De acordo com os especialistas, muitos pais demoram demais para deixar de dar alimentos triturados para os seus bebês

05 Outubro, 2017

De acordo com os especialistas, muitos pais demoram demais para deixar de dar papinhas para os seus filhos. Você sabe por quê?

Quando um bebê começa a morder a mão ele não está sofrendo porque os seus dentes de leite estão prestes a nascer, mas sim porque está treinando para ser capaz de comer. Ele repete de vez em quando o gesto de levar a mão à boca, faz isso com tudo que passar pelo caminho dele, e quando a coloca em sua boca, começa a mastigá-la.

No entanto, se nós lhes oferecermos apenas alimentos triturados e papinhas, ele só vai se acostumar com essa textura de comida, e chegará um momento em que já não precisa pegar e levar algo à boca, nem a curiosidade de provar coisas novas.

Além disso, a alimentação do bebê é a base da sua saúde.

Se me alimento bem e durmo melhor, não fico doente

-Autor anônimo-

De acordo com os especialistas, muitos pais demoram demais em oferecer aos bebês alimentos não triturados

Todos os estudos indicam que a amamentação materna durante os primeiros meses de vida é a alimentação ideal, mas depois dos seis meses, deve vir acompanhada por uma alimentação complementar que esteja adequada às necessidades da criança, ao amadurecimento neurológico e ao interesse que o bebê tenha pelos alimentos.

Se uma criança ingere alimentos sólidos é capaz de desenvolver a habilidade para manejá-los na boca sem se engasgar com eles, e quanto mais cedo ele começar a consumir esse tipo de alimento, menor vai ser o risco de engasgo.

Nessa hora devemos introduzir o método conhecido como“baby led weaning” que ajuda a criança a ser parte ativa da sua alimentação, e contribui para prevenir a obesidade infantil.

bebê sendo alimentado com alimentos triturados

O que é o baby led weaning?

É um método de introdução de uma alimentação complementar baseada na substituição das papinhas servidas pelos pais em colherezinhas, por alimentos inteiros que a criança seja capaz de escolher e levar à boca.

A chave dessa técnica é que a criança amamentada vai consumir a mesma comida que o restante da família como, por exemplo, pedacinhos de feijões verdes, batatas, banana-da-terra, pera, etc… e o bebê os pega com a mão para experimentar as diferentes texturas e, ao mastigá-los, faz com que os seus músculos da boca sejam fortalecidos. A princípio ele vai comer pouquinho, mas pouco a pouco vai se acostumando e irá comer uma quantidade maior.

Depois de prová-los e comprovar que não quer mais, pode-se oferecer-lhe o peito, ou o leite de fórmula se for o caso, até que eles se sintam saciados.

Através desse método a criança adquire um papel mais ativo favorecendo na sua capacidade de regular as quantidades de alimento que consome, e desenvolve sensações de saciedade, ajudando a prevenir o desenvolvimento da obesidade infantil.

Recomendações básicas do método

Para garantir que a criança tenha atendida todas as suas necessidades energéticas, que não haja desequilíbrio nutricional, e a criança amamentada não se engasgue é muito importante que a mãe ou o pai estejam cientes da alimentação do bebê.

  • Oferecer alimentos que garantem energia suficiente.
  • Continuar a amamentação materna.
  • Introduzir diariamente alimentos que proporcionem ferro.
  • Ficar de olho constantemente no bebê e adaptar o alimento ao bebê.

É importante lembrar que as crianças de 1 a 3 anos têm uma velocidade de crescimento muito maior que a dos adultos, por isso nós podemos ficar surpresos se na idade de 2 anos parecem que comem como nós.

um pote de alimento triturado ao lado de frutas

Os benefícios do baby led weaning

  • Promoção da amamentação materna.
  • Aquisição de hábitos saudáveis.
  • Estabelecer hábitos alimentares adequados relacionados aos sinais de saciedade.
  • Estimular o desenvolvimento psicomotor da criança.
  • Melhor aceitação dos alimentos comuns da família, que apresentam uma variedade de texturas e sabores.
  • Conseguir um maior consumo de alimentos mais saudáveis.
  • É mais respeitoso com o bebê.
  • Concebe a alimentação complementar como um processo de aprendizado.
  • O bebê come o que quer sem importar a quantidade.
  • Fewtrell M, Bronsky J, Campoy C, Domellöf M, Embleton N, Fidler Mis N, et al. Complementary feeding: a position paper by the European Society for Paediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition (ESPGHAN). Committee on Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2017 Jan;64(1):119-32.
  • Vissers KM, Feskens EJM, van Goudoever JB, Janse AJ. The timing of initiating complementary feeding in preterm infants and its effect on overweight: a systematic review. Ann Nutr Metab. 2018;72(4):307-15.
  • Pérez-Escamilla R, Segura-Pérez S, Lott M. Feeding guidelines for infants and young toddlers: A responsive parenting approach. Nutrition Today. 2017;52(5):223-31.