A que se deve o cheiro do bebê?

· 8 de março de 2019
O cheiro do bebê ao nascer gera uma sensação de prazer incomparável em todas as mães. Estudos sugerem que isso de deve à mistura de uma substância chamada vérnix caseoso e restos do líquido amniótico.

Uma das características dos recém-nascidos é o cheiro incomparável que eles exalam. Essa fragrância fica de forma permanente no cérebro da mãe de modo que, mesmo com o passar dos anos, ela se lembra dele como se fosse ontem.

Muitos estudos se propuseram a tarefa de descobrir a que se deve o cheiro do bebê, bem como os efeitos dele na mãe. Vamos te contar a que ele se deve e porque ficar com o seu bebê bem perto se torna um vício.

O cheiro do bebê: doce inebriante para as mães

A maioria das pessoas que já seguraram um bebê nos braços foi capaz de sentir como o seu cheiro é agradável.

Estudos sugerem que essa sensação prazerosa se deve à natureza que, por razões de sobrevivência, parece forjar um vínculo com a mãe. Em outras palavras, existem substâncias nesse cheiro que atraem os pais para amamentar e ter contato com o filho.

No caso das mães, o cheiro do bebê gera uma reação no cérebro, da mesma forma como aquelas causadas pela dopamina, ou o hormônio do prazer. Assim, a proximidade com a criança se torna um vício ou uma ação que produz prazer.

Estima-se que, como já foi mencionado anteriormente, esta seja uma das formas naturais de garantir um vínculo de amor entre mãe e filho. Combinado com outras modificações no cérebro da mãe, o cheiro estimula a lactação e, como consequência, a sobrevivência do bebê.

Por que os bebês têm esse cheiro característico?

Essa questão do cheiro do bebê levou vários especialistas a falarem sobre isso e a compará-lo com outros aromas conhecidos. Alguns o comparam com o cheiro de biscoitos molhados no leite, um aroma doce que desperta todos os tipos de sensações.

Por outro lado, outros o associam ao cheiro do caramelo ou da baunilha, que entra no cérebro para permanecer nele para sempre. No entanto, a ciência aponta que esse cheiro agradável se deve aos seguintes fatores:

Vérnix caseoso

O vérnix caseoso é uma substância esbranquiçada que cobre a pele do bebê no momento do nascimento. Seu aspecto gorduroso proporciona hidratação à pele a partir do momento em que começa a se formar na gravidez, na 20ª semana de gestação.

Por que os bebês têm esse cheiro característico

Essa camada oleosa ou sebácea, de acordo com os pesquisadores, ajuda a regular a temperatura e é uma substância rica em vitamina E, que protege o bebê durante as primeiras semanas de nascimento.

Por causa das funções que essa substância tem para a pele, recomenda-se não eliminá-la completamente na hora do banho. Dessa forma, uma melhor absorção é garantida e os nutrientes são melhor aproveitados.

O vérnix caseoso é composto basicamente de proteínas, água e gorduras, que ajudam a preservar o incrível cheiro do bebê. Ele é percebido com maior intensidade na cabeça durante os primeiros meses de nascimento.

Existem substâncias no cheiro do bebê que atraem os pais para amamentar e ter contato com o filho.

Líquido amniótico

Estima-se que o líquido amniótico também desempenhe um papel importante no cheiro do bebê ao nascer. Essa substância incolor e inodora é composta de carboidratos, proteínas e nutrientes que mantêm o bebê protegido enquanto está no útero.

Assim, quando o vérnix caseoso se mistura com os restos do líquido amniótico, um cheiro indescritível se forma na pele. Esse cheiro é o que ajuda a formar o vínculo com a mãe.

Inatividade das glândulas sudoríparas

Outro fator ao qual o cheiro do bebê é atribuído é o fato de que a sua termorregulação da temperatura ainda não se desenvolveu completamente. Por esse motivo, os bebês dificilmente suam.

 Inatividade das glândulas sudoríparas

Quando o suor seca, isso pode gerar algumas bactérias que causam mau cheiro. No entanto, se a pele da criança estiver limpa, ela não vai exalar nenhum mau cheiro.

Conforme os meses forem passando, o bebê pode suar ao fazer um esforço físico, como, por exemplo, ao chorar intensamente. No entanto, se os bebês estiverem transpirando demais ou ao comer, mesmo que suas roupas sejam removidas, é necessário consultar o médico imediatamente.

Em resumo, o cheiro do bebê ao nascer é uma combinação do líquido amniótico e do vérnix caseoso presentes na pele, que ajudam a protegê-lo.

O objetivo é entrar no cérebro da mãe e fortalecer um vínculo com os pais que garanta a sobrevivência. Sem dúvida, esse é um daqueles dons da natureza que nos surpreendem.