Dicas para deixar de comer papinha

· 2 de novembro de 2018
Certamente, o pediatra vai ensinar como começar pelos alimentos triturados para poder tornar mais fácil essa fase de transição.

A papinha é o alimento ideal para o bebê. Quando o médico acredita que é hora de adicionar alimentos sólidos na dieta, também mostra quais são os mais adequados para a nutrição do seu pequeno.

Com o passar do tempo, começam a nascer os dentes do bebê. Neste momento é preciso incluir a mastigação como uma nova habilidade.

Por isso, além da papinha ou do purê, devemos incluir alimentos sólidos que estimulem o pequeno nessa nova etapa.

A família toda deve contribuir com essa aprendizagem, assim como já faz com outros ensinamentos.

Mas o que podemos fazer para contribuir? Veja algumas dicas a seguir.

No lugar do purê, comece a amassar a comida com um garfo

Mamãe, se você parar de dar comida triturada e começar a dar alimentos mais sólidos, muito provavelmente o bebê vai recusar.

Você deve lembrar que quando começou a dar comida com uma colher, você apenas dava papinha ou mingau.

Então, você não pode esperar que seu pequeno aceite novos formatos e texturas das comidas mais sólidas do nada.

Para deixar o processo mais tranquilo e evitar birras de uma criança com fome que não quer comer (momento bem difícil de lidar), te damos um conselho: a papinha pode ser substituída pela comida amassada com um garfo.

a papinha

Incentivamos você a passar por esse processo de maneira bem gradual.

No começo, bata por menos tempo a comida no liquidificador para poder ir deixando com mais pedacinhos.

Mesmo que você vá devagar, é provável que o seu filho continue rejeitando o que você oferece.

Mas desta forma a adaptação será mais tranquila. Assim, logo ele vai começar a aceitar a comida que você oferecer.

Lembre-se de que nenhuma mudança brusca é boa para os bebês.

Não se preocupe se seu filho não quiser comer

É possível que ele cuspa tudo quando você der a comida ou que fique com um pouco na boca sem mastigar nem fazer nada.

O bebê também pode começar a tossir sem parar ou simplesmente começar a chorar e fazer uma birra.

Se for esse o cenário e o show de todas as noites, não se desespere.

Você vai precisar ter muita paciência para continuar limpando, dando a comida na boca quantas vezes for necessário, a fim de encorajar seu pequeno a comer.

Enfim, você terá usar todos os truques que precisar para conseguir alimentá-lo.

Independentemente da situação, não se altere por nenhum motivo, nem deixe seu filho notar sua ansiedade.

Ele precisa entender que na hora do almoço é assim que você continuará oferecendo novos alimentos firmemente.

Vá com calma e sempre sorrindo para que ele saiba que esse é um momento de prazer e que você gosta de compartilhar com ele.

Ofereça alimentos sólidos que ele já consiga comer

Se seu médico disser que você pode já pode dar pão, panquecas ou bolachas macias para o bebê comer, coloque em um recipiente de plástico para que ele mesmo pegue e os coloque na boca.

Dessa forma, ele vai aprender a praticar a mastigação de forma natural.

Dê comida do seu prato

a papinha

As crianças adoram comer do prato dos adultos. Mesmo que a criança não saiba o que você está comendo porque não conhece a comida, se você estiver perto dele, com certeza despertará sua fome e curiosidade.

Então, se você quiser que seu filho coma arroz e feijão, por exemplo, sugerimos que vocês comam juntos no mesmo prato. Mas com diferentes talheres, é claro.

O importante é que a criança veja como você mastiga, que come a mesma coisa que ela e que você gosta desse momento.

Uma vez que consiga deixar a papinha para trás, não recue

Sempre que você começar a dar alimentos sólidos à criança, não volte a dar papinha porque “hoje ela não quis comer a comida”.

Mesmo que doa, é importante que a criança se acostume com a ideia de que “esta é comida que há e tenho que comer”.

Ofereça cardápios diferentes

Você pode tentar receitas diferentes para poder variar um pouco a alimentação.

Lembre-se de que seu filho está na fase de assimilação de novos sabores e novas texturas.

Por isso, é importante que ele se acostume com o fato de que os sabores mudam e não é mais todo dia a mesma coisa, como acontecia com a papinha.

Assim, poderá assimilar melhor as mudanças e rejeitará menos os alimentos.