O que fazer quando os dentes do bebê demoram para nascer?

Se a dentição do seu bebê estiver atrasada, leve em consideração alguns pontos principais antes de começar a se preocupar com esse processo natural.
O que fazer quando os dentes do bebê demoram para nascer?

Última atualização: 12 março, 2022

As mães monitoram todos os aspectos do crescimento do bebê diariamente. No caso de alguma irregularidade, elas ativam seu sinal de alerta para descobrir o que está acontecendo e como resolver. Uma das principais preocupações está relacionada à dentição: O que fazer quando os dentes do bebê demoram para nascer?

Antes de tudo, é necessário estabelecer o momento em que o crescimento dos dentes deve começar. Isso ocorre aproximadamente a partir dos 6 meses de idade.

No entanto, em alguns bebês pode ocorrer mais cedo, como aos 4 meses, ou mais tarde. Essa característica, assim como muitas outras, dependerá do organismo de cada criança. Curiosamente, muitas vezes os dentes das meninas saem mais cedo do que os dos meninos.

Em que ordem ocorre a erupção dentária?

Em geral, a ordem em que ocorre a erupção dentária é a seguinte:

  • Dentes centrais (incisivos centrais).
  • Da arcada inferior (da mandíbula).
  • Incisivos laterais.
  • Laterais inferiores.
  • Dentes de leite.
  • Caninos.
  • Segundos molares.

Com essa estrutura, a arcada de dentes de leite deve estar completa por volta dos 2 ou 3 anos de vida. Além disso, por volta do quarto ano, ocorre um crescimento dos ossos da face — e da mandíbula — criando espaço entre os dentes. Isso é normal, pois os dentes definitivos são maiores e vão preencher esses espaços.

Os dentes do meu bebê não nascem: devo me preocupar?

Os pais devem agir se a criança completar um ano de idade sem que haja sinal dos dentes. Especificamente, o limite de idade seria de 18 meses de vida. Um bom momento para tirar dúvidas é na primeira consulta com o dentista, que deve acontecer por volta do primeiro aniversário da criança.

Como mãe, quando devo me preocupar se os dentes do meu bebê demorarem para nascer?

Com certeza o dentista vai querer fazer radiografias para se certificar de que os dentes que estão a caminho vão nascer na posição correta. Além disso, uma consulta no dentista ajudará a criança a se familiarizar com esse profissional, o que facilita a perda do medo.

Por outro lado, se os meses passarem e os dentes ainda não aparecerem, você deve consultar um pediatra. Nesses casos, geralmente são feitos exames de sangue para descartar outras doenças que atrasam essa função.

Uma indicação clara de que algo está errado é o aparecimento de outros problemas ligados à saúde da criança. Especificamente, você deve estar atento àqueles relacionados a cabelos, ossos e pele.

Uma condição hereditária rara como a anodontia também pode causar atraso ou perda total de dentes. No entanto, não é uma doença comum.

Devo mudar a dieta se os dentes do meu bebê demorarem para nascer?

Sim. Na verdade, essa é uma das principais medidas que você deve tomar se os dentes do seu bebê demorarem para nascer. A alimentação é um fator fundamental para o desenvolvimento e crescimento das crianças. O nascimento dos dentes é uma das funções que aqui se enquadram.

Para se desenvolver, os dentes precisam de nutrientes como cálcio, fósforo, flúor e várias vitaminas. O cálcio é responsável pela formação de ossos e dentes. O fósforo, por sua vez, colabora com essa tarefa.

A erupção dentária ocorre aproximadamente a partir dos 6 meses de idade. No entanto, em alguns bebês pode ocorrer mais cedo, como aos 4 meses, ou mais tarde.

Ambos são auxiliados pela vitamina D, que é adquirida naturalmente do sol ou por meio de suplementos, em certos casos. O flúor, por sua vez, colabora no cuidado das placas dentárias, pois aumenta a resistência do esmalte.

Para obter todos esses nutrientes, é fundamental que o bebê siga uma alimentação variada e saudável. Com isso, queremos dizer continuar amamentando até o momento adequado, dando vegetais e frutas em suas diferentes apresentações e incorporando, aos poucos, outros produtos lácteos e alimentos sólidos que contribuam para sua nutrição.

Se meu bebê não está nascendo, devo me preocupar?

Sinais de dentição

Se você notar algum ou vários dos seguintes sintomas, não se preocupe, pois os dentes de leite estão a caminho:

  • Gengivas inflamadas.
  • Aumento na quantidade de saliva.
  • Inquietação e irritabilidade.
  • Problemas para dormir.
  • Reflexo de morder e mastigar tudo que estiver ao alcance.
  • Aumento do número de evacuações (causado pelo excesso de salivação).

Qualquer um desses sinais pode ser uma indicação de que a dentição começou. Por outro lado, se o bebê tiver febre, diarreia ou congestão nasal, consulte o médico. Esses sintomas não estão associados ao nascimento dos dentes.

Por fim, é preciso ressaltar que esse processo depende do organismo de cada bebê. Portanto, os valores são meramente informativos. A dentição pode ser precoce ou muito tardia sem que isso seja um sinal de alerta.

This might interest you...
Qual é a função dos dentes de leite?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Qual é a função dos dentes de leite?

Conhecer a função dos dentes de leite ajuda a conscientizar sobre a importância de cuidar deles. Descubra aqui qual é a sua função.



  • Burgueño, L., Gallardo, N.E., Mourelle, M.R. Cronología y secuencia de erupción de los dientes temporales en una muestra infantil de la Comunidad de Madrid. Cient Dent 2011;8;2:111-118.
  • FAPap – La-erupcion-dental-normal-y-patologica. (s.f.). Recuperado 28 de enero de 2022, sitio web de Fapap.es: https://fapap.es/articulo/218/la-erupcion-dental-normal-y-patologica 
  • Marín García F, García Cañas P, Núñez Rodríguez M.C. La erupción dental normal y patológica. Form Act Pediatr Aten Prim. 2012; 5 (4): 188-95.
  • Suri, L., Gagari, E. y Vastardis, H. (2004). Erupción dentaria retardada: patogenia, diagnóstico y tratamiento. Una revisión de la literatura. Revista estadounidense de ortodoncia y ortopedia dentofacial: Publicación oficial de la Asociación estadounidense de ortodoncistas, sus sociedades constituyentes y la Junta estadounidense de ortodoncia , 126 (4), 432-445. doi:10.1016/j.ajodo.2003.10.031