A inteligência das crianças não depende de suas notas

31 de outubro de 2016

A maioria dos pais costuma dar parabéns aos filhos quando eles tiram boas notas no colégio e reagem mal diante de uma nota baixa. Contudo, essas notas não definem a capacidade das crianças.

Para entender um pouco por que as notas que as crianças nos trazem do colégio não determinam seu nível de inteligência, vejamos primeiro como funciona a inteligência.

Howard Gardner definiu que há vários tipos de inteligência. Estipulou que além disso, ela não pode ser medida através dos tradicionais testes de CI, mas sim podemos observá-la. Por outro lado, define a inteligência como a capacidade que temos para resolver problemas ou criar algo novo que possa gerar valor. Finalmente, devemos conhecer os tipos de inteligência que são identificados, hoje em dia:

  • Lógica-matemática (para raciocínios lógicos e matemáticos)
  • Linguística-verbal (permite um adequado manejo da palavra tanto oral quanto escrita)
  • Espacial (relacionada ao visual)
  • Corporal-cinética (controla e coordena os movimentos do corpo)
  • Interpessoal (permite nos relacionarmos com os outros)
  • Musical (relacionada à música)
  • Naturalista (ajuda a compreender o entorno natural)

Agora que sabemos um pouco mais sobre a inteligência. Podemos, então, analisar a situação das crianças. Anteriormente se associava a inteligência lógico-matemática como a que era referência para ver se uma criança era inteligente ou não. Porém, como acabamos de dizer, não é o único tipo de inteligência com o que contamos, portanto, se seu filho tem dificuldade nessa matéria, não significa que não seja inteligente!

Há crianças que são muito inteligentes e conseguem desenvolver suas capacidades em algumas áreas pontuais, mas não tanto em outras. Não é por isso que devemos taxá-los de burros ou de capacidade inferior.

Você deve dar a eles uma oportunidade para desenvolver suas capacidades e demonstrar em qual delas ele é bom. Também deve compreender que a educação que temos atualmente está muito estruturada e o que as crianças precisam para se desenvolverem é sair das estruturas.

Quando você enquadra uma criança dentro de uma estrutura, priva ele de todas as demais, e ele acaba crescendo segundo o entorno que o rodeia e o que mostram a ele. Algumas crianças têm a tendência de escapar disso, embora nem sempre com bons resultados.

A educação escolar

shutterstock_278560493-500x334

Desde a Revolução Industrial temos um sistema atual de educação muito estruturado e formal. Existem outras opções para educar nossos filhos, como, por exemplo, o sistema Montessori.

Entretanto, para a grande maioria que aposta no sistema de educação tradicional, é importante que leve em consideração que o “rótulo” de melhor ou pior aluno que nos podem colar no colégio não determina se somos ou não inteligentes, muito menos para os pais.

Como pai ou tutor de uma criança, você deve apoiá-la sempre na sua educação e compreender que uma boa ou má nota não determina se ele é ou não inteligente.

Lembre-se do que já dissemos anteriormente. Há muitas inteligências.

Então, a nota que a criança tira determina ou não se ela é inteligente nessa área?

shutterstock_147748748

Assim, como temos diversos tipos de inteligência, que nos permite compreender mais facilmente o tema que estamos aprendendo, também joga a nosso favor (ou contra) a memória.

Muitos dos conceitos que aprendemos no colégio (e logo na universidade também) os adquirimos através de nossa memória. Obtemos os conhecimentos necessários, passamos na prova e, então, seguimos com nossas vidas.

O que significa isso? Que uma criança pode entender ou não o que é ensinado a ela, mas pode, além disso, se sair muito bem na prova sem ter entendido nada. Claro, isso que parece ter aprendido perfeitamente, será esquecido em pouco tempo. Isso acontece porque na verdade não entendeu nada, pelo contrário, memorizou esse conteúdo.

Por isso, não devemos confiar nas nossas notas nas provas; elas podem ser enganosas.

A melhor forma de saber se uma criança compreendeu algo é fazer com que explique o que aprendeu. E é aí onde você pode observar sua inteligência (lembre-se do que comentamos no início e que foi dito por Gardner: você não pode medi-la, mas pode observá-la). Se você explica algo a ele e ele entende isso com rapidez, significa que nessa área ele tem uma maior compreensão. Se você vir que custa a ele aprender, não perca a esperança e nunca o taxe negativamente. As crianças aprendem melhor se os tratamos de forma positiva.