Noelia Garella, um exemplo de luta e resiliência

As histórias de crianças e adultos com síndrome de Down que realizaram seus sonhos são sempre inspiradoras. Conheça Noelia Garella, a primeira professora argentina com essa condição.
Noelia Garella, um exemplo de luta e resiliência

Última atualização: 23 Agosto, 2021

Noelia Garella ganhou as manchetes e rapidamente sua história, que comoveu jovens e velhos, percorreu o mundo todo. Um exemplo de luta e resiliência, ela é a primeira professora argentina de jardim de infância com Síndrome de Down.

Ela foi rejeitada na escola quando era apenas uma criança. Sua cruel professora a chamou de “monstro”. Noelia nunca desistiu e hoje, aos 32 anos, tem sua própria classe. Seu único objetivo é encher cada um de seus alunos com amor e doçura, sem condições.

Noelia nunca deixou que os comentários impiedosos a diminuíssem. Longe disso, ela lutou até as últimas consequências para realizar seu sonho. E o transformou em realidade, tornando-se uma das poucas educadoras com essa condição em todo o mundo.

Você será feliz – disse a vida –, mas antes vou te ensinar a ser forte.

-Anônimo-

A história de Noelia Garella, um símbolo de luta e resiliência

Em sua cidade natal, Córdoba, todos a conhecem como “La Noe”. Essa menina, que se tornou o orgulho e o emblema da região, formou-se em 2007 como professora de pré-escola. Agora ela está cercada por crianças de 2 e 3 anos que a observam com profunda admiração, mas sem saber ao certo sua grandeza.

Noelia Garella começou a trabalhar em 2012. Mas, claro, ninguém disse a ela que a vida seria fácil. Ela foi imediatamente forçada a enfrentar os preconceitos e as dúvidas de muita gente. Tanto os pais quanto os diretores questionaram sua capacidade de assumir a posição de docente.

No início, ela era responsável exclusivamente pelo programa de estimulação à leitura precoce na pré-escola Capullitos. Rapidamente percebemos que ela tinha muita vocação e oferecia o que as crianças mais valorizam, que é o amor”, confessa Alejandra Senestrari, ex-diretora daquele estabelecimento de ensino.

Desde janeiro, Noelia é responsável pela sala do primeiro ano do Jardim de Infância Jeromito. Um sorriso aparece em seu rosto quando ela se refere com orgulho à sua experiência de superação e inclusão. Tudo um testemunho de luta e resiliência.

Com as crianças sempre me sinto bem, seus pais me adoram e as outras professores e as diretoras são incríveis.

-Noelia Garella-

Um ‘monstro’ muito feliz

“Agora sou um monstro feliz ”, diz ela sobre sua vida atual, mas lembrando daquela professora que a rejeitou e a discriminou. “O monstro triste é ela”, acrescenta Noelia. No entanto, essa diretora não foi a única pedra no sapato que os pais de Noe, Mercedes e Delfor, tiveram que encarar.

“Quando Noe, nossa primeira filha, nasceu, o médico me disse: ‘Tenho más notícias para lhe dar’. Imediatamente perguntei se ele havia morrido e ele respondeu: ‘Não senhor, é pior, é Down‘”. Delfor nos conta, sob o olhar atento de Noelia, e os olhos lacrimejantes de Mercedes.

Com o seu sorriso como estandarte, Noelia conquista cada coração que tem a sorte de conhecê-la. Ela se mostrou para o mundo exibindo seu antídoto para seguir em frente. Por um lado, uma autoestima brilhante, à prova de balas. Por outro lado, um invejável otimismo antipreconceito.

Com tudo isso, ela conseguiu conquistar a empatia e o respeito de seus colegas e superiores. Ela fez com que comunidades educacionais íntegras refletissem e dignificou seu sonho com o trabalho, apesar de sua condição. Independentemente das feridas emocionais e afetivas que ele trouxe de sua infância.

Felizmente, o passado ficou para trás. Com luta e resistência, seus planetas começam a se posicionar em órbita. Hoje ela está feliz por ter chegado aonde chegou. E feliz por poder oferecer todo seu amor e apoio aos alunos. Agora ela espalha entre os pequenos esse amor que, na época, um verdadeiro monstro nefasto lhe negou.

Pode interessar a você...
A síndrome de Down e a amamentação
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
A síndrome de Down e a amamentação

A síndrome de Down pode ser considerada um impedimento para a amamentação. No entanto, ela oferece múltiplos benefícios. Saiba mais sobre esse assu...