O desenvolvimento da atenção nas crianças

21 de outubro de 2019
A atenção é uma capacidade essencial para o desenvolvimento cognitivo. A seguir, vamos explicar como a atenção se desenvolve nas crianças.

A atenção é uma capacidade fundamental para o processamento cognitivo. É importante adquirir essa capacidade para poder ter outras aprendizagens normalmente. Por esse motivo, preparamos o artigo a seguir, sobre o desenvolvimento da atenção nas crianças.

Assim, a atenção pode ser considerada como um processo mental complexo, essencial para o bom desenvolvimento das crianças. Além disso, essa habilidade determina o comportamento dos pequenos. De fato, apresentar dificuldades de atenção implica no surgimento de vários problemas, tanto na infância quanto na idade adulta.

A importância do desenvolvimento da atenção nas crianças

Segundo os psicólogos José A. Periáñez Morales e Marcos Ríos Lago, a atenção pode ser definida como a capacidade mental de gerar e manter um estado de ativação que permite que as informações que chegam por meio dos sentidos sejam processadas.

Assim, essa capacidade é necessária para selecionar os estímulos a partir de múltiplas fontes disponíveis, que incluem:

  • Estímulos internos: sensações físicas, processos mentais, etc.
  • Estímulos externos: sons, imagens, etc.
  • A memória.
  • Os pensamentos.
  • As ações motoras.
O desenvolvimento da atenção nas crianças

Portanto, a atenção consiste em filtrar as informações indesejadas e focar apenas no que for relevante. Assim, para que qualquer processo cognitivo seja realizado, é necessário que os mecanismos de atenção atuem. Ou seja, é necessário um certo grau de seleção de todos os estímulos que acessam o sistema nervoso.

Em suma, pode-se dizer que é um processo complexo que tem duas funções:

  • Facilitar o processamento de informações.
  • Selecionar os estímulos necessários para a realização das diferentes atividades sensoriais, cognitivas ou motoras.

Tipos de atenção

De acordo com o modelo clínico de atenção de Sohlberg e Mateer, os tipos de atenção podem ser divididos em seis, que estão hierarquicamente relacionados, uma vez que cada nível de atenção requer o correto funcionamento do anterior.

Portanto, o desenvolvimento da atenção nas crianças é realizado gradualmente. Assim, pouco a pouco, cada um dos seguintes níveis de atenção são adquiridos:

  1. Excitação. É a ativação fisiológica. Isto é, a capacidade de estar desperto e de se manter alerta. Implica a capacidade de seguir estímulos ou ordens.
  2. Atenção focada. É a capacidade de focar a atenção em um estímulo visual, auditivo ou tátil.
  3. Atenção constante. É a capacidade de manter o foco durante um longo período de tempo.
  4. Atenção seletiva. Refere-se à capacidade de selecionar as informações relevantes, de modo que a atenção a alguns estímulos seja inibida enquanto outros são atendidos.
  5. Atenção alternada. É a habilidade que permite mudar o foco da atenção entre várias tarefas que envolvem o uso de diferentes processos cognitivos.
  6. Atenção dividida. Refere-se à capacidade de atender a duas coisas ao mesmo tempo.

O desenvolvimento da atenção nas crianças

Primeiros meses de vida

Nas crianças, a atenção aparece desde os primeiros meses de vida e progride ao longo do desenvolvimento maturacional. Assim, os bebês conseguem se concentrar em tarefas que são atraentes para eles, mas perdem o interesse com muita facilidade e rapidez.

Portanto, os bebês conseguem manter a atenção apenas por alguns minutos. Na verdade, eles não têm a capacidade de analisar as situações e controlar a atenção.

Fase infantil

Na fase infantil, a atenção voluntária é desenvolvida. Durante todo esse período, as crianças aprendem a controlar a concentração e a mantê-la por mais tempo.

Fase infantil

Ainda assim, elas continuem a perder a atenção quando veem objetos novos ou chamativos, de tal forma que não conseguem passar mais de 20 minutos executando a mesma tarefa.

A partir dos 5 anos de idade

A partir dos cinco anos, as crianças aprendem quando e como usar a atenção. Portanto, a concentração se torna mais estável. Nessa fase, elas também adquirem a capacidade de analisar as situações e decidem prestar mais ou menos atenção dependendo do interesse no tópico ou na atividade.

Portanto, os processos internos desempenham um papel muito importante, pois são eles que direcionam a atenção e fazem com que ela seja mantida no máximo por 50 minutos.

“Cultive a atenção e você terá uma boa concentração. Uma mente serena é a mais adequada para a concentração. Mantenha a sua mente calma. Seja sempre alegre. Somente assim você conseguirá se concentrar.”

– Swami Sivananda –

  • Lubrini, G., Periáñez-Morales, J.A y Ríos-Lago, M. (2009). Estimulación cognitiva y rehabilitación neuropsicológica de la atención. En E. Muñoz-Marrón (Ed.), Estimulación cognitiva y rehabilitación neuropsicológica (pp. 35-80). Barcelona: Editorial UOC.
  • Portellano, J.A. (2005). Introducción a la neuropsicología. Madrid: McGraw-Hill.
  • Ríos-Lago, M. y Periañez, J.A. (2010). Attention and Speed of information processing. En G. Koob, R.F. Thompson y M. Le Moal (Eds.), Encyclopedia of Behavioral Neuroscience. Boston: Elsevier.
  • Sarlé, M., Sabaté, N. y Tomás, J. (n.d.). El desarrollo de la atención, la percepción y la memoria. Barcelona: Centre Paidopsiquiatric del Barcelones S.L.
  • Sohlberg, M.M. y Mateer, C.A. (1987). Effectiveness of an attention-training program. Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology9(2), 117-130.