Os abraços da mãe aliviam a dor dos bebês prematuros

· 31 de outubro de 2018
Segundo a Organização Mundial de Saúde não há nada como o contato pele a pele. Veja, neste artigo, o poder dos abraços de uma mãe.

As melhores incubadoras para bebês prematuros são, sem dúvida, os abraços da mãe. Não é de se admirar, uma vez que esses gestos de amor aliviam a dor dos bebês e melhoram a tolerância aos procedimentos médicos.

Não há nada que um abraço não cure. Nestes casos específicos, essa demonstração de afeto incentiva e conforta bebês que, por algum motivo, chegaram mais cedo do que o esperado em nossas vidas.

Por esta razão, os abraços das mães podem ser considerados mais sofisticados do que qualquer procedimento moderno dos hospitais.

Há algum tempo, a ciência conseguiu comprovar que o colo da mãe é extremamente benéfico para um bebê prematuro.

Os pesquisadores concluíram em vários estudos que métodos humanistas tais como “mamãe canguru” funcionam maravilhosamente em vários casos.

O abraço é capaz de reduzir os casos de infecções e de mortalidade infantil. Além disso, previne o estresse gerado pelos ruídos das incubadoras e promove o desenvolvimento físico, intelectual e emocional do recém-nascido.

O mais importante? O bebê não só sente o calor e o cheiro da mãe como também as batidas do seu coração.

Os abraços da mãe, uma carícia na alma do bebê prematuro

Os abraços da mãe são como um afago na alma do bebê prematuro.

Os médicos confirmam que crianças que foram confortadas com o amor de suas mães durante o período de tratamento costumam reclamar menos do que as demais. Ou seja, o contato afetivo favorece a tolerância à dor.

abraços da mãe

É por isso que uma grande certeza é sustentada por todo mundo: o contato do recém-nascido com a mãe e/ou com o pai só tem resultados positivos para o progresso da criança.

Muitos neonatologistas argumentam que o contato pele a pele ajuda a regular a temperatura do bebê, assim como também estimula a produção de leite materno.

Além disso, os médicos afirmam que esse tipo de contato traz ainda mais benefícios. É capaz de proteger o sistema nervoso do bebê, estabilizar o ritmo cardíaco e melhorar sua respiração.

Por isso, os abraços das mães acariciam os bebês ao mesmo tempo em que ajudam a superar sua fragilidade e fraqueza. Dessa forma, os pequenos crescerão saudáveis e felizes.

O mais importante é que as crianças que têm a sorte de crescer sob o método mamãe canguru apresentam um tempo de recuperação mais curto do que aquelas que não têm a mesma oportunidade.

Isso também é benéfico para os pais, uma vez que reduz o estresse e a ansiedade causados por ter um filho hospitalizado.

Estudos sobre a importância dos abraços da mãe

Um estudo realizado pela Escola de Enfermagem da Universidade de McGill, em Montreal, no Canadá, e publicado na revista BioMed Central Pediatrics surpreendeu o mundo.

Neste estudo, foi comprovado que o contato pele a pele com a mãe reduz a dor durante os exames e tratamentos neonatais.

abraços da mãe

Para isso, foram medidas as respostas de recém-nascidos pelo que é chamado de “perfil de dor dos bebês prematuros”.

Neste procedimento, são analisados as expressões, as pulsações e os níveis de oxigênio no sangue dos bebês.

Dessa forma, foi possível comprovar que a reação à dor em bebês prematuros diminuiu graças aos abraços das mães.

Foi observado que as crianças abraçadas se recuperaram da dor em um minuto e meio, ao passo que os bebês em incubadora sofrem por três minutos após o procedimento.

Um tempo que à primeira vista parece insignificante, mas faz uma grande diferença quando se trata da vida e da saúde de uma criança.

Um dos exames aos quais os recém-nascidos foram submetidos foi o doloroso teste do pezinho. Este exame consiste na extração de uma amostra de sangue do pé para a identificação precoce de qualquer doença.

Definitivamente, a natureza e, neste caso, a ciência nos mostram que as mães têm um dom natural.

Elas são verdadeiros medicamentos para os filhos, projetadas especialmente para fazer o bem. É como diz o ditado popular “o amor de mãe pode tudo”.