Dupla fileira de dentes em crianças: o que fazer?

Muitos pais ficam preocupados quando observam uma dupla fileira de dentes em seus filhos. Aqui vamos mostrar o que fazer se o seu filho tiver esse problema.
Dupla fileira de dentes em crianças: o que fazer?

Última atualização: 14 Outubro, 2021

As consultas por causa do aparecimento de uma dupla fileira de dentes em crianças são bastante frequentes. Esse fenômeno ocorre durante o momento da troca dos dentes e não é grave.

A dupla fileira de dentes ocorre quando os dentes permanentes nascem sem que os dentes de leite tenham acabado de cair. Dessa forma, ambos coexistem na boca da criança e causam esse aspecto tão particular.

Neste artigo, explicaremos a que se deve esse fenômeno e o que fazer nesses casos. Continue lendo e descubra mais.

Como ocorre a troca dos dentes?

Entre as idades de 5 e 6 anos, as crianças começam a troca dos dentes, na qual os dentes de leite caem e os permanentes nascem.

Durante a infância, os dentes definitivos se desenvolvem dentro do osso. Quando estão prontos para nascer, eles reabsorvem as raízes dos dentes de leite para que se soltem e caiam. Normalmente, essa transição termina na puberdade, por volta dos 12 ou 13 anos.

Mas, no caso da fila dupla, os dentes definitivos não conseguem deslocar os temporários e acabam por irromper atrás ou nas laterais e ligeiramente tortos.

Causas de dupla fileira de dentes em crianças

Por várias razões, a troca dos dentes pode sofrer alterações e levar a essa condição. Entre as causas mais comuns, mencionamos as seguintes:

Boca de uma criança com apinhamento dentário.

O que fazer no caso de dupla fileira de dentes em crianças

A dupla fileira de dentes em crianças não é um problema grave nem deve ser motivo de preocupação para os pais. De qualquer forma, ao perceber a situação, o ideal é levar a criança ao odontopediatra para avaliar o quadro e orientar a família.

O profissional pode apurar as possíveis causas e intervir se julgar necessário. Na maioria das vezes decide-se esperar e controlar a evolução por meio de consultas odontológicas frequentes.

A pressão da língua e os movimentos da boca costumam deslocar os dentes definitivos ao seu devido lugar. Quando os dentes de leite caem e o espaço necessário é gerado, os dentes permanentes se reposicionam em suas posições corretas.

O dentista pode sugerir algumas práticas para ajudar na movimentação dos dentes de leite, como manipular o dente com as mãos ou empurrá-lo com a língua. Ambas as manobras devem ser realizadas com cuidado, para não causar dor ou sangramento.

Da mesma forma, comer alimentos com texturas crocantes e duras também pode ajudar. Morder uma torrada ou uma maçã é uma boa ideia para promover a mobilidade dentária.

Nas consultas periódicas, o dentista vai avaliar se há mudanças na localização dos dentes definitivos. Se isso não acontecer depois de um tempo, pode-se sugerir a extração do dente de leite. Embora seja um procedimento simples, requer o uso de anestesia local para a extração do dente todo, com sua raiz.

Em casos muito específicos, o uso de aparelhos ortodônticos pode ser indicado para favorecer o deslocamento dos elementos definitivos após a retirada dos provisórios.

O que não fazer quando houver dupla fileira de dentes em crianças

O aparecimento da dupla fileira de dentes em crianças pode causar impaciência e ansiedade nos pais. Pode também significar um desconforto ou problema estético para os filhos.

Em qualquer caso, a paciência é fundamental para evitar acidentes que ponham em risco a saúde oral das crianças. De maneira alguma se deve tentar amolecer os dentes à força. Muitos adultos podem pensar em puxar os dentes com fios, pinças e outros métodos domésticos para acelerar a queda.

Essas manobras não apenas assustam a criança, como também podem fraturar o dente, danificar o dente definitivo e ferir tecidos moles.

Adultos que acompanham

Menina no dentista para evitar dentes tortos.

Embora a dupla fileira de dentes em crianças não seja um problema sério, causa angústia nas famílias e precisa receber atenção. Em geral, essa condição se resolve espontaneamente e não requer intervenções odontológicas.

De qualquer forma, ao perceber esse problema, o ideal é procurar a orientação de um odontopediatra para que a situação seja avaliada e a família receba orientação sobre o o que fazer.

No caso em que a extração seja a opção indicada, as consultas odontológicas frequentes ajudarão a criança a se familiarizar com o profissional. A confiança e a segurança no dentista são fundamentais no enfrentamento da situação cirúrgica.

Enquanto a criança tiver dupla fileira de dentes, é necessário prestar atenção especial à sua higiene bucal, pois essa condição dificulta a limpeza e favorece o acúmulo de placa bacteriana. A escovação deve ser minuciosa nessa área específica, para prevenir doenças como cáries e gengivite.

Com um acompanhamento responsável e muita paciência, a dupla dentição em crianças será apenas uma anedota da infância.

Pode interessar a você...
Sintomas: quando os dentes do bebê estão nascendo
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Sintomas: quando os dentes do bebê estão nascendo

Quando os dentes de um bebê começam a nascer, ele pode apresentar diferentes sintomas. Vamos mostrar quais são os mais comuns e como tratá-los.



  • Osaghae, I. P., & Azodo, C. C. “Shark Teeth” Like Appearance among Paediatric Dental Patients.
  • de la Teja Ángeles, E. (2019). Erupción dentaria.
  • Bhuvaneswarri, J., & Chandrasekaran, S. C. (2018). Failure of eruption of permanent tooth. International Journal of Applied and Basic Medical Research8(3), 196.
  • Spir, J. F. (1995). Falla primaria de erupción reporte de dos casos. Revista CES Odontología8(1), 92-95.
  • Frazier-Bowers, S. A., Koehler, K. E., Ackerman, J. L., & Proffit, W. R. (2007). Primary failure of eruption: further characterization of a rare eruption disorder. American Journal of Orthodontics and Dentofacial Orthopedics131(5), 578-e1.
  • Ayala Pérez, Y., Carralero Zaldívar, L. D. L. C., & Leyva Ayala, B. D. R. (2018). La erupción dentaria y sus factores influyentes. Correo Científico Médico22(4), 681-694.