Por que é importante se reconciliar na frente das crianças?

20 Novembro, 2020
Todos sabemos que não é aconselhável discutir na frente das crianças, mas isso nem sempre pode ser evitado. Portanto, seria muito positivo permitir que eles também presenciem a reconciliação.

No nosso dia a dia, muitas vezes deixamos o piloto automático ligado e nos esquecemos de que, desde que nos tornamos pais, há um par de olhos observando e integrando dentro de si tudo o que fazemos. Assim, em todas as famílias, existem discussões entre os pais presenciadas pelos filhos, o que causa sofrimento. Porém, embora sempre acabem em reconciliação, os pequenos geralmente não estão presentes no momento desse desfecho feliz.

Sem dúvida, no dia seguinte, eles podem observar como a dinâmica entre os seus adultos de referência voltou ao normal. Eles vão observar como estão se dirigindo um ao outro novamente com amor e sem dificuldade. No entanto, assim como testemunharam a discussão, é importante que também estejam envolvidos na resolução dos conflitos. A seguir, veremos o porquê.

Como as discussões afetam as crianças?

Para uma criança, os pais são as suas duas principais figuras de apegoEla confie neles para que proporcionem não apenas amor e necessidades básicas, mas também estrutura, segurança e orientação. É sempre importante que os pais funcionem como uma equipe diante dos filhos, pois isso mostra uma solidez que gera confiança e tranquilidade.

se reconciliar na frente das crianças

Desse modo, quando os pais iniciam uma discussão e as crianças estão presentes, elas sofrem, principalmente quando não identificam o respeito, a assertividade e o carinho que sempre deveriam prevalecer nas interações, apesar da discordância. Portanto, ver as duas pessoas mais importantes do seu mundo com raiva uma da outra, gritando ou se desrespeitando, realmente as afeta.

  • A criança sente medo porque as duas pessoas responsáveis por sua segurança e bem-estar parecem alteradas, em desacordo e fora de controle. A criança provavelmente não saberá por que a discussão começou nem como vai terminar. E essa incerteza pode causar grande ansiedade.
  • A criança experimenta um sentimento de culpa, uma vez que, muitas vezes, o filho se considera responsável pelo problema dos pais e pela briga entre eles. Ela pode sentir que eles estão com raiva porque ela se comportou mal ou fez algo errado.
  • A criança adquire estratégias inadequadas para a interação social. As crianças aprendem por imitação. Por meio do que observam, elas criam uma imagem de como as relações humanas funcionam e internalizam certos padrões de comportamento. Assim, o seu filho pode normalizar gritos, insultos ou a indiferença como ferramentas de comunicação válidas.

Nem sempre é possível evitar conflitos

Sem dúvida, discutir na frente das crianças não é nada recomendável. É sempre preferível encontrar momentos a sós para que o casal possa discutir e resolver suas desavenças sem a presença dos filhos. Da mesma forma, se algo tiver que ser discutido na frente delas, isso deverá ser feito com muito cuidado e consciência. Não podemos nos deixar levar por impulsos e devemos tentar nos comunicar da forma mais respeitosa e assertiva possível.

No entanto, os pais também são seres humanos. Não somos máquinas ou robôs. Portanto, nem sempre conseguimos controlar totalmente as nossas ações. Além disso, os conflitos e contratempos não são planejados e, às vezes, podem surgir em momentos inconvenientes. Assim, em todas as famílias, essa situação já ocorreu desagradável em algum momento.

se reconciliar na frente das crianças

A importância de se reconciliar na frente dos filhos

Não é necessário nos desesperarmos ou nos culparmos repetidamente por permitir que os nossos filhos testemunhassem uma discussão. O que importa é se reconciliar na frente deles e permitir que eles aprendam por meio dessa experiência. Na maioria das vezes, a reconciliação ocorre quando as crianças já estão dormindo ou brincando em um cômodo diferente. No entanto, se permitirmos que elas estejam presentes, elas vão se beneficiar de diferentes maneiras.

Em primeiro lugar, elas ficarão tranquilas ao ver que as suas duas figuras de referência estão de acordo novamente. Por outro lado, vamos ensinar (por meio do exemplo) que é normal o surgimento de conflitos e discrepâncias, mas que estes não implicam em falta de amor ou no fim da relação. Mostraremos como lidar com desacordos e como resolver conflitos com outras pessoas.

Entretanto, acima de tudo, vamos permitir que as crianças testemunhem atos tão relevantes quanto a humildade para pedir desculpas, a nobreza para aceitá-las e as demonstrações de afeto típicas da reconciliação. Portanto, se não foi possível evitar a discussão na presença das crianças, reconciliar-se na frente delas sempre será uma excelente alternativa.