Problemas de mordida em crianças e sua pisada: como estão relacionados?

A pisada das crianças pode estar relacionada ao aparecimento de má oclusão dentária nos mais novos. Vamos contar mais detalhes sobre essa curiosa associação.
Problemas de mordida em crianças e sua pisada: como estão relacionados?

Última atualização: 06 junho, 2022

É possível que os problemas de mordida em crianças se originem em sua pisada incorreta? Embora pareça difícil de acreditar, a posição de ambas as estruturas está intimamente relacionada.

Atualmente, as más oclusões dentárias são a segunda afecção mais frequente da cavidade oral em crianças, perdendo apenas para a cárie. Por essa razão, há grande interesse em descobrir os fatores que predispõem seu aparecimento, a fim de contribuir para a prevenção.

Hoje vamos contar  por que os problemas de pisada das crianças afetam sua mordida e o que você pode fazer sobre isso. Não perca!

Relação entre problemas de mordida e pisada

Alguns estudos que analisaram a maneira como as pessoas andam encontraram uma relação direta entre distúrbios podológicos e desvios da coluna vertebral, problemas de postura, condições do pescoço e más oclusões dentárias. Dessa forma, a pisada incorreta pode ser um fator predisponente para problemas de mordida em crianças.

Dependendo de como apoiamos os pés ao pisar, adaptamos a postura do resto do corpo para manter o equilíbrio. Essas compensações inconscientes são o que leva outras estruturas mais distantes a desenvolver um problema.

Durante a infância, a forma como apoiamos os pés ao pisar é fortalecida. Se essas posturas estiverem incorretas e não forem corrigidas durante o período de crescimento, acabam comprometendo o equilíbrio da cabeça e a posição da mandíbula. E com isso, o desenvolvimento dos maxilares e das arcadas dentárias é alterado, o que leva a uma má oclusão.

Em um estudo realizado em 2018, foi determinada uma estreita relação entre a posição pronada da pisada (ou seja, com o tornozelo dobrado em direção ao centro do corpo) e o aparecimento de protrusão (avanço) da mandíbula. Essa patologia oclusal é classificada como sendo de classe III.

Por outro lado, pacientes com pés chatos e valgos (ou seja, quando as pontas dos primeiros dedos dos pés tendem a ir para o centro do corpo) podem desenvolver síndromes de classe II. Nesses casos, a mordida é caracterizada por um avanço da mandíbula superior.

Da mesma forma, os distúrbios da mordida podem causar assimetrias posturais no resto do corpo. A mordida incorreta afeta os músculos da cabeça, do pescoço, dos ombros, da parte inferior das costas e das pernas. E no final, geram mudanças na pisada.

Boca de uma criança com má oclusão.
A mordida está intimamente ligada à posição das grandes estruturas ósseas e musculares, incluindo as dos membros inferiores.

Tipos de problemas de pisada e mordida em crianças

Problemas de mordida em crianças e sua forma de pisar são aspectos que os profissionais de saúde avaliam durante as consultas de rotina. É comum o médico observar as características dos pés e da marcha da criança durante a consulta pediátrica. Por sua vez, o ortodontista corrobora o tipo de mordida e detecta qualquer tipo de inconveniência relacionada nos pequenos.

Enfim, existe uma forma simples (e até divertida) de implementar em casa para descobrir qual tipo de pé seu pequeno tem. Embora não tenha valor diagnóstico, pode sugerir uma conversa com o pediatra.

Pinte a sola dos pés do seu filho com tinta lavável e faça-o pisar descalço em um pedaço de papel. Observando suas pegadas, você poderá entender melhor sua pisada. Aqui vamos detalhar todas as alternativas que você pode identificar.

1. Pisada normal

É a mais comum e dessa forma falamos de um pé pronador normal ou neutro. A pisada é observada com a área anterior, o calcanhar e a metade externa da sola marcada. A área do arco não fica registrada no papel.

A pisada é reta, sem tendências para dentro ou para fora.

2. Pisada pronada

Ao olhar para a pegada no papel, você pode dizer se toda ou a maior parte da sola está marcada. Isso ocorre porque o arco não está desenvolvido e então falamos de pé chato.

Embora essa condição seja esperada em crianças pequenas, ela deve se corrigir com o tempo. Pois bem, esse tipo de pisada está relacionada a palatos afundados e más oclusões classe II. Inclusive, os pés chatos afetam o desenvolvimento de todo o sistema musculoesquelético e requerem intervenção precoce para evitar complicações.

3. Pisada supinada

Em algumas pegadas, nota-se que apenas a parte da frente do pé e o calcanhar estão marcados. Essa pisada implica em uma curvatura muito exagerada do arco plantar e isso é conhecido como pé supinado.

É comum que ao caminhar haja uma tendência a apoiar a parte externa (ou lateral) do pé, o que pode ser facilmente verificado com o desgaste do sapato nas laterais externas.

Como já mencionamos, esse tipo de pegada pode estar relacionado a um maxilar superior anterior e até mesmo a um palato arqueado. As crianças que andam dessa forma costumam ter uma curvatura lombar exagerada e ao olhar de lado, parece que o pescoço e a cabeça estão mais inclinados para frente.

