Como ajudar uma criança a se sentir bem

27 de fevereiro de 2018
A infância é uma fase de construção e formação de traços da personalidade e da mentalidade. Como pais, devemos ensinar às crianças atitudes que as façam se sentir bem.

Sentir-se bem é um termo muito amplo e que com certeza varia segundo a interpretação de cada pessoa. No entanto, podemos afirmar que existem alguns “requisitos” necessários para poder alcançar esse estado.

A seguir veremos o que isso significa para as crianças e como podemos ajudar uma criança a se sentir bem.

A felicidade e a autorrealização de uma pessoa dependem de muitos aspectos. Cada passo no desenvolvimento e crescimento de uma criança acaba formando, em longo prazo, o tipo de pessoa que ela será e a maneira como se relacionará com os outros. Além disso, impactará na forma de vida atual da criança.

Como pais, somos os responsáveis por essa construção. Cada ação que tomamos no que diz respeito à educação e ao crescimento de nossos filhos é como um tijolo que, junto com muitos outros, acabam formando um edifício de determinadas características.

Você se perguntará, com certeza, qual é a melhor forma de possibilitar um crescimento agradável e positivo para seu filho. Desde já, adiantamos que não é uma tarefa fácil. No entanto, tentaremos fornecer orientações sobre como ajudar uma criança a se sentir bem.

Fatores essenciais para ajudar uma criança a se sentir bem

Como já dissemos, são muitas as arestas que compõe o bem estar físico, psicológico e emocional de uma pessoa. Aqui nos centraremos em alguns aspectos em que deveríamos focar se pretendemos ajudar uma criança a se sentir bem.

A confiança em si mesmo

Uma pessoa que valoriza a si mesma e que acredita nas suas possibilidades com certeza se sentirá muito melhor que alguém não se sente assim. É fundamental para os propósitos da vida pensar que alguém é capaz de se superar e de ultrapassar os seus próprios limites. 

Esse pensamento positivo dará ânimo à criança para que acredite que poderá realizar um objetivo. Além disso, isso terá um efeito extremamente benéfico para sua capacidade de resolução de problemas e para suas relações sociais.

Uma pessoa que se valoriza também é capaz de valorizar quem a rodeia.

“A felicidade não é a ausência de problemas, é a capacidade de lidar com eles”

Os bons valores

Transmitir o que é ser uma boa pessoa e como conseguir isso é essencial quando tentamos ajudar uma criança a se sentir bem.

Como ajudar uma criança a se sentir bem

Por quê? Porque agindo dessa forma as pessoas gostarão dela e ela sempre terá alguém a quem recorrer e em quem confiar quando precisar. Essa aceitação social apenas se consegue oferendo aos outros o que queremos receber.

É importante por esse motivo fomentar o desenvolvimento dos seguintes valores:

  • Amabilidade.
  • Gratidão.
  • Compreensão.
  • Tolerância às diferenças.
  • Tranquilidade e harmonia. 

A autonomia

Uma criança que consegue tomar conta de si mesma é uma pessoa que desenvolverá confiança, autoestima e capacidade de resolução de problemas.

Além disso, ainda que pareça contraditório, a autonomia também favorece o trabalho em equipe, já que uma pessoa segura de suas possibilidades recebe com melhor predisposição a crítica construtiva das pessoas que a rodeiam.

Para que uma criança tenha mais autonomia, é importante que os pais não sejam constantes solucionadores de problemas.

Isso não quer dizer que devamos soltar suas mãos para que se virem sozinhos. O recomendável é guiá-los, mas deixar que pensem, tentem e até que se equivoquem algumas vezes. 

O afeto dos pais

É quase impossível que exista a autoconfiança se previamente não houve um laço de afeto que reivindique o valor e as capacidades de uma criança. Os pais devem procurar, mediante o diálogo e também através do exemplo que a criança se sinta escutada e, sobretudo, amada.

As reprovações, as queixas, as reprimendas e as proibições não fazem mais do que danificar a imagem que uma criança forma de si mesmo.

Apesar de ser preciso fixar limites, sempre se deve procurar a forma mais agradável e explicativa de comunicar algo. No final a intenção não é proibir, mas deixar um ensinamento e um caminho.

Como ajudar uma criança a se sentir bem

Os objetivos de vida

Ter um rumo claro e, se possível, um plano para chegar nesse caminho é de vital relevância para atingir nossas metas de vida. Esse êxito é o que faz uma pessoa se sentir realizada.

No entanto, nem tudo se centra na perseguição desses objetivos. Tanto ou mais importante que isso é o caminho escolhido. Chegar ao objetivo com sofrimento e dor apenas faz que uma vez alcançado fique uma sensação de vazio e a necessidade de buscar outro.

Se, ao contrário, aproveita-se o caminho para cumprir a meta, a satisfação será completa.

“Comece a ter grandes sonhos e faça com que valha a pena viver”
–Stephen Richards–

Por último, devemos lembrar que essa não é uma receita mágica. Cada criança é única, assim como também é sua mentalidade, sua personalidade e seu entorno. 

No entanto, nunca será ruim que essas recomendações sejam aplicadas. Uma vez mais, vale a pena esclarecer que o bem-estar é um equilíbrio que se sustenta em muitos alicerces, todos importantes. 

  • Bruñol, M. C. (1997). Infancia, autonomía y derechos: una cuestión de principios. Infancia: Boletín del Instituto Interamericano del Niño—OEA, 234, 1-13.
  • Clemes, H., & Bean, R. (1995). Cómo desarrollar la autoestima en los niños. Debate.
  • de León Sánchez, B. (2011). La relación familia-escuela y su repercusión en la autonomía y responsabilidad de los niños/as. https://extension.uned.es/archivos_publicos/webex_actividades/5385/repercusiones8.pdf
  • Del Barrio, V., Navarro, M. D. F., & Escrivá, M. V. M. (1994). Autoestima y depresión en niños. Revista de psicología general y aplicada: Revista de la Federación Española de Asociaciones de Psicología, 47(4), 471-476.
  • Kamii, C. (1970). La autonomía como finalidad de la educación. UNICEF.
  • Rodríguez-Pascual, I., & Morales-Marente, E. (2013). ¿ Cuántas veces dejamos de ser niños? Un análisis de la representación social de la autonomía infantil. Revista Española de Investigaciones Sociológicas (REIS), 143(1), 75-92. https://www.ingentaconnect.com/content/cis/reis/2013/00000143/00000001/art00005