Como agir no caso de um envenenamento em crianças?

O envenenamento é uma condição muito comum na infância e pode ter consequências graves para a saúde dos pequenos. Saiba mais do que se trata!
Como agir no caso de um envenenamento em crianças?

Última atualização: 29 Julho, 2021

O envenenamento em crianças constitui uma das principais Lesões de Causa Externa da idade pediátrica.

Embora a exposição a qualquer substância potencialmente tóxica frequentemente seja evitável, outras vezes não é. Por isso, é importante que os pais saibam como as intoxicações se manifestam e o que fazer ao detectá-las, uma vez que o tempo nesses quadros é determinante.

O que chamamos de envenenamento?

Quando falamos em envenenamento ou intoxicação, estamos nos referindo aos danos que ocorrem após o contato direto com uma substância potencialmente tóxica.

Isso pode ocorrer em diferentes circunstâncias (intencionalmente ou não) e por diferentes vias de entrada no corpo (oral, inalação, contato com a pele, entre outras).

Por sua vez, pode acontecer de maneira repentina e em um curto período de tempo (aguda) ou ser consequência de uma exposição prolongada e sustentada ao longo do tempo (crônica).

Na idade pediátrica, a maioria das intoxicações são agudas e ocorrem através do trato digestivo (Curi, 2020).

Como ocorre o envenenamento em crianças?

 

Tipos de intoxicação em crianças

O contato com elementos tóxicos tem características particulares dependendo da idade da criança. Em Pediatria, foram definidos dois grandes grupos de pacientes intoxicados:

Crianças de 0 a 5 anos

Esse é o grupo mais numeroso e suas principais características são mencionadas a seguir:

  • Geralmente são envenenamentos não voluntários (atualmente chamados de Lesões por Causa Externa Não Intencionais e são o que costumávamos chamar de acidente).
  • No contexto do comportamento exploratório típico da idade.
  • Ocorrem em casa.
  • Mais comum em meninos.
  • As substâncias geralmente são conhecidas (muitas vezes, produtos de limpeza).
  • A ida ao pronto-socorro costuma ser imediata e a criança geralmente chega assintomática.
  • Têm um bom prognóstico.

Crianças mais velhas e adolescentes

  • Geralmente são intencionais, muitas vezes para fins lúdicos ou recreativos.
  • Ocorrem fora de casa.
  • Principalmente em meninas.
  • Os tóxicos nem sempre são conhecidos.
  • A ida ao serviço de emergência se dá mais tarde e os pacientes chegam com mais sintomas.
  • O manejo é mais complexo e o prognóstico menos favorável.

Existe um grupo distinto, menor em número mas de grande importância, constituído pelas Lesões de Causa Externa Intencionais com fins homicidas ou que ocorrem no âmbito de maus-tratos, seja por abuso ou negligência (Minitegui, 2019).

Elementos tóxicos mais frequentes

1. Medicamentos

Desde a última década, os medicamentos têm sido a causa de 50% dos casos de envenenamento em crianças, apesar da criação de tampas de segurança e outros mecanismos de prevenção.

O paracetamol ocupa a primeira posição, seguido pelos psicofármacos e os xaropes para tosse.

2. Produtos domésticos

 

É a segunda causa mais importante em idade pediátrica, mas a principal em crianças com menos de 2 anos.

Costumam ocorrer em casa, principalmente na cozinha, devido ao fácil acesso ao local de armazenamento desses produtos.

Os produtos mais comuns são detergentes, alvejantes e inseticidas. Devido ao seu mau cheiro e sabor, as crianças costumam ingerir pequenas quantidades. No entanto, devido à natureza das substâncias nelas contidas, as consequências podem ser graves.

3. Álcool

O número de casos desse tipo tem aumentado e a idade dos pacientes, diminuído. O consumo costuma estar relacionado a fins recreativos e muitas vezes essa ingestão é acompanhada por outras drogas, como a maconha.

4. Monóxido de carbono

Trata-se de um gás tóxico, inodoro e incolor que pode ser produzido por qualquer aparelho usado para queimar combustível:

  • Caldeiras a gás, aquecedores de água, fogões, lareiras ou radiadores com defeito e ventilação insuficiente.
  • Fumaça de incêndios.
  • Braseiros ou lareiras a lenha.
  • Fumaça de escapamentos de automóveis.
  • Fumaça do cigarro.

É uma importante causa de envenenamento no inverno e geralmente afeta vários membros da família ao mesmo tempo.

Quais são os sintomas de uma criança envenenada?

Os sintomas de envenenamento geralmente são inespecíficos.

Costuma-se suspeitar por causa do aparecimento de mudanças bruscas no estado geral da criança que até então era sadia, sem outra causa que o explique.

