O que é a síndrome de HELLP?

· 24 de abril de 2018
A síndrome de HELLP é uma condição grave que exige muitos cuidados durante a gravidez. Preste atenção aos seguintes fatores de risco e seus sintomas para, se for o caso, poder detectar o mais rápido possível.

É chamada de síndrome de HELLP uma condição da gravidez que envolve grandes riscos para a vida da mãe e do bebê. Essa condição é caracterizada por uma série de sintomas que, às vezes, podem causar como complicação uma pré-eclâmpsia ou uma eclâmpsia. Devido à gravidade dessa síndrome, informe-se sobre essa condição e saiba identificá-la caso perceba algum sintoma.

Significado e causas da síndrome de HELLP

A sigla HELLP significa: (H) Hemólise ou destruição dos glóbulos vermelhos; (EL): enzimas hepáticas elevadas; e (LP): Baixa contagem de plaquetas. É uma condição frequentemente associada com a pré-eclâmpsia. No entanto, têm ocorrido casos isolados sem um diagnóstico para essa doença.

Estima-se que essa condição atinge 0,1% das mulheres grávidas. Mas esse número sobe para 15% no caso de mulheres que tiveram hipertensão. Ela se manifesta, em geral, até o terceiro trimestre da gravidez e é mais frequente em semanas anteriores ao parto.

As causas da síndrome de HELLP são desconhecidas para os especialistas. Embora exista maior tendência nos seguintes grupos:

  • Mulheres que têm problemas de coagulação do sangue, transtornos hepáticos e hipertensão arterial.
  • Mulheres com mais de 25 anos e brancas.
  • Pessoas que sofreram de pré-eclâmpsia e eclâmpsia.
  • Mulheres que tiveram problemas em gravidezes anteriores.

Sem dúvidas, esses fatores de risco podem ajudar a determinar a presença desse sintoma. Isso é de vital importância, já que em muitos casos o diagnóstico foi confundido com gripe, hepatite, lúpus ou anemia hemolítica, entre outros.

Sintomas da síndrome de HELLP

A sintomatologia da síndrome de HELLP é muito ampla e variada em cada um dos casos analisados. Costuma-se confundir com pré-eclâmpsia ou outras doenças. Por isso, é preciso prestar atenção nos seguintes sintomas:

  • Dores de cabeça agudas e persistentes, vômitos, náuseas com sensação de indigestão.
  • Sensibilidade no abdômen, especificamente na parte superior direita, pois implica a distensão do fígado.
  • Hipertensão arterial acompanhada de mudanças na visão.
  • Mal-estar geral e fadiga aguda.
  • Edema generalizado e proteínas na urina.
  • Em casos graves, ocorre sangramento no nariz e nas gengivas, epilepsia, convulsões e dores musculares, entre outros.

É provável que, às vezes, os sintomas sejam confundidos com os de uma gripe. Por isso, a recomendação ideal é fazer um hemograma. Também é aconselhável fazer exames de função hepática em todas as mulheres grávidas, mesmo que não manifeste nenhuma sintomatologia.

“Em muitos casos, a síndrome de HELLP se confunde com gripe, hepatite, lúpus, anemia hemolítica ou pré-eclâmpsia, entre outras doenças”

Diagnóstico da síndrome de HELLP

Para estabelecer a presença dessa condição, primeiramente, o médico vai solicitar exames de sangue. Esses exames vão determinar uma possível anemia hemolítica, disfunção hepática ou trombocitopenia – baixa contagem de plaquetas – na mulher grávida ou no período pós-parto.

Paralelamente, essa síndrome pode se manifestar acompanhada ou não de hipertensão. Também é possível fazer exames que determinem o valor de desidrogenase láctica e bilirrubina.

Após ter sido diagnosticada, a paciente deve ser internada em um hospital para receber acompanhamento frequente, tanto a mãe quanto o bebê. O ideal é estabilizar os níveis de sangue e garantir os cuidados médicos imediatos.

Na maioria dos casos, o tratamento consiste em repouso e, em casos extremos, é preciso fazer uma cesárea para interromper a gravidez.

síndrome de HELLP

Complicações da síndrome de HELLP

A síndrome de HELLP pode apresentar complicações fatais de acordo com a evolução da doença à época do diagnóstico. As dificuldades mais frequentes de acordo com o tratamento podem ser:

  • Convulsões. Elas ocorrem como consequência da diminuição do fluxo sanguíneo.
  • Sangramentos. Devido à decomposição dos glóbulos vermelhos que provocam anemia e às dificuldades de coagulação.
  • Insuficiência renal. Causa desprendimento da retina, edema pulmonar, lesões hepáticas, problemas de respiração ou desprendimento da placenta.

O bebê não escapa das consequências dessa doença que, na maioria dos casos, exige a indução do parto ou da cesárea. Em alguns casos, a criança vai apresentar sofrimento fetal, problemas no sangue, baixo peso, falhas respiratórias e, inclusive, pode chegar a falecer.

É possível prevenir a síndrome de HELLP?

Não existe nenhuma maneira de prevenir essa condição. No entanto, existem medidas que podem ajudar a diminuir a propensão de manifestá-la.

Algumas delas consistem em um acompanhamento pré-natal frequente com exames que determinem a estabilidade da saúde da mãe e do feto. Antes da gravidez, é preciso realizar exercícios, controlar a dieta e levar um estilo de vida saudável.

Em conclusão, a síndrome de HELLP é uma condição grave que exige muitos cuidados durante a gravidez. Um diagnóstico precoce com certeza vai fazer a diferença. Por isso, fazer acompanhamento com um profissional é essencial.