Normalização da menstruação após o parto

· 13 de julho de 2018
Após o parto uma mulher deve esperar certo tempo para que a normalização da menstruação ocorra. Isso acontece para que seu organismo volte a se preparar para conceber novamente.

Este período de tempo de espera é conhecido como a quarentena, durante a qual podem ocorrer alguns pequenos sangramentos. Esse sangramento casual que pode demorar algumas semanas não é considerado como a menstruação, porque acontece por causa de ferimentos internos sofridos durante o parto.

A quarentena ou o puerpério acaba dentro de um tempo razoável, mas não é imediatamente seguido por um novo ciclo reprodutivo. Neste caso, se inicia um novo período de ausência de menstruação cuja duração vai depender das características da mãe e de sua decisão de amamentar ou dar leite na mamadeira.

Fatores que influenciam na normalização da menstruação pós-parto

Em condições normais, o útero feminino requer um tempo aproximado de três semanas para voltar à sua posição e tamanho normais. No entanto, cada mulher é diferente, por isso os tempos não são precisos; é um fato que, pouco a pouco, ocorre uma recuperação completa do sistema reprodutivo.

Após o nascimento, as mães precisam de um tempo para recuperar a tonicidade de seu abdômen, de modo que a vulva e a vagina se fechem; isso ocorre acompanhado de uma nova atividade: a amamentação. Nesse caso, uma mulher que amamenta pode levar mais tempo para normalizar o seu ciclo menstrual.

normalização da menstruação

No entanto, o principal fator que afeta a normalização da menstruação é, sem dúvida, a maneira de alimentar o bebê, pois depende disso o período de tempo que as mães podem passar sem menstruar. Abaixo, detalhamos os elementos a considerar como cada modo de alimentação.

Mães que amamentam

As mulheres que tomaram a decisão de amamentar seu bebê podem passar até quatro meses sofrendo de amenorreia pós-parto, o que ocorre particularmente devido à alteração hormonal. Uma mulher que está amamentando é afetada pela incidência da prolactina, hormônio responsável por estimular a produção de leite materno.

Entende-se que esse hormônio produzido pela glândula pituitária é a causa que interrompe temporariamente a produção do ovário ou pelo menos causa uma desordem considerável. Por isso, o período de normalização do ciclo menstrual depende do tempo que a mãe leva amamentando.

Por outro lado, é perfeitamente possível que esses períodos variem em cada mulher. Ou seja, que a ovulação e o posterior aparecimento da menstruação ocorram ao mesmo tempo em que a amamentação seja feita.

Mães que dão mamadeira

Como já foi dito, a causa de que o tempo de anormalidade do ciclo menstrual pare no caso da lactação, é o aumento da produção do hormônio prolactina. Por isso, quando se dá mamadeira em vez do peito, o período pode ser menor; no entanto, pode chegar até dez semanas.

Nesse caso, é mais preciso o tempo estimado de regularização, razão pela qual é motivo de preocupação se não ocorrer dessa maneira. Então, se depois de dez semanas não ocorrer a normalização da sua menstruação, você deveria consultar o seu médico.

normalização da menstruação

Outros fatores

Embora o modo de alimentar o bebê seja o fator principal, há outros que podem afetar esse aspecto. Por exemplo, quando uma mulher em sua primeira gravidez dá à luz por via vaginal, ela pode demorar mais tempo para recuperar seu ciclo.

A quantidade de sangue perdido no momento do parto também pode prolongar o tempo de espera pela primeira menstruação após o parto. A isso se acrescenta a possibilidade de uma relação genética que predisponha a mãe a essa situação.

Realmente normaliza?

Em geral, depois de ter passado o tempo que leva para que apareça a primeira menstruação pós-parto, na maioria dos casos ela retorna ao normal. No entanto, não é um ciclo como estávamos acostumadas a ter. Dessa vez se trata de um sangramento mais abundante e muitas vezes ocorre sem que tenha havido um óvulo.

Os períodos sem ovulação podem ocorrer com frequência. Por isso, é recomendada a proteção durante as relações sexuais, porque não saberíamos se é ou não um ciclo ovulatório. Também é provável que diminuam as costumeiras cólicas menstruais normais em mulheres que sofriam com isso.