Algumas indicações que o sugerem são:

  • Comportamento atípico.
  • Distúrbios na marcha ou perda de equilíbrio.
  • Convulsões.
  • Agitação ou dificuldade para respirar.
  • Náuseas e vômitos.
  • Visão turva.
  • Palpitações.
  • Pupilas pequenas.
  • Odor peculiar na pele ou no hálito.
  • Queimaduras na boca, na pele ou nas membranas mucosas.

O que devo fazer se suspeitar de envenenamento na criança?

Em primeiro lugar, quando suspeitamos que a criança ingeriu algum elemento tóxico, é importante manter a calma. O tempo nesse caso é decisivo, por isso devemos procurar assistência profissional imediatamente.

Para isso, é aconselhável entrar em contato com o Centro de Informações Toxicológicas por telefone, cujo número costuma estar indicado no rótulo de produtos químicos e medicamentos.

Por meio do telefonema, serão solicitadas informações sobre o tóxico ingerido, a quantidade, o momento, os sintomas que a criança apresenta, se há alguém mais afetado na casa e algum histórico prévio.

É importante ter essas informações em mãos, junto com o peso aproximado da criança.

Desde que o estado geral da criança seja bom, serão indicadas as seguintes medidas gerais em casa para eliminar o tóxico:

  • Retire qualquer comprimido da boca da criança, fazendo-a cuspir ou com os dedos caso estejam visíveis.
  • Retire a criança do ambiente, em caso de suspeita de intoxicação por inalação.
  • Se a exposição for pela pele, remova a roupa e lave a pele com sabão e água morna, sem esfregar.
  • Quando o tóxico tiver entrado nos olhos, recomenda-se lavar com água morna abundante ou solução fisiológica, por 15-20 minutos.
  • Se a criança tiver ingerido alguma substância líquida (não medicamentosa), ofereça um copo de água ou leite.

Não é recomendável praticar manobras para induzir o vômito em casa

Quando procurar um centro de saúde?

Se a criança apresentar sintomas graves, como alteração do estado de consciência (por exemplo, desmaios), dificuldade para respirar ou não for possível palpar o pulso, ela deve ser encaminhada imediatamente ao pronto-socorro mais próximo.

Se o estado geral da criança for bom, é recomendável consultar um centro de saúde quando a criança tiver ingerido algum dos seguintes produtos:

  • Produtos de limpeza de banheiro, desentupidores, alvejantes, amônia.
  • Derivados do petróleo: querosene, gasolina, solvente de graxa (aguarrás), lustra-móveis, fluido de isqueiro.
  • Fármacos, plantas e outros produtos químicos domésticos (como cosméticos ou produtos de higiene pessoal).

Sobre o envenenamento em crianças…

Os envenenamentos são muito frequentes em idade pediátrica e é necessário saber com antecedência o que fazer quando ocorrem, pois muitas vezes é possível prevenir lesões graves. Contudo, o mais importante será tomar todas as medidas preventivas possíveis em casa.

Pode interessar a você...
Conselhos sobre como agir em casos de intoxicação
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Conselhos sobre como agir em casos de intoxicação

Agir com rapidez diante da intoxicação das crianças é a principal medida para evitar problemas maiores, mas é melhor prevenir do que remediar.



  • Mintegi S. Grupo de Trabajo de Intoxicaciones de la Sociedad Española de Urgencias de Pediatría. Manual de Intoxicaciones de Pediatría. 3ª edición. Madrid. Ergon. 2012.
  • Minitegi S, Sanchez L. Intoxicaciones. Capítulo 25. En: Sociedad Española de Urgencias de Pediatría (SEUP). Protocolos diagnósticos y terapéuticos en Urgencias de Pediatría. 3ª Edición. Madrid. 2019
  • American Academy Of Pediatrics. Guía de primeros auxilios para padres y encargados del cuidado de los niños. Año 2011, última actualización año 2017. Disponible en: https://www.healthychildren.org/Spanish/safety-prevention/at-home/Paginas/first-aid-guide.aspx (Downloaded Jun 2021)
  • Salazar Merino J, Minitegi S. Intoxicaciones por productos del hogar. En Familia, Asociación Española de Pediatría. Año 2014, última actualización año 2019. Disponible en https://enfamilia.aeped.es/prevencion/intoxicaciones-por-productos-hogar (Downloaded Jun 2021)
  • Curi C. Manejo Inicial del Paciente Intoxicado. Capítulo 43.En: Comité Nacional de Emergencias y Cuidados Críticos en Pediatría, Sociedad Argentina de Pediatría. Manual de Emergencias y Cuidados Críticos en Pediatría. 3° Edición. Buenos Aires. Ideográfica. Año 2020
  • Ministerio de Sanidad Consumo y Bienestar Social. Gobierno de España. Edición electrónica de la CIE-10-ES. 3ª Edición-Enero 2020. Disponible en:  https://eciemaps.mscbs.gob.es/ecieMaps/browser/index_10_2008.html#search=&index=ext&searchId=1623007917701&historyIndex=5 (Downloaded Jun 2021)