Dieta mediterrânea, tratamento para a fertilidade?

· 14 de novembro de 2016

A dieta mediterrânica proporciona muitos benefícios para a saúde. No entanto, hoje em dia vários estudos científicos concedem a você uma qualidade relacionada com a fertilidade masculina e feminina.

A dieta mediterrânea tem muitos benