Não pulem etapas!

23 de novembro de 2016

O desenvolvimento infantil é um tema que requer muita atenção; em especial, porque representa etapas de fundamental importância para o fortalecimento dos laços afetivos e para garantir o crescimento saudável da criança. Preste atenção ao cumprimento das fases de crescimento de seu filho e se certifique de que não pulou nenhuma delas.

Muitos especialistas determinaram que a primeira fase de desenvolvimento, quer dizer, a que acontece nos primeiros meses de vida é a parte fundamental para que o bebê alcance sua plena formação psicológica, física e emocional. Neste sentido, é recomendável não pular a etapa correspondente aos primeiros doze meses de vida.

Quando se fala de fases, devemos considerar que o divulgador dessa ideia foi o psicólogo suíço Jean Piaget. Segundo esse especialista, a estrutura que sustenta o pensamento humano está ligada diretamente às condições sociais nas quais se desenvolve a pessoa desde pequeno.

Neste sentido, Piaget propôs que cada capacidade cognitiva é própria de determinada idade da criança.

Por fim, problemas e circunstâncias diversas podem ser diferentes conforme sua etapa de desenvolvimento; para provar isso revelou os resultados de testes que fez com crianças por faixas etárias.

De maneira que, as mudanças que o bebê experimenta em um período, na verdade, curto, variam de acordo com o tamanho, peso e evolução cognitiva dele. Não pular a fase na qual a criança mostra a sua personalidade e dá início ao desenvolvimento intelectual é garantia de que os resultados sejam os desejados ou ao menos sejam importantes.

shutterstock_111461453

Dos 12 aos 24 meses

Este período descontínuo nos dá muita informação sobre o comportamento da criança, além disso, é o momento para se consolidar as marcas de sua personalidade. Nos primeiros doze meses, que para qualquer adulto poderia ser quase imperceptível, a criança deixa de ser um bebê totalmente indefeso para tornar-se um ser independente para expressar seus sentimentos e emoções. Além disso, é capaz de se opor ou de manifestar interesses perante várias circunstâncias.

Quando o bebê já tem mais de 24 meses de idade, progressivamente começa a deixar de ser quase incompreensível para os pais. Isso permite que ele seja identificado como um pequeno ser de qualidades definidas. Esse período dos dois primeiros anos, avança através de processos diferentes nos quais passam a aprender os elementos básicos da existência e convivência, até alcançar os fundamentos da próxima etapa.

Consequentemente, é preciso que cada processo de evolução, destinado a fazer com que o bebê complete seus primeiros anos seja finalizado e observado cuidadosamente. Evite que seu filho avance para outras etapas sem haver cumprido corretamente a primeira para que dessa maneira se fortaleça o ser integral que ele se tornará no futuro.

As etapas, mês a mês sem descanso

Dizer que a primeira etapa de desenvolvimento infantil é a mais importante não implica em que as demais não sejam ou que sejam menos importantes. Isto significa que se deve especialmente ao fato de que os bebês mudam a cada dia, o que traz como consequência que as atenções direcionadas a cada período sejam diferentes.

shutterstock_240694393-500x334

Outro aspecto a ser considerado no mês a mês vivenciado pelo seu bebê é que nem todas as personalidades são iguais. Isto implica que embora se aplique a teoria que chega pelos nossos sentidos, muitas vezes seja necessário improvisar para conseguir com que não sejam puladas etapas no desenvolvimento integral dos menorezinhos.

Esta situação faz parte das principais atenções que nós pais devemos ter, porque é equivalente ao equilíbrio com o qual é conduzida a educação. Por exemplo, não há problema algum em apressar o passo de uma etapa e tampouco é recomendável que se prolongue o seu avanço. Cada bebê responde segundo o seu próprio ritmo e tem um tipo de inteligência diferente. Se somos cuidadosos e observamos com precisão podemos criar um processo harmônico.

Trata-se de atender as necessidades de cada período, isto você pode conseguir se informando bem, e sobretudo, seguindo o seu coração. Aprenda a ouvir e a entender seu bebê para dar a ele o estímulo adequado, mas, acima de tudo, lembre-se que muitas vezes é preciso dizer não pelo bem de todos.

Como mães responsáveis devemos atender o compromisso de iniciar um processo vital para as nossas famílias, posto que com cada processo finalizado, nos aproximamos um pouco mais dos fundamentos do homem ou mulher que queremos formar para que seja um ser social, consciente, saudável e integral.