85% das grávidas apresentam problemas bucais

Muitas grávidas apresentam problemas bucais durante a gravidez, e isso acarreta um grande risco para a sua saúde e a dos seus bebês.
85% das grávidas apresentam problemas bucais

Última atualização: 23 Outubro, 2021

Desconforto na boca e gengivas são condições muito comuns durante a gravidez. De acordo com um estudo de saúde realizado em 2020 pela Sanitas, foi determinado que 85% das grávidas apresentam problemas bucais nessa fase.

As mudanças físicas e hormonais típicas da gravidez afetam a saúde bucal da mulher. Conhecer essa associação é fundamental para que a gestante saiba quais são os riscos que enfrenta e também para prevenir ou reduzir sintomas incômodos.

Neste artigo, falaremos sobre as condições bucais mais comuns na gravidez e por que elas ocorrem. Além disso, compartilhamos algumas recomendações para cuidar da sua saúde bucal na doce espera.

Por que as mulheres grávidas têm problemas bucais

Durante a gravidez, o corpo da mulher passa por uma série de mudanças físicas e hormonais necessárias ao desenvolvimento de um novo ser. Às vezes, essas transformações afetam negativamente a saúde bucal da gestante e a predispõem a adoecer.

Em linhas gerais, as alterações hormonais típicas dessa fase promovem o desenvolvimento da placa bacteriana. Se o quadro não for adequadamente controlado, a mulher corre o risco de desenvolver patologias bucais, como cáries, gengivite ou doença periodontal.

Por outro lado, o organismo da mulher aumenta o suprimento de sangue em sua totalidade, incluindo os tecidos moles da boca. Por causa disso e pelo acúmulo de placa bacteriana, as gengivas incham com mais facilidade e sangram com pequenos traumas.

Finalmente, durante a gravidez ocorrem certas mudanças na dieta que levam a mulher a não se alimentar adequadamente. Isso também favorece o aparecimento de problemas bucais.

Mulher grávida com desejos doces.

Os problemas bucais mais frequentes na gravidez

De acordo com um estudo de saúde bucal publicado pela Sanitas em 2020, cáries e gengivite parecem ser os problemas bucais mais frequentes em grávidas. Da mesma forma, a inflamação das gengivas se torna mais perceptível no terceiro e no oitavo meses da gravidez.

A seguir, mencionaremos as condições orais mais comuns que ocorrem durante a gravidez. Não deixe de ler!

Gengivite

Devido às alterações hormonais e ao acúmulo de placa bacteriana, ocorre uma resposta inflamatória exagerada no tecido gengival (gengivite). Assim, as gengivas adquirem uma profunda cor avermelhada, incham, doem e sangram com facilidade.

Doença periodontal

É a evolução natural da gengivite não tratada, afetando os tecidos profundos que sustentam os dentes.

Essa inflamação e infecção do periodonto causa a perda do osso alveolar, favorece a mobilidade dentária e, em casos graves, é a causa da perda dentária. Além disso, durante a gravidez, aumenta o risco de partos prematuros e de crianças com baixo peso ao nascer.

Cáries

As bactérias na boca fermentam os carboidratos da dieta e produzem os ácidos responsáveis pela perda de tecido duro dos dentes. Alguns dos fatores da gravidez que promovem a cárie dentária são os seguintes:

  • O acúmulo de placa bacteriana.
  • Mudanças nos hábitos de higiene devido a náuseas.
  • Uma dieta rica em açúcar, típica dos desejos.
  • Grande diminuição da produção de saliva (xerostomia), por motivos hormonais.

Epúlide gravídica

É o alargamento de uma área específica da gengiva que está associada à gengivite. É um tumor benigno que aumenta de volume durante a gravidez, dói, sangra e dificulta a mastigação ou a fala.

Geralmente, desaparece espontaneamente após o parto, embora possa ser eliminado por meio de cirurgia, se causar muito desconforto.

Xerostomia

Como mencionamos anteriormente, a diminuição na produção de saliva devido ao efeito dos hormônios da gravidez é uma condição muito comum nessa fase.

Como as grávidas podem evitar os problemas bucais

A melhor forma de evitar problemas bucais durante a gravidez é buscar os cuidados de higiene necessários e fazer consultas odontológicas de rotina.

