Consumo responsável de álcool no Natal

Neste Natal, faça um consumo responsável de álcool seguindo os conselhos que nos vamos propor para evitar consequências negativas entre crianças e adolescentes, e para a sua saúde.
Consumo responsável de álcool no Natal

Última atualização: 22 dezembro, 2021

O álcool se tornou uma bebida essencial para interagir socialmente e se divertir. No entanto, seu consumo acarreta consequências negativas para a saúde e o meio ambiente, principalmente entre crianças e adolescentes. Por esse motivo, aconselhamos você a consumir álcool de forma responsável neste Natal.

O que é o consumo responsável de álcool?

É estar ciente de quanto e com que frequência se consome essa substância, quando e por quê. Culturalmente, é um hábito considerado normal, mas é uma bebida que pode ser dispensada. Você já se perguntou desde quando começou a beber ou como começou a consumir bebidas alcoólicas?

Embora seja permitido apenas em adultos, geralmente há um gatilho que nos incita a experimentar. Até fatores de risco, como o fato de alguém que você respeita aceitar, falta de afeto, estresse, etc. Além disso, é uma substância que fornece apenas calorias vazias, uma vez que não contém nutrientes essenciais. Fornece apenas açúcar adicionado e, talvez, algo mais, dependendo de como é obtido.

Mulher bebendo com responsabilidade uma taça de vinho.

A seguir, vamos falar sobre o impacto do consumo de álcool em sua vida e nas pessoas ao seu redor.

Consequências do álcool

O álcool, por mais que seja vendido como fonte de antioxidantes, é prejudicial ao corpo. Embora existam estudos que mostram os benefícios do vinho, estes são observacionais. Portanto, não implicam em causa, uma vez que existem muitos fatores do estilo de vida que devem ser levados em consideração.

Nesse ponto, o álcool é a principal causa de várias patologias, como doenças cardiovasculares, cânceres digestivos, demências, entre outras, e mortalidade por qualquer motivo, destacando-se, principalmente, as cardiopatias e o câncer.

Basta beber entre 12,5 e 50 gramas de álcool pelo menos uma vez por semana. Em outras palavras, uma lata de cerveja, 2 copos de vinho, etc., variando de acordo com o teor alcoólico das bebidas.

Também causa danos ao fígado e altera o humor, assim como o comportamento, que se torna mais impulsivo e violento. Gera até acidentes de trânsito, por isso é aconselhável evitá-lo antes de dirigir.

Também aumenta os níveis de açúcar no sangue, colesterol e taxas de sobrepeso e obesidade, deslocando o consumo de outros alimentos ou bebidas menos calóricos e mais nutricionalmente densos. Consequentemente, impacta negativamente sua qualidade de vida e das pessoas que moram com você.

Riscos do álcool em crianças e adolescentes

Todos sabemos que o consumo de álcool é totalmente proibido a menores (18 anos no Brasil e 21 nos EUA, por exemplo). É uma época da vida em que ainda estamos nos desenvolvendo, principalmente nosso cérebro. Portanto, a capacidade de atenção, aprendizagem e memória é reduzida. Indiretamente, o número de neurônios e seu funcionamento também são reduzidos. Além disso, a coordenação fica pior.

A longo prazo, causa digestão pesada, deficiências de nutrientes devido à má absorção, náuseas e vômitos e até dores de cabeça. Portanto, seja um bom exemplo, reduzindo o consumo e evitando beber na frente de crianças ou adolescentes, ou usar essa ingestão como uma via de escape para problemas. Lembre-se de que eles veem tudo, imitam e normalizam.

Homem recusando uma taça de vinho.

Dicas para um consumo responsável de álcool

  • Em primeiro lugar, pegue papel e caneta e faça uma lista com a quantidade diária e semanal de bebidas alcoólicas que você consome. Aconselhamos também anotar quando o consumo ocorre.
  • Em seguida, reflita se você bebe realmente porque tem vontade ou para não ficar mal na frente dos outros. E também se combina com você ou não. Assim, cada vez que você tiver a oportunidade, poderá recusar de forma consciente.
  • Agora que você aprendeu a dizer não, substitua o álcool por outra bebida como as que sugerimos a seguir. Faça isso progressivamente para que essa mudança seja mais fácil para você.

Alternativas ao consumo de álcool

  • A bebida principal é a água, e é recomendada para todos, então tente beber pelo menos alguns copos por dia. Você pode fazer isso entre as refeições ou durante as refeições principais. Caso não goste muito, adicione uma rodela e algumas gotas de limão ou laranja.
  • Você também pode preparar refrigerantes caseiros a gosto.
  • Caldos de legumes ou galinha.
  • Infusões ou chás.
  • Smoothies de frutas ou sucos de frutas e vegetais.

Finalmente, esperamos que você tenha percebido que o álcool é prejudicial e se sinta motivada a reduzir seu consumo. Você se sentirá melhor física e mentalmente, aumentando sua energia e concentração. Além disso, você será um ótimo modelo para seus filhos.

This might interest you...
Como conversar com meu filho sobre álcool
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como conversar com meu filho sobre álcool

Ao conversar com seu filho sobre álcool, a compreensão e a orientação são mais eficazes do que o autoritarismo. Confira dicas de como agir.



  • Pisinger VSC, Holst CA, Bendtsen P, Becker U, Tolstrup JS. (2017). Perceived parental alcohol problems and drinking patterns in youth: A cross-sectional study of 69,030 secondary education students in Denmark. Prev Med, 105: 389- 96.
  • Rossow I, Keating P, Felix L, McCambridge J. (2016). Does parental drinking influence children’s drinking? A systematic review of prospective cohort studies. Addiction, 111(2): 204-17.
  • Aitor Sánchez. (2013). Limitaciones de la paradoja francesa: vino, correlación y causalidad. Mi dieta cojea. [Consultado el 24 de diciembre de 2019] Disponible en: https://www.midietacojea.com/2013/10/24/la-paradoja-francesa-el-vino-correlacion-y-causalidad/
  • Praud D, Rota M, Rehm J, Shield K, Zatoński W, Hashibe M et al. (2016). Cancer incidence and mortality attributable to alcohol consumption. Int J Cancer, 138(6): 1380-87.
  • Alicia Delgado. (2019). Más del 40% de los conductores fallecidos iba borracho o drogado. DGT. ^[Consultado el 23 de diciembre de 2019]. Disponible en: http://revista.dgt.es/es/noticias/nacional/2019/07JULIO/0718-Informe-alcohol-drogas.shtml#.XgCmZ0dKi7
  • Martin JL, Gadegbeku B, Wu D, Viallon V, Laumon B. (2017). Cannabis, alcohol and fatal road accidents. PLos One, 12(11).
  • Topiwala A, Ebmeier KP. (2018). Effects of drinking on late-life brain and cognition. Evid Based Ment Health, 21(1):11-15. 
  • Spear LP. (2018). Effects of adolescent alcohol consumption on the brain and behaviour. Nat Rev Neurosci, 19(4): 197-214. 
  • Lee RD, Chen J. (2017). Adverse childhood experiences, mental health, and excessive alcohol use: Examination of race/ethnicity and sex differences. Child Abuse Negl, 69:40-8.
  • Mostofsky E, Chahal HS, Mukamal KJ, Rimm EB, Mittleman MA. (2016). Alcohol and Immediate Risk of Cardiovascular Events: A Systematic Review and Dose-Response Meta-Analysis. Circulation, 133(10): 979-87.