4. Pisada vara e valga

Quando o arco não é respeitado e o pé se dobra extremamente para dentro ou para fora, supõe-se que seja uma malformação no desenvolvimento das extremidades.

  • O pé varo caracteriza-se por ser rodado para dentro. O arco e o calcanhar estão orientados para o meio do corpo e, quando o pequeno caminha, parece que está andando sobre os tornozelos. Esse distúrbio está relacionado à protrusão mandibular.
  • Em contraste, o pé valgo tem um desvio dos calcanhares para fora e os dedos dos pés para dentro. Nesse caso, se o pé fosse colocado sobre o papel, a área interna seria marcada, pois tanto o arco quanto o calcanhar são girados para fora. Essa pegada está associada a problemas de mordida de classe II.

Em ambos os casos, o diagnóstico costuma ser feito nos primeiros meses de vida da criança, pois é muito marcante. Em alguns casos, é corrigido com ortopedia e nos casos mais graves, pode ser necessário recorrer a cirurgia e fisioterapia.

varo, valgo e pegadas normais
Os desvios laterais dos pés determinam o apoio das pernas, a posição dos quadris, das costas, do pescoço e dos maxilares.

Problemas de mordida em crianças

As más oclusões em crianças são um problema frequente que afeta as funções orais dos pequenos. Mastigar, comer, conversar e até sorrir e interagir com os colegas pode ser complicado se a mordida estiver prejudicada.

Mandíbulas muito avançadas ou retraídas, mordidas abertas ou cruzadas, apinhamento, fendas e sobremordidas são alguns dos problemas de oclusão mais comuns em crianças. E suas causas são variadas.

Hereditariedade e genética, hábitos orais e perda de dentes são algumas das possíveis origens. E como contamos aqui, a postura e a pisada também influenciam na gênese dos problemas de mordida em crianças.

Mesmo assim, nem todas as más oclusões envolvem problemas de postura, nem todas as pisadas anormais levam a uma mordida alterada.

Conhecer a relação entre problemas de pisada e mordida em crianças ajuda a considerar essa associação. Um diagnóstico precoce é sempre fundamental para evitar problemas mais graves. Por isso, os check-ups odontológicos e pediátricos são fundamentais para garantir o bem-estar da criança e detectar qualquer alteração a tempo.

Pode interessar a você...
Perigos do uso prolongado da mamadeira e chupeta
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Perigos do uso prolongado da mamadeira e chupeta

Existem vários perigos associados ao uso prolongado de mamadeira e chupeta em crianças. Continue lendo e descubra mais sobre o assunto.



  • World Health Organization. (2013). Oral health surveys: basic methods. World Health Organization.
  • Rodríguez, S. G., Rodríguez, M. L., & Ramos, L. P. (2017). Modificaciones de la oclusión dentaria y su relación con la postura corporal en Ortodoncia. Revisión bibliográfica. Revista Habanera de Ciencias Médicas16(3), 371-386.
  • Marchena-Rodríguez, A., Moreno-Morales, N., Ramírez-Parga, E., Labajo-Manzanares, M. T., Luque-Suárez, A., & Gijon-Nogueron, G. (2018). Relationship between foot posture and dental malocclusions in children aged 6 to 9 years: A cross-sectional study. Medicine97(19).
  • Gómez Munilla, A. (2015). Correlación de maloclusión, huella plantar y posturología en el paciente adulto.
  • Yong, Y. J. (2018). Relación de las anomalías dentomaxilo-faciales sagitales con la postura corporal y el apoyo plantar. Revista Médica Electrónica40(3), 602-614.
  • Bazán Ponce de León, J. E. (2018). Relación de la Maloclusión, Clase II de Angle y el pie plano en niños de las Aldeas Infantiles de Huarochirí, 2011.
  • Cumbres Tena, M. (2019). Dispositivo para analizar los parámetros que influyen en la pisada para corregir la supinación o pronación de un paciente.
  • Espangler, L. G., Vázquez, W. E. D., Quevedo, Y. R., Martínez, M. R. L., & Sánchez, T. V. C. (2016). Relación de la postura corporal con las maloclusiones en adolescentes de un área de salud. Medisan20(12), 6001-6008.
  • Jiménez Jiménez, J. (2017). Asociación entre maloclusiones dentales con problemas de actitud postural-columna vertebral en niños y adolescentes de 8 a 13 años.
  • Montero Parrilla, J. M., Semykina, O., & Morais Chipombela, L. D. C. (2014). Trastornos temporomandibulares y su interacción con la postura corporal. Revista cubana de estomatología51(1), 3-14.
  • Gogola, A., Saulicz, E., Matyja, M., Linek, P., Myśliwiec, A., Tuczyńska, A., & Molicka, D. (2014). Assessment of connection between the bite plane and body posture in children and teenagers. Developmental Period Medicine18(4), 453-458.
  • Manfredini, D., Castroflorio, T., Perinetti, G., & Guarda‐Nardini, L. (2012). Dental occlusion, body posture and temporomandibular disorders: where we are now and where we are heading for. Journal of oral rehabilitation39(6), 463-471.