Como se sente uma criança com baixa autoestima?

· 26 de julho de 2018
Uma criança com baixa autoestima sente que não é capaz de conseguir nada. Ela não consegue se sentir bem fisicamente. E, assim, pensa que as outras crianças são melhores que ela em qualquer aspecto da vida.

É necessário evidenciar que existe uma média relativamente alta de crianças que têm baixa autoestima. No entanto, existem diferenças individuais ou experiências que fazem com que as crianças sintam baixa autoestima e precisem de ajuda para desenvolver esse aspecto.

Como se sente uma criança com baixa autoestima?

As crianças com baixa autoestima vão dizer a si mesma e aos outros coisas como:

  • Não sou capaz
  • Sou uma tonta
  • Tudo dá errado
  • Nunca vou conseguir aprender
  • Ele/Ela é melhor que eu
  • Não vale a pena tentar
  • Por que eu vou tentar se não vai dar certo mesmo?
  • Eu não sirvo para nada
  • Ninguém gosta de mim
  • Sou feia/gorda/tonta…

Nessas palavras, podemos ver o desespero, a tristeza, a falta de confiança e, inclusive, a falta de esperança. São palavras muito duras para uma criança que ainda tem tanto para aprender na vida. Uma criança que, apesar de tudo, tem todos os recursos disponíveis ao seu alcance.

baixa autoestima

As crianças que não possuem confiança em si mesmas e têm baixa autoestima se sentem deprimidas e não costumam ter esperanças no futuro. Elas acreditam que não vão conseguir ou que não merecem. Esses sentimentos são preocupantes. É necessário que tanto pais quanto professores fiquem atentos aos sinais que uma criança com baixa autoestima pode manifestar. Assim, poderão oferecer a ajuda necessária.

As crianças com baixa autoestima podem sentir que realizar tarefas como ir à escola é tão complicado quanto subir uma grande montanha rochosa, íngreme e com caminhos sinuosos. Mas elas devem aprender e perceber por si mesmas que se quiserem conseguir, é preciso somente dar o primeiro passo para subir essa montanha.

Cada passo é uma batalha contra o vento e a chuva que batem contra o corpo e que tentam nos empurrar para baixo. Mas é preciso lutar contra as adversidades para poder chegar ao cume. Em algumas situações, precisamos parar para recuperar as forças porque podemos nos sentir cansados, com medo ou, inclusive, irritados.

Enquanto algumas crianças são capazes de expressar sua baixa autoestima e seus sentimentos de tristeza, outras não conseguem. Muitas crianças sentem que seus erros e fracassos são culpa da própria incapacidade delas. Quando as crianças acreditam que nunca terão sucesso independentemente do que fizerem, elas estão desenvolvendo a indefensibilidade aprendida e não conseguirão ver a luz no fim do túnel.

baixa autoestima

A baixa autoestima nas crianças

A baixa autoestima nas crianças pode estar relacionada à prática de castigos físicos ou à falta de amor e afeto por parte dos pais. Carl Rogers falava que o amor condicional era aquele no qual as pessoas recebiam atenção positiva das pessoas significativas (como os pais) somente quando agiam de determinada forma. Esse tipo de amor estimula a criança a agir dessa determinada forma a fim de obter o carinho dos pais, aumentando a baixa autoestima. Uma criança precisa de amor e apoio incondicional dos seus progenitores para se sentir segura e feliz.

As crianças com baixa autoestima se baseiam em estratégias de afrontamento que são contraproducentes. À medida que elas crescem podem passar a agir de forma negativa, intimidando outras crianças, comportando-se com rebeldia ou inadequação, apresentando comportamentos agressivos ou evasivos demais, etc.

Mesmo que nem todas as crianças com baixa autoestima se comportem dessa forma, a baixa autoestima pode fazer com que esses comportamentos apareçam em um momento ou outro.

As crianças com baixa autoestima apresentam um comportamento social peculiar. Elas podem ser retraídas, ter poucos amigos, ser tímidas ou não possuir habilidades sociais para conseguir se relacionar adequadamente com outras pessoas.

Em outros casos, elas podem chegar a ter um amplo círculo de amigos. Mas são mais propensas a ceder à pressão do grupo e a ser mais vulneráveis à intimidação. Elas evitam provar coisas novas porque têm medo do fracasso. Além disso, elas se dão por vencida rapidamente somente porque não se sentem capazes de atingir suas metas.