O ideal é ir ao dentista antes de engravidar, no momento do planejamento. Dessa forma, o profissional pode fazer todos os tratamentos necessários, de forma a deixar a boca em ótimas condições para a concepção.

Durante a gravidez é fundamental que a gestante remova a placa bacteriana corretamente, para evitar que ela se acumule e forme tártaro. A higiene dos dentes e das gengivas deve ser feita com escova de cerdas macias e creme dental com flúor, pelo menos três vezes ao dia.

Se a paciente tiver náuseas ou sensibilidade durante a escovação, ela deve encontrar uma maneira de lidar com essas situações para manter a higiene oral. Isso porque negligenciar os cuidados com a cavidade oral nessa fase acarreta consequências incômodas e até perigosas.

É preciso ter tempo para limpar bem os dentes, com movimentos cuidadosos e lentos. Usar escovas elétricas e outros sabores de pasta de dente pode ajudar a neutralizar a sensação de ânsia.

A limpeza oral deve ser complementada com o uso de fio dental para eliminar as bactérias que se acumulam entre os dentes. Além disso, o dentista pode recomendar o uso de um antisséptico bucal especial.

Finalmente, deve-se levar em conta que a dieta é outro fator essencial na prevenção de problemas bucais frequentes em mulheres grávidas.

A dieta ideal deve fornecer proteínas, vitaminas, cálcio, fósforo e ácido fólico em quantidades suficientes. Além disso, a ingestão de alimentos com alto teor de açúcar (doces, bolos e refrigerantes) deve ser reduzida ao máximo.

Mulher grávida escovando os dentes para evitar sangramento nas gengivas.

A importância das consultas com o dentista na gravidez

Um aspecto fundamental na prevenção é consultar o dentista com frequência, a partir do momento em que a gravidez é confirmada e ao longo de cada trimestre.

O profissional vai acompanhar o estado da boca, indicar os tratamentos que forem necessários e recomendar o momento adequado para realizá-los. Em geral, durante o segundo trimestre da gestação, para maior conforto e segurança.

Além disso, o dentista orientará a futura mãe sobre todas as medidas necessárias para manter a boca saudável. Em consonância com isso, ele fará uma limpeza dentária e aplicará flúor, quando necessário e se as náuseas permitirem.

Em caso de apresentar alguma emergência odontológica, dor ou infecção, a gestante deve ir ao dentista imediatamente para solucionar a situação. Essas condições geram estresse, contrações e colocam o feto em risco, pois aumentam o risco de parto prematuro.

Com uma boca bem cuidada e saudável, é possível enfrentar ainda melhor a expectativa do futuro bebê.

Pode interessar a você...
A higiene bucal na escola
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
A higiene bucal na escola

A higiene bucal é de grande importância para levar uma vida saudável, uma vez que a cavidade oral é a principal porta de entrada para os microrgani...



  • Chaguay Alvarado, J. S. (2021). Enfermedades bucodentales relacionadas con el embarazo (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología).
  • Zambrano Vega, J. R. (2018). Complicaciones odontológicas en mujeres embarazadas (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad De Odontología).
  • Sanz, E. M., Lara, I. P., & Álvarez, C. M. (2018). La importancia de la salud bucodental durante el embarazo. Gaceta dental: Industria y profesiones, (301), 142-150.
  • García, R. C., Culqui, S. F., Benalcázar, R. Q., Raymi, A. C., Navarro, M. P., & Vásquez, Ó. T. (2019). Enfermedad periodontal asociada al embarazo. Revista Científica Odontológica7(1), 132-139.
  • Cordero, M. J. A., Rivero-Blanco, T., Leon-Rios, X., Rodriguez-Blanque, R., & Gil-Montoya, J. A. (2018). La Enfermedad Periodontal como factor de riesgo de complicaciones durante el embarazo y parto. Journal of Negative and No Positive Results3(11), 906-922.
  • Amparo, B., & Ocaña, R. (2020). Relación entre enfermedad periodontal en embarazadas y bajo peso al nacer (Bachelor’s thesis, Universidad Nacional de Chimborazo 2020).