Como prevenir más oclusões em crianças

Controlar o desenvolvimento da mordida do seu filho e corrigir qualquer interferência a tempo é fundamental para a saúde dele. Saiba tudo sobre esse tema.
Como prevenir más oclusões em crianças

Última atualização: 16 junho, 2022

Os problemas de mordida afetam grande parte da população mundial. Portanto, prevenir as más oclusões em crianças ajuda a evitar distúrbios mais complexos no futuro.

Desde que nascemos, os ossos da face e depois os dentes se adaptam às condições do ambiente. A forma como engolimos, mastigamos e respiramos influencia o desenvolvimento dessas estruturas. Mas a presença de hábitos e patologias da boca também influenciam na forma de oclusão.

Os maxilares e os dentes se desenvolvem e se posicionam durante a infância, por isso devemos estar atentos a certas questões para evitar que uma mordida defeituosa se consolide.

As más oclusões acabam alterando as funções e a aparência da boca das crianças e, se não tratadas, pioram ao longo da vida. Continue lendo e descubra o que você pode fazer a respeito.

Más oclusões em crianças

As más oclusões dentárias são a terceira patologia dentária mais frequente segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). São alterações na forma como os maxilares e os dentes superiores e inferiores se relacionam.

O crescimento ósseo inadequado e a posição incorreta dos dentes causam um mau funcionamento do aparelho de mastigação. Isso condiciona a forma de comer e falar, assim como a estética do sorriso.

As más oclusões geralmente começam a se manifestar durante a infância, quando as estruturas orais da criança estão se desenvolvendo. A hereditariedade e a genética, assim como os maus hábitos estabelecidos desde cedo, podem ser a origem desses problemas.

Respiração oral, sucção digital, deglutição atípica e interposição de língua são algumas das práticas que favorecem o desenvolvimento de más oclusões. O uso prolongado e inadequado de chupeta ou mamadeira, a perda prematura de dentes por cárie ou trauma e o bruxismo também predispõem ao desenvolvimento de problemas de mordida na infância.

Menina com diastema, uma das causas de deglutição atípica na infância.
As más oclusões mais comuns são más posições dentárias, apinhamentos e diastemas, além de mordidas cruzadas, mordidas abertas e sobremordidas.

Estratégias para prevenir más oclusões em crianças

Para evitar os problemas funcionais e estéticos causados pelas más oclusões em crianças, a melhor alternativa é evitar uma mordida ruim. As ações preventivas variam dependendo de quando são aplicadas. Portanto, cinco níveis podem ser distinguidos:

  • Primeiro nível: são as ações que são aplicadas durante a gestação e o nascimento da criança. Consistem em educar e aconselhar os pais nas primeiras fases da vida da criança. A ênfase é colocada na nutrição adequada durante a gravidez e na promoção do aleitamento materno para favorecer o correto desenvolvimento da musculatura perioral e da mandíbula.
  • Segundo nível: são as medidas aplicadas na fase de dentição temporária, através do controle da dieta, da higiene e da limitação dos hábitos parafuncionais. Mastigar alimentos sólidos, prevenir cáries e manter os espaços se os dentes forem perdidos precocemente são medidas incentivadas.
  • Terceiro nível: trata-se de limitar os danos antes que a situação progrida e se agrave. Isso inclui o uso de ortodontia interceptiva e extrações de supranumerários para ganhar espaço. Essas abordagens iniciais do problema evitam a necessidade de tratamentos mais complexos no futuro.
  • Quarto e quinto nível: trata-se do tratamento de danos e da reabilitação de funções perdidas por meio de terapia ortodôntica ou cirurgia ortognática.

Como você pode deduzir, quanto mais cedo você agir, menor será o risco de desenvolver problemas de mordida no futuro. Tomar medidas preventivas desde o nascimento pode evitar o resultado de distúrbios complexos e a necessidade de tratamentos desconfortáveis e caros.

Algumas dicas para prevenir as más oclusões nas crianças

Como já mencionamos, prevenir as maloclusões nas crianças no início da vida ajuda a limitar o risco de problemas bucais complexos. Com ações simples, os pais podem promover o correto desenvolvimento e posicionamento da mandíbula e dos dentes de seus pequenos.

A seguir, vamos dizer-lhe como fazê-lo. mirar!

