Como suportar um aborto espontâneo?

7 de dezembro de 2016

Neste artigo vamos falar da dolorosa situação que nos assalta quando nos deparamos com a perda de uma gravidez e dar-lhe conselhos para lidar com um aborto espontâneo.

Perder um filho é uma das situações mais difíceis que uma pessoa pode viver, pois não há dor semelhante a essa. Por conseguinte, suportar um aborto é uma das tarefas mais difíceis para muitos pais, pois envolve não só uma perda enorme, mas também a morte de uma esperança que os enchia de vida.

Assim também, suportar um aborto espontâneo pode ser de grande complexidade uma vez que os processos envolvidos nestas circunstâncias são altamente invasivos e dolorosos, tanto física como mentalmente. Neste artigo vamos falar sobre como lidar com um aborto.

Segundo a Sociedade Espanhola de Ginecologia e Obstetrícia, entre 10 e 20% das gestações terminam em aborto espontâneo antes de 22 semanas de gestação. Também, para o Instituto Nacional de Estatística, três em cada mil nascidos na Espanha sofreram uma morte fetal tardia (após seis meses de gravidez).

É claro, não se pode resumir uma situação tão lamentável apelando simplesmente para dados estatísticos. Bem, estes resultados não são apenas números, uma vez que cada um deles esconde histórias pessoais complexas. No entanto, podem nos dar a ideia de não estarmos sós ao atravessar este difícil momento.

Suportar um aborto, superar uma dor infinita

Ambos os pais experimentam uma dor profunda perante a perda do bebê que lhes é inexplicável. Porém, é inegável que o desconforto é multiplicado no caso da mulher, e não apenas pelas consequências físicas, mas também pelo sentimento de culpa que as acompanha em sua vida sentimental e reprodutiva.

Muitas mulheres não conseguem suportar um aborto espontâneo simplesmente porque para elas é impossível superar as consequências da curetagem, uma cirurgia que envolve a raspagem da superfície do tecido uterino ou uma limpeza do órgão.

Por outro lado, alguns especialistas se opõem a esta prática porque eles preferem deixar que o próprio corpo atue para remover todos os vestígios sozinho. Nestes casos, recomenda-se ainda realizar posteriormente um exame de ultrassom para verificar o estado em que permaneceu o útero.

Como em qualquer duelo, para poder suportar um aborto é necessário o passar do tempo, mas sem um tempo estipulado, porque cada pessoa pode precisar de mais ou menos tempo para atenuar sua dor e aprender a conviver com essa ausência a fim de evitar a depressão.

As pressões ao redor e a incapacidade de expressar os sentimentos podem fazer com que seja mais difícil suportar um aborto. Por isso os especialistas ressaltam a importância de que a pessoa se sinta ouvida, que levem em conta as suas necessidades e respeitem o seu tempo.

7 conselhos para lidar com um aborto

  • Vá a um profissional qualificado para assistência psicológica. Se os sentimentos normais de culpa, raiva e tristeza que geram todo aborto espontâneo forem prolongados, você deve considerar fazer terapia para lidar com o processo de luto sem cair em depressão.
  • Averiguar as razões do aborto. É aconselhável encontrar respostas para todas as perguntas com o seu médico. Muitas vezes há uma causa específica (matriz invertida, cistos ovarianos, etc…) que é melhor conhecer para você obter tranquilidade e uma maior capacidade de entender os motivos pelos quais sua gravidez não veio à tona, além de permitir a busca de tratamentos para prevenir abortos futuros.
  • Não se culpe. Se você cuidou de si mesma e de seu bebê levando em conta todos os detalhes para estarem ambos seguro, por que se culpar? Se os abortos espontâneos são geralmente resultado de um problema cromossômico. Se você tem um motivo para fazê-lo ou não, perdoe-se pelo simples fato de ter acreditado que fosse culpada por essa perda.

  • Frequentar um ambiente empático. Para superar fortemente um aborto, você pode cercar-se de pessoas compreensivas com quem compartilhar a experiência. Inclusive é ainda possível ter um grupo social em que se expresse e não se sinta sozinha durante o processo de luto.
  • Converse com outras mulheres que passaram pela mesma situação. É inevitavelmente perto sentir-se magoado ou incompreendido perante frases como “supere isso”. Portanto, o testemunho de pessoas que já sofreram esta perda lhe fará compreender que você não está sozinha e irá apreciar histórias semelhantes de dor, mas com uma vantagem: alguns já carregam superação. Além daqueles que aprenderam a lidar com um aborto para poderem lhe dar conselhos úteis para esta provação.
  • Fuja do estresse! Seu corpo irá experimentar mudanças físicas e até mesmo desconforto, mas também seu estado mental será alterado devido à mudança hormonal que ocorre a partir do momento que você ficou grávida. Enquanto tentar lidar com um aborto poderá experimentar as mudanças bruscas típicas de humor e irritabilidade. Se você sentir dor, peça ao seu médico para prescrever um analgésico para aliviar o desconforto.
  • Descanse. Seja paciente com seu corpo após o aborto porque ele está se preparando para se curar do dano ou da rejeição da gravidez; mais cedo ou mais tarde voltará ao normal. É importante continuar com suas rotinas normais e até mesmo praticar algum hobbie capaz de manter sua mente ocupada. Aproveite para meditar, ouvir música ou fazer alguma viagem. Não tente evitar suas emoções, apenas assuma o controle delas.