Crianças que roncam: motivos e remédios

· 16 de janeiro de 2018
Roncar não é sinônimo de doença. De fato, é algo muito comum nas pessoas, independentemente da idade.

Os roncos podem estar associados a problemas tais como: a apneia obstrutiva do sono, a obesidade, o tabagismo, o consumo de álcool e outras circunstâncias que podem parecer mais próprias dos adultos. Por essa razão, muitas mães costumam se preocupar quando descobrem que têm crianças que roncam.

Quando os roncos se transformam em algo de frequência elevada, surgem as preocupações. Nestes casos, costuma-se recorrer ao pediatra e uma vez que se comprove que o ronco de uma criança não é normal, então é necessário saber qual é a diferenciação entre o ronco comum e aquele que pode indicar problemas de saúde.

Crianças que roncam de forma atípica

Nas crianças que roncam as causas podem ser muito variadas. Os roncos são algo inofensivo e passageiro na maioria dos casos. Porém, dependendo da intensidade ou particularidade dos roncos, estes podem ser também o sintoma de um problema grave ou com potencial para ser. Os motivos mais comuns (de ordem biológica) dos roncos em crianças são os seguintes:

Doenças

  • Resfriado. O resfriado comum fomenta a formação de mucosidade. Portanto, pode bloquear as vias respiratórias e fazer com que as crianças ronquem durante seu sono. Claro, nem todas as crianças com resfriado roncam, por isso que muitos pais não associam um ronco atípico a um resfriado presente. Neste cenário se denota comumente com roncos a cada poucos segundos.
  • Asma. Um problema crônico conhecido normalmente por seus sintomas de falta de ar que surgem diante de um esforço ou estresse intenso.
    • A asma também faz as vias respiratórias ficarem mais hiperativas e sensíveis às condições ambientais. Com isso, situações como uma temperatura mais fresca no quarto da criança enquanto dorme, podem causar um leve sintoma de obstrução nas vias respiratórias que se percebe nas crianças que roncam.
  • Alergias. Ácaros, pelo de animais de estimação, pó e outros resíduos podem estimular em maior ou menor grau os músculos da garganta ou vias respiratórias, o que faz com que durante a noite se obstruam e gerem dificuldade para respirar, gerando com isso roncos em crianças.
  • Obesidade. O excesso de peso afeta também ao pescoço, isso é especialmente importante no tema das crianças que roncam devido à formação de depósitos de gordura que podem se formar ao redor do pescoço, o que implica em um esforço maior nesta parte do corpo e que, consequentemente, pode causar ronco em crianças.
  • Apneia do sonoRelaxa os músculos da parte superior da garganta, fazendo com que obstruam a passagem do ar e gerando os roncos nas crianças. Percebe-se muitas vezes por se apresentar violentamente de um momento para o outro. Isso acontece quando os músculos implicados neste problema fecham repentinamente.

Outros desencadeadores do ronco em crianças

  • Amídalas suscetíveis ao frio. Ainda sem asma, nem sem ter se contagiado por resfriado, as amídalas das crianças são especialmente sensíveis ao frio, aumentando de tamanho e obstruindo a passagem do ar. Com isso, é comum que no inverno as crianças possam apresentar roncos ao dormir.
  • Fumo e cigarro. O hábito de fumar dentro de casa por um ou ambos os pais pode, com o tempo, impactar no desenvolvimento pulmonar de seu filho. Trata-se de uma circunstância que costuma-se subestimar como causa da origem dos roncos em crianças.

Porém, roncar não é o pior sintoma que a criança teria devido ao hábito de fumar de terceiros, por isso ao detectar esta possibilidade é necessário tomar medidas em relação a esse hábito, de modo que se evite o desenvolvimento de problemas mais graves, tal como a asma.

Remédios para os roncos em crianças

Dentre os remédios caseiros para as crianças que roncam há diversas infusões, massagens ou posturas. Claro, estes estão reservados para quando a origem dos roncos não for patológica, ou para fazer um contraste do mesmo. Outras medidas que podem ajudar são as seguintes:

  • Mudar a criança de quarto.
  • Diminuir a temperatura do ar condicionado.
  • Usar lençóis e almofadas do tipo antialérgicas.
  • Mudar a criança de posição durante os roncos.

Procurar o médico será sempre a melhor opção quando o ronco da criança for persistente e sem causa óbvia.

Quando devo me preocupar com o ronco de meu filho?

Devemos nos preocupar quando os roncos incidirem na vida cotidiana das crianças. Se o mau humor, os incômodos (dores de cabeça, dores musculares, dentre outros) se tornam crônicos e fazem com que a criança se sinta mal continuamente, não se deve adiar a visita ao médico.

O mau descanso e a falta de sono podem aumentar a frequência dos roncos. De fato, o sono pode se tornar mais leve e pode vir acompanhado por transpiração, respiração ofegante, dentre outros sintomas. É necessário prestar atenção a isso na hora de nos comunicar com o pediatra.