Optar pela amamentação sempre que possível

A alimentação através do seio da mãe estimula os músculos orais do bebê e favorece o avanço da mandíbula.

Os bebês nascem com a mandíbula ligeiramente retraída, mas o esforço de mamar no seio, sugando e engolindo o leite materno promove o crescimento adequado dos ossos e músculos da boca.

Assim, a amamentação favorece a obtenção de uma boa relação entre o maxilar superior e inferior. E ao promover o correto desenvolvimento dos músculos orofaciais, estes melhoram a sucção, a deglutição e a respiração do bebê.

De qualquer forma, isso não significa que, se o bebê for amamentado, não precisará do uso de aparelhos no futuro, pois existem outros fatores que também influenciam no desenvolvimento da oclusão.

“A amamentação ajuda a evitar anomalias dentomaxilofaciais, más oclusões dentárias e a necessidade de ortodontia no futuro.”

-Sociedade Espanhola de Ortodontia (SEDO)-

Promover a mastigação desde os estágios iniciais

Quando a alimentação complementar começa, muitos pais preferem o clássico mingau. Mas prolongar dietas moles, trituradas e fáceis de engolir pode afetar o desenvolvimento correto dos maxilares e dos músculos da mastigação.

Se não estimularmos as crianças a fazerem um esforço para mastigar, é provável que elas se acostumem a comer alimentos que geram pouca resistência, como os alimentos macios.

Por isso, é aconselhável oferecer aos pequenos dietas variadas em termos de texturas, sabores e tamanhos dos alimentos. Em vez de fazer mingau de vegetais, você pode oferecer pequenos pedaços dos mesmos vegetais cozidos no vapor. Isso estimulará a mastigação, sem correr o risco de asfixia.

Deve-se seguir uma evolução nos tipos de alimentos a serem oferecidos: é preciso começar com texturas mais macias, depois semissólidas e sólidas e, por fim, as mais duras. Essa progressão ajudará os músculos a ficarem mais fortes e os movimentos de mastigação promoverão o correto desenvolvimento das estruturas orais.

O uso prolongado da chupeta infantil
O uso prolongado de chupetas e mamadeiras, assim como a sucção de dedo são algumas das causas evitáveis de má oclusão dentária.

Retirar a chupeta a tempo

Se usada corretamente, a chupeta pode ser uma grande aliada na hora de acalmar o bebê, podendo até reduzir a incidência de morte súbita infantil e proporcionar segurança, confiança e conforto ao pequeno.

A sucção da chupeta é considerada não nutritiva, pois são realizados os mesmos movimentos de sucção no bico da chupeta, mas nenhum alimento é obtido através dela. Esse hábito pode alterar o correto desenvolvimento oral e afetar o posicionamento natural da mandíbula.

Para que esse costume não se torne prejudicial, recomenda-se não prolongar seu uso após 2 anos, embora alguns pediatras sugiram iniciar seu abandono a partir dos 12 meses. Além disso, ao oferecer a chupeta à criança, é importante certificar-se de que ela seja do tamanho certo para a boca do bebê.

Evitar a sucção do dedo

Para algumas crianças, chupar o dedo é uma ação relaxante e calmante quando elas estão nervosas, com fome ou cansadas. E embora esse hábito seja bastante normal nos primeiros meses, é prejudicial se continuar além de 2 anos. Este é outro tipo de sucção não nutritiva.

A pressão exercida pelo dedo sobre os dentes e o palato interfere no correto desenvolvimento dos maxilares. Além disso, afeta o posicionamento dos dentes e da língua, e causa problemas ao morder.

Procurar alternativas que ajudem a criança a abandonar o hábito de chupar o dedo é o ideal. O processo pode ser longo e complicado, mas com paciência, acompanhamento e ajuda profissional, a sucção do dedo pode ser controlada.

Cuidar da saúde bucal

Manter os dentes saudáveis também ajuda a prevenir as más oclusões. Tentar higienizar a boca dos pequenos desde cedo evita muitos problemas que afetam a maneira como eles mordem.

Quando as crianças sofrem de cárie, o risco de perder os dentes antes do tempo aumenta e sua ausência na boca interfere na erupção adequada dos dentes definitivos e seu posicionamento. Dessa forma, a mordida é afetada e o dano se perpetua até a idade adulta.

