Muito tempo diante das telas faz mal para as crianças

· 21 de abril de 2017

Permanecer tempo demais em frente às telas é prejudicial para as crianças. E quando dizemos telas nos referimos à tela da televisão, dos computadores, celulares, tabletes, consoles de videogame e qualquer outro aparelho semelhante. Talvez isso possa parecer exagerado, mas há cada vez mais crianças (e adultos) viciados nas telas.

Alguns países consideram que o vício à tela na infância como um transtorno clínico, e há locais de reabilitação especificas para tratar as crianças afetadas. O excesso de tempo em frente à tela faz mal à saúde dos seus filhos em muitos níveis diferentes, e deve ser tratada como qualquer outro vício. Mas, viciados ou não, de qualquer maneira, a superexposição às telas pode provocar importantes efeitos no cérebro.

Tempo demais atrás de um dispositivo digital pode ser prejudicial

A Academia Americana de Pediatria recomenda aos pais colocar um limite razoável aos meios de entretenimento baseados em telas. Apesar dessas recomendações, as crianças entre 8 e 18 anos passam um média de 7 horas e meia por dia em frente a esses dispositivos, segundo um estudo realizado em 2010 pela Fundação Henry J. Kaiser Family.

A pesar de muitos pais terem a sensação de que devem fazer mais para limitar o tempo de frente à tela, com frequência se perguntam se existe evidência suficiente que justifique essa limitação de tempo, e mais levam em consideração que as telas e tudo o que as acompanha faz parte da cultura dos nossos filhos.

Porém, foi comprovado que passar tempo demais em frente à telas eletrônicas tem efeitos nocivos. São os seguintes:

O uso de telas eletrônicas promove a obesidade infantil

Tempo demais diante das telas eletrônicas aumenta a vida sedentária das crianças, as quais não costumam ter muitas oportunidades para a atividade física em sua rotina diária. Com as telas de eletrônicos aumentam os problemas de sobrepeso nas crianças.

O uso das telas eletrônicas provoca problemas do sono

Apesar de muitos pais utilizarem a televisão para ajudar as crianças a relaxar antes de se deitar para dormir, o tempo de exposição à tela antes de se deitar pode ser contraproducente. A luz emitida pelas telas interfere no ciclo do sono do cérebro e pode provocar insônia. Sem falar da luz da luz emitida pelos dispositivos móveis.

O uso de telas eletrônicas aumenta os problemas de comportamento

As crianças em idade escolar que veem televisão ou usam computador mais de duas horas por dia são mais propensas a ter problemas de comportamento, assim como problemas de atenção social e emocional, conforme a Clínica Mayo. Ver televisão demais também esteve relacionada ao aumento do comportamento agressivo.

O uso de telas eletrônicas favorece os baixos resultados acadêmicos

As crianças em idade escolar que têm televisores em seus quartos ou usam sem controle diferentes dispositivos eletrônicos obtêm piores resultados as provas acadêmicas.

O uso de telas eletrônicas fomenta a violência

A exposição a programas violentos de televisão, filmes ou música, assim como determinado tipo de videogames pode fazer com que as crianças se tornem insensíveis à violência. Com o tempo podem utilizar a violência para resolver os problemas e podem imitar o que veem na televisão ou nos jogos deles, de acordo com a Academia de Psiquiatria Infantil e Adolescente.

Estabelecer regras para o uso de telas e dispositivos eletrônicos

As crianças precisam de regras para limitar o tempo delas em frente às telas. Além disso, as atividades eletrônicas deles dever ser monitorados e supervisionados. Estabelecer regras para o uso da tela eletrônica evitará que a tecnologia cause nas crianças e jovens problemas físicos, emocionais, sociais e acadêmicos. Para isso:

  • Estabeleça regras de segurança: as crianças precisam de regras para mantê-las a salvo do assédio cibernético, dos pedófilos digitais, e da exposição à violência. Inclua nas regras de sua casa todas as que você considere necessárias para fazer com que a segurança eletrônica seja uma prioridade.
  • Estabeleça regras para promover habilidades sociais: as crianças e adolescentes que passam demais usando meios eletrônicos podem ter dificuldades com as habilidades sociais. Embora muitos adolescentes possam argumentar que as mensagens de texto são a forma deles de socialização, está bastante claro que é uma forma de se relacionar muito diferente da relação cara à cara. Estabeleça regras que estimulem seu filho a participar de atividades na vida real e estabeleça limites quanto às conversas digitais.
  • Estabeleça regras que promovam boa saúde: as crianças precisam de regras que lhes ensinem habilidades para a vida, como a forma de manter sua mente e copo são. Crie regras que limitem a atividade sedentária de seu filho e supervisione o que eles veem com relação à violência, eliminando ou reduzindo ao mínimo toda a exposição não educativa.