Cosquinhas e beijos na barriga: uma forma de educar com amor

06 Outubro, 2018
Poucos pais, e quase nenhuma mãe, resistem à deliciosa tentação de enterrar seus rostos na barriguinha dos filhos, fazendo uma sinfonia de beijos e carícias que são capazes de arrancar imediatamente o riso dos bebês. E, claro, dos pais também.

A divertida arte das cosquinhas e beijos ou ainda dos clássicos beijos barulhentos, que parecem pum que fazemos na barriga do bebê, traz efeitos maravilhosos: risadas explosivas e emoções positivas.

Não é só um mero costume, acredite ou não, também é uma forma de estabelecer um vínculo social e emocional forte com os filhos desde pequenos.

Hoje, em “Sou Mamãe”, queremos falar sobre esse exercício tão saudável, essa grande terapia que tem sido praticada de geração em geração.

Seus benefícios são inúmeros. Certamente, se sentirá convencida a continuar praticando.

Isso até seu filho crescer e dizer por si mesmo que “já não tem mais idade para essas coisas”. Portanto, aproveite!

Cosquinhas e beijos para educar com mais amor e menos raiva

O instante ideal, mágico e perfeito para a terapia saudável das cosquinhas e beijos na barriga é quando damos banhos ou trocamos a fralda do bebê.

Podemos fazer isso desde que são muito novos. Mas sempre com verdadeiro cuidado para não estragar a diversão.

As áreas da barriga, do peito e das solas dos pés são as partes que seu bebê mais gosta quando você estimula com cosquinhas e beijos.

Os efeitos colaterais são maravilhosos, confira a seguir:

Liberação de oxitocina

A oxitocina é o hormônio do carinho, do cuidado, do afeto e do vínculo que temos com as pessoas que amamos.

Quanto mais contato físico, não só liberaremos mais oxitocina, mas o organismo do bebê também liberará mais endorfina. Esse hormônio é associado ao prazer e bem-estar.

As cosquinhas têm um propósito muito específico: criam laços sociais e emocionais

cosquinhas e beijos

As cócegas devem vir de alguém que amamos para que nos façam rir e proporcionem momentos de divertimento e prazer. Isto é um fato que, sem dúvida, todos nós sabemos.

  • Nenhum estranho pode e nem deve nos fazer cócegas. Isto é algo que um bebê vai aprender desde cedo. Seus pais são aquelas figuras de apego mais próximas e cotidianas, que proporcionam bem-estar, uma sensação divertida e reconfortante.
  • As cosquinhas estabelecem vínculos sociais e emocionais entre pessoas de um mesmo ambiente, de um mesmo grupo pessoal onde há afeto, proximidade e onde uns e outros trocam emoções positivas.

Cosquinhas e beijos: práticas que favorecem o apego

Beijocas no pescoço, na barriga ou nos pés do bebê! Algo tão simples e divertido fará que tanto a mãe quanto o pai construam um vínculo com o filho desde cedo.

Esse apego saudável é o que as crianças precisam para crescer e amadurecer da melhor forma possível.

Não podemos nos esquecer de que o contato físico positivo com base no contato pele com pele, o carinho e as beijocas que terminam em gargalhadas, são sinônimo de nutrição emocional.

É a base essencial para que o bebê amadureça da melhor maneira. Além disso, ele se sentirá querido, amado e respeitado em todos os momentos.

Quando a criança fica chateada ou explode e começa a espernear, nada melhor do que uma sinfonia de beijocas

cosquinhas e beijos

Aqui no site já falamos muitas vezes dessas crianças que demandam muita atenção. Ou seja, aquelas crianças que querem tudo o tempo todo e choram por tudo.

  • Às vezes, elas se recusam a colocar seus pijamas. Isso, certamente, pode terminar em uma explosão de gritos. Podemos, inclusive, chegar ao ponto de querer dar um tapa ou um puxão de orelha.
  • Se o bebê ainda é pequeno, é claro que os discursos ou uma conversa séria não vão servir para nada. Se esse for o caso, contaremos a você um segredo infalível: a terapia dos beijos e das cócegas.
  • Você vai achar incrível como essa prática muda a carga emocional das crianças. As tensões desaparecem. Dessa forma, as crianças vão ser surpreendidas pela sua reação e se rendem instantaneamente.

Acredite ou não, dessa forma, o bebê se sentirá cuidado, ao mesmo tempo que a sua raiva ou frustração precoce poderá ser controlada e gerenciada.

Mais tarde, chegará o tempo em que vamos poder raciocinar e argumentar com ele. Mas este tipo de toque emocional costuma ser bem eficaz nesses dois primeiros anos de vida.

As cosquinhas respeitosas têm mais efeito

Algo que merece ser destacado é que a terapia das cosquinhas tem um limite. Ela não deve incomodar de jeito nenhum.

Todos nós temos alguma memória de infância de que alguém da família tinha o mau hábito de nos cutucar tanto ao ponto de vermos as cosquinhas como uma tortura mais do que qualquer divertimento.

cosquinhas e beijos

Devemos ser cautelosos e nos lembrar de que, assim como qualquer outra coisa que fazemos, devemos ser justos, ter limites e equilíbrio.

As cócegas servem para estimular e divertir. Portanto, quanto menos durar, melhor.

Apesar disso, sinta-se à vontade para dar quantos beijos e beijocas barulhentas com som de pum quiser. Para estes, não há limites!

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.