É por isso que escovar os dentes, passar fio dental e usar creme dental com flúor, assim como dietas saudáveis e exames odontológicos regulares tornam-se essenciais para cuidar da boca das crianças.

Comparecer às consultas odontológicas

Desde o primeiro ano de vida dos bebês, é importante encontrar um odontopediatra que ajude os pais a cuidar da boca de seus filhos. Em seguida, serão necessários acompanhamentos a cada 6 ou 12 meses, dependendo de cada caso.

Com visitas regulares, o profissional pode avaliar o estado da boca, detectar qualquer problema a tempo e encontrar a solução mais adequada. Além disso, assim ele acompanha o crescimento dos maxilares e a erupção dentária e vai conhecendo os hábitos ou costumes que podem afetar o correto desenvolvimento oral da criança.

Quando se inicia a substituição de dentes temporários por permanentes, por volta dos 6 anos, é aconselhável consultar o ortodontista. A avaliação desse especialista ajuda a detectar quaisquer alterações na posição dos dentes e maxilares e a lidar com os problemas precocemente.

Dentista para prevenir as más oclusões nas crianças
O odontopediatra é responsável pelo cuidado e prevenção da saúde bucal dos pequenos.

Ações precoces para prevenir as más oclusões nas crianças

O ditado de que “É melhor prevenir do que remediar” é bastante famoso, e essa frase também se aplica à ortodontia.

Como afirmamos anteriormente, evitar danos será mais fácil e melhor para a criança, pois ela não terá problemas na boca nem precisará de tratamentos desconfortáveis e caros no futuro.

É verdade que alguns problemas bucais não podem ser evitados, principalmente aqueles relacionados à genética e à hereditariedade. Mas corrigir certos hábitos e práticas precocemente pode ajudar a prevenir as más oclusões nas crianças.

Com pais informados e atentos, que acompanham e cuidam com responsabilidade do desenvolvimento da boca dos pequenos, sorrisos saudáveis e harmônicos podem ser alcançados.

Pode interessar a você...
Risos e sorrisos do bebê: um grande avanço no desenvolvimento emocional
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Risos e sorrisos do bebê: um grande avanço no desenvolvimento emocional

Você sabia que os risos e sorrisos do bebê significam um avanço no seu desenvolvimento emocional? Conheça um pouco mais sobre o assunto nste artigo...



  • Méndez, J., Rotela, R., & Gonzalez, A. (2020). Prevalencia de Maloclusión en niños de 6 A 12 años de la ciudad de Coronel Oviedo, Paraguay, Año 2016. Memorias del Instituto de Investigaciones en Ciencias de la Salud18(2), 86-92.
  • Suasnavas Pazmiño, P. F. (2021). Relación entre el tipo de lactancia y la succión no nutritiva con la maloclusión en la primera infancia. Revisión de literatura.
  • DE, C. E. A. TEXTURAS EVOLUTIVAS EN LA INTRODUCCIÓN DE NUEVOS ALIMENTOS.
  • Moscardó, M. F. B. (2019). Relación de la maloclusión con los hábitos de succión nutritivos y no nutritivos (Doctoral dissertation, Universidad de Alcalá).
  • Rosales-Vega, G., del Carmen Roa-González, S., Rodríguez-López, D. M., Pérez-Vega, J., & de Jesu Méndez-Quevedo, T. (2021). Relación de la Lactancia Materna y Maloclusiones. Revista Mexicana de Medicina Forense y Ciencias de la Salud5(S3), 177-180.
  • Robles, E. M., & Porto, A. D. (2011). Lactancia materna; su importancia en la prevención de las maloclusiones. Gaceta dental.
  • Delgado, F. F., Trujillo, J. L., & Bolaños, E. V. (2003). Prevención de las maloclusiones. Gaceta dental: Industria y profesiones, (134), 66-80.
  • Herrera, D., Belmonte, S., & Herrera, E. (2006). Alteraciones del desarrollo maxilofacial: Prevención de la maloclusión. Archivos argentinos de pediatría104(1), 75-79.
  • Carbonero Sancho, L. (2020). Maloclusiones dentales: el trabajo coordinado entre el logopeda y el odontólogo.
  • Gurrola Martínez, B., & Orozco Cuanalo, L. (2017). Maloclusiones.