10 curiosidades sobre o parto que você não sabia

· 16 de dezembro de 2018
O parto é o instante mais maravilhoso na vida de uma mulher. Trata-se do seu único encontro às cegas que permite conhecer o amor de sua vida.

O momento do parto envolve uma magia capaz de transformar o trabalho e a dor no mais puro amor. Pode ser entendido como um momento sagrado, em que começam a ser costurados os laços mais imaculados, inquebráveis e eternos. Existem curiosidades sobre o parto que você deve saber.

No entanto, em torno do parto existe uma infinidade de mitos que não são necessariamente verdadeiros. Na verdade, esse tema semeou, ao longo dos anos, muita desinformação entre as pessoas.

Por isso, neste artigo do blog Sou Mamãe queremos contar a você algumas curiosidades sobre esse marco na vida de toda a família.

O parto é mais admirável do que a conquista, mais surpreendente do que a autodefesa e tão corajoso quanto qualquer um deles

-Gloria Steinem-

5 curiosidades sobre o momento anterior ao parto

  • Medidas de dilatação. Não existe na hora do parto a necessidade de ter “5 dedos de dilatação”. Na verdade, a dilatação mede, com certeza, um ou dois dedos. A partir daí começam a se considerar os centímetros, até chegar aos 10 cm.
  • Tempo de dilatação. Na obstetrícia se diz, sem nenhuma exceção, que“não existe mulher que não tenha dilatação”. Portanto, pode-se concluir que existem profissionais que têm pouca paciência para aguardar o desenrolar do processo de dilatação necessária para o parto.
sobre o parto

  • O que na verdade dilata? De maneira geral, diz-se que a vagina é sofre a dilatação. Isso é um erro crasso. O que deve “dilatar”, na verdade, é o colo do útero. De fato, o canal vaginal é composto por um tecido elástico que, na hora do nascimento, estica-se, voltando depois à sua forma original.
  • “Parto seco”, isso é possível? Quando estoura a bolsa da futura mamãe, o bebê continua produzindo líquido amniótico através da urina. Além disso, a posição e a localização de sua cabecinha servem como uma tampa, a qual lacra temporariamente o colo do útero. Então, a criança não vai perder o líquido amniótico.
  • Beber o líquido amniótico ou ingerir o mecônio traz algum risco ao bebê? Definitivamente não. Na verdade, os embriões ingerem esse líquido todo o tempo até a metade da gravidez. Além disso, ingerem mecônio, que é uma substância estéril e sem risco para o sistema digestivo.

Quando você mudar a maneira que enxerga o parto, mudará sua maneira de parir

-Marie Mongan-

5 curiosidades sobre o parto depois de dar à luz

sobre o parto

  • O embrião escolhe o momento de nascer. Quem determina, geralmente, o começo do trabalho de parto é o bebê. Quando o último órgão a amadurecer (o pulmão) já está formado, lança uma substância no líquido amniótico. Isso provoca uma reação na mulher.
    • Então, se ele não nascer, é porque, simplesmente, não está preparado, considerando o tempo normal que dura uma gravidez.
  • “Meu bebê nasceu roxo porque demorou a nascer”. Isso é um grande mito. Na verdade, todos os bebês, alguns mais e outros menos, chegam ao mundo com essa coloração de pele. Inclusive, vivem a gestação com essa cor, já que no útero existe pouca oxigenação.
    • Quando a criança começar a respirar fora da barriga da mãe, ela vai começar a adquirir um tom de pele rosado.
  • A tão temida icterícia fisiológica. Você sabia que depois do parto todos os recém-nascidos sofrem dela em maior ou menor medida? Estamos falando do tom amarelado de pele e dos olhos.
    • Naturalmente e de modo gradual, o fígado começa a metabolizar a bilirrubina e, assim, a coloração começa a se normalizar. Em pouquíssimos casos, exige-se a fototerapia.
  • A Escala de Apgar. Esta escala consiste em uma nota que se dá ao bebê recém-nascido. Isso pode ser feito enquanto está acontecendo o contato pele a pele com a mãe.
    • A primeira nota se dá com 1 minuto de vida e a segunda – que reflete a condição da criança- aos 5 minutos de vida. Uma nota maior do que 7 é excelente.
  • Tudo pode ser postergado, quando a criança já estiver em seus braços. O cordão umbilical pode ser cortado a qualquer momento. Isso não influencia a saúde do seu filho.
    • Na verdade, estudos científicos comprovam que é bom cortá-lo quando o recém-nascido deixar de chorar. Medir a altura e o peso também não são mais importantes do que o laço entre mãe e filho.