Uma criação conectada é o segredo das famílias felizes

É importante manter a conexão familiar para que possamos aproveitar a felicidade todos juntos. Aqui vamos falar sobre a criação conectada e como colocá-la em prática na sua família.
Uma criação conectada é o segredo das famílias felizes

Última atualização: 16 Julho, 2021

Não é fácil ser mãe nem pai, e às vezes pode ser um grande desafio. Nenhuma criança vem com um manual de instruções que ajuda a facilitar a criação dos filhos. De fato, a experiência e a sabedoria vêm do dia a dia e também de todos os erros que você comete. Porque você sabe que, como mãe ou pai, você vai errar muitas vezes. Na realidade, a criação conectada é o segredo das famílias felizes.

Imagine a seguinte situação: seu filho quer comer sorvete no café da manhã. Então, você já sente a aproximação de uma nova crise e avalia as opções de estilo de criação:

  • Permissivo: você diz que sim, mas aí também vai ter que dar biscoitos no almoço e bolo no jantar.
  • Autoritário: você diz “não” de maneira direta e firme (e terá que continuar insistindo porque haverá mais protestos).
  • Exausto: você grita “nunca” porque é muito cedo.
  • Negado: você finge que não ouviu ou que a pergunta não é séria.
  • Conectado: você tem empatia pelo seu filho e diz a ele que não é possível, mas dá opções para que ele escolha a que mais gostar no momento.

Uma criação conectada

Embora muitos de nós provavelmente usemos uma combinação dos estilos acima, a maioria pode se inclinar em uma direção ou outra. O ideal é defender um estilo de criação conectado, equilibrado com uma abordagem consciente, positiva e pacífica. No entanto, essa abordagem não é para quem tem coração mole.

 

Descubra como praticar a criação conectada.

A criação conectada é realmente o que parece: em cada situações, você deve tentar se conectar com empatia com seus filhos e ver a partir da perspectiva deles antes de orientá-los. A criação conectada dá como frutos relações significativas tanto para os pais quanto para os filhos.

Portanto, esse estilo de criação requer muita energia por parte dos pais. De fato, de todos os exemplos de criação listados acima, a criação conectada é a que mais requer esforço em muitos aspectos.

O que a criação conectada exige?

Aqui estão algumas dos motivos pelos quais são necessários recursos humanos adicionais:

  • Tempo: a criação conectada geralmente leva mais tempo. Dizer “não” é claramente mais rápido do que demonstrar empatia com alegria e humor.
  • Criatividade: é muito mais fácil recorrer a frases curtas e diretas como “Não faça isso” ou “Por favor, pare”, em comparação com algumas das frases de incentivo quando nossos filhos estão com raiva, ansiosos ou cansados de ouvir “não”. A criatividade constante exige prática e esforço.
  • Espaço emocional: quando estamos com nossos filhos de forma conectada, oferecemos a eles parte de nós mesmos, emocionalmente falando. Embora a presença consciente com os pequenos possa ser satisfatória , às vezes pode se tornar emocionalmente desgastante.
  • Resistência física: a criação conectada inclui linguagem corporal conectada. Ou seja, aproximar-se fisicamente da criança, ajoelhar-se no nível dela, ser brincalhão, etc. Definitivamente, há um esforço físico envolvido na criação conectada.
  • Tolerância à angústia: a criação conectada permite que as crianças sintam seus sentimentos, incluindo tristeza, raiva, ciúme e negatividade. No entanto, quando nossos filhos se sentem incomodados, geralmente nos sentimos da mesma maneira. Portanto, parte da criação conectada envolve a prática de tolerar emoções fortes e incômodas em nossos filhos e em nós mesmos.
  • Autorregulação: para entrar em um espaço conectado com uma criança que faz birra, nos desafia constantemente ou é fisicamente agressiva, temos que regular nossas próprias emoções. Temos que ser a calma que queremos ver em nosso filho. A autorregulação é um recurso finito. Usado ao longo do dia, ele se esgota e precisa de reposição.

Mantendo a conexão

Depois de um longo dia de trabalho ou uma longa semana, pode parecer que os recursos necessários para se conectar com as crianças estão escassos. Isso é especialmente verdadeiro quando os pequenos não estão “seguindo o fluxo” das nossas intenções ou simplesmente estão nos desafiando abertamente. Às vezes, parece ser mais fácil adotar um estilo de criação compatível com a energia que nos resta.

Pais seguindo as diretrizes para criar filhos gratos.

Então, como manter nossa escolha de estilo parental ao mesmo tempo que cuidamos do nosso próprio bem-estar? Não existe uma solução mágica ou rápida para eliminar todos os desafios dos pais, mas certamente existem passos que podemos seguir para repor nossas energias.

Precisamos priorizar o autocuidado, mesmo quando estamos sem tempo. Isso significa que precisamos ter momentos constantes de atenção plena ao longo do dia. Precisamos poder mergulhar em um livro ou uma área de interesse que seja exclusivamente nossa. Precisamos poder rir mais. Não uma risadinha aqui e ali, mas uma boa risada com gargalhadas.

A empatia com os filhos na criação conectada

Precisamos lembrar por que tomamos a decisão de ser pais seguindo um estilo conectado e consciente. Nossa intuição nos levou a acreditar que nossos filhos prosperarão nesse estilo de educação. Filhos de pais altamente empáticos prosperam, são fisicamente mais saudáveis e psicologicamente mais equilibrados.

Precisamos nos apoiar mutuamente e ser abertos sobre essa ideia, ao mesmo tempo que criamos um estilo em que a conexão e a conscientização são uma prioridade, porque às vezes pode ser exaustivo.

Finalmente, devemos reconhecer que, de maneira irônica, ou até talvez poética, o que às vezes acreditamos estar nos levando ao esgotamento emocional, ou seja, os nossos filhos, pode muitas vezes ser a fonte que, com um simples gesto, um sorriso, um abraço, vai encher nossos corações com energia suficiente para continuar.

Pode interessar a você...
4 dicas para uma boa criação
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
4 dicas para uma boa criação

Uma boa criação é aquela que atende às necessidades físicas, intelectuais e emocionais de uma criança. Descubra algumas dicas para aplicar em casa.