causar alergia e manter um registro para saber como a criança processou o alimento. Se a resposta foi positiva, você pode introduzir outros produtos em sua dieta, repetindo o procedimento.

O que importa é que a criança não receba mais de dois dos alimentos causadores de possíveis alergias de cada vez. Assim, em caso de qualquer reação adversa, o agente alergênico pode ser determinado com certeza.

Infelizmente, as alergias alimentares não podem ser eliminadas. No entanto, de acordo com estimativas, elas estão ligadas a fatores hereditários. 

Se houver um precedente na família ligado a reações adversas a certos alimentos, é melhor prestar atenção à criança, pois existe uma grande probabilidade de ela vir a ter uma reação alérgica.

Por outro lado, também será essencial examinar os rótulos dos produtos que a criança consome. Muitos contêm pedaços de amendoim ou outras substâncias em pequenas quantidades que podem gerar uma reação alérgica. Sem dúvida, a prevenção é a única saída.

bebê comendo morango

Considerações finais

Se você identificou alimentos que causam reações alérgicas em seu filho, é importante consultar o pediatra e informá-lo sobre a situação.

A indicação do profissional provavelmente será que você elimine completamente tal alimento da dieta da criança. Mas ele também poderá oferecer um guia nutricional para que você possa encontrar novas opções a fim de não causar falta de nenhum nutriente.

Por fim, se você testemunhar uma reação alérgica em seu filho, com sintomas como inflamação, crise de broncoespasmo ou anafilaxia, vá imediatamente ao pronto-socorro.

  • Pereira, A. C. da S., Moura, S. M., & Constant, P. B. L. (2008). Alergia alimentar: sistema imunológico e principais alimentos envolvidos. Semina: Ciências Biológicas e Da Saúde. https://doi.org/10.5433/1679-0367.2008v29n2p189
  • Bricks, L. F. (1994). Reações Adversas aos Alimentos na Infância: Intolerância e Alergia Alimentar - Atualização. Revisões e Ensaios. https://doi.org/10.3390/nu6031293 LK - http://sfx.metabib.ch/sfx_locater?sid=EMBASE&issn=20726643&id=doi:10.3390%2Fnu6031293&atitle=Neuroprotective+properties+of+the+marine+carotenoid+astaxanthin+and+omega-3+fatty+acids%2C+and+perspectives+for+the+natural+combination+of+both+in+krill+oil&stitle=Nutr.&title=Nutrients&volume=6&issue=3&spage=1293&epage=1317&aulast=Barros&aufirst=Marcelo+P.&auinit=M.P.&aufull=Barros+M.P.&coden=&isbn=&pages=1293-1317&date=2014&auinit1=M&auinitm=P