A depressão pós-parto: causas, sintomas e conselhos para combatê-la

15 de novembro de 2017

Ser mãe é mais do que alguém pode te explicar. As vezes nem tudo é tão bonito como você acreditava e isso pode te confundir. Não é raro ouvir falar da depressão pós-parto, mas com certeza você deseja saber mais sobre esse fenômeno comum.

Quando você ouve “depressão pós-parto”, geralmente pensa numa mãe oprimida com um bebê chorando nos seus braços. Mas a depressão pós-parto é muito mais do que isso. A depressão pós-parto é um tipo de depressão que as mulheres sofrem, caracterizada por se apresentar logo depois do parto e que pode durar até um ano. Também existe depressão pós-parto masculina, ainda que a incidência seja menor do que a feminina.

Segundo estudos realizados, até 25% das mulheres podem apresentar um ou vários sintomas característicos da depressão pós-parto. Isso indica que sua frequência é bastante alta, por isso vale a pena saber tudo sobre ela.

Causas da depressão pós-parto

A depressão pós-parto pode ser o resultado de vários fatores que predispõem a mulher a passar por isso. Alguns deles são:

  • Mudanças físicas. A gravidez transforma o corpo de uma mulher por completo. Assim que você dá a luz, a razão de todas essas mudanças passa a estar fora do seu corpo, por isso é complicado reconhecer que o seu corpo precisará de um tempo para se recuperar.
  • Mudanças no seu entorno. Você agora tem um filho. Um bebê que vai precisar de todos os seus recursos desde o primeiro momento. Você verá como suas relações sociais ou profissionais serão afetadas já que você não pode estar em todos os lugares como ao mesmo tempo.
  • Perda de independência e espaço pessoal. O nível de atenção que o bebê precisa supera muito o que você imaginava, o que leva a uma perda por um momento do seu próprio espaço.
  • Falta de sono. É conhecido o cansaço que acompanha os primeiros meses de maternidade. A falta de descanso favorece o esgotamento que acompanha os pensamentos depressivos.
  • Conceito do que é ser uma boa mãe. Deixar-se influenciar pelo seu entorno sobre o que você deve fazer, mais as suas próprias crenças, pode levar a um choque de realidade. Esse choque de ideias pode confundir a mãe.
  • Transtornos associados como a depressão, o transtorno bipolar ou problemas de ansiedade.
  • Consumo de drogas, álcool ou comportamentos nocivos durante a gravidez.

Busque se recuperar para dar ao seu bebê a melhor versão de você mesma

Mãe cansada e com depressão pós-parto

Sintomas da depressão pós-parto

Antes de falar de sintomas, é necessário esclarecer que as duas primeiras semanas após o parto são cheias de momentos de choro, ansiedade e sensação de sufocamento. No entanto, a depressão pós-parto leva a tristeza para um outro estado, causando mudanças de comportamento da mãe em relação ao bebê:

  • Interesse excessivo ou nulo pelo recém nascido.
  • Medo de ficar a sós com o bebê.
  • Falta de cuidado total em relação a si mesma e ao bebê.

A essas mudanças comportamentais é preciso acrescentar a seguinte sintomatologia:

  1. Agitação ou irritabilidade.
  2. Altos níveis de ansiedade.
  3. Problemas para dormir.
  4. Mudanças no apetite.
  5. Sentimentos de inutilidade ou culpa.
  6. Apatia.
  7. Perda de concentração e energia.
  8. Pensamentos de morte/suicídio.

O que é possível fazer para combater a depressão pós-parto

O mais importante é que você saiba que é mais comum do que parece. A maternidade é difícil e carrega consigo muitas mudanças em que é preciso se adaptar rapidamente porque se encarregar de tudo não é fácil.

A depressão pós-parto afeta mais as mulheres do que os homens.

Depressão pós parto

Se você notar que a tristeza das primeiras semanas com o seu bebê recém nascido se prolonga muito, busque a ajuda especializada de um profissional. Tanto medicação como terapia, o importante é que você siga as recomendações profissionais.

Além disso, esses conselhos podem ser úteis na hora de enfrentar essa situação:

  • Busque apoio no seu meio mais próximo. Seu companheiro, sua família e seus amigos próximos podem te ajudar com as tarefas da casa ou com o bebê.
  • Não sinta vergonha do que está acontecendo. Não esconda seus sentimentos nem se sinta culpada por isso. Você está no seu direito de se sentir triste e oprimida com a situação.
  • Tente falar com outras mães sobre isso. Muitas mães acreditam que devem ser felizes e ocultam o que realmente acontece por medo de serem julgadas.
  • Não existe a mãe perfeita, existe uma boa mãe. Preocupe-se em se recuperar e dar ao seu bebê a melhor versão de si mesma. Ele vai te amar acima de tudo e todos, não se preocupe.

Portanto, a ideia de que o seu filho vai precisar de você mais do que ninguém no mundo te ajudará a tirar as forças de dentro, as forças das quais você tanto precisa.

  • Evans, M., Vicuña, M., & Marín, R. (2003). Depresión postparto realidad en el sistema público de atención de salud. Revista chilena de obstetricia y ginecología, 68(6), 491-494.
  • Hasbún Hernández, J., Risco Neira, L., Jadresic Marinovic, E., Galleguillo U, T., González A, M., & Garay S, J. (1999). Depresión postparto: prevalencia y factores de riesgo. In Rev. chil. obstet. ginecol.
  • Medina, E. (2013). Diferencias entre la depresión postparto, la psicosis postparto y la tristeza postparto. Perinatología y Reproductiva Humana.
  • Mendoza, C., & Saldivia, S. (2015). Actualización en depresión postparto: el desafío permanente de optimizar su detección y abordaje. Revista médica de Chile, 143(7), 887-894. https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?pid=S0034-98872015000700010&script=sci_arttext
  • Miranda Moreno, M. D., Bonilla García, A. M., & Rodríguez Villar, V. (2015). Depresión Postparto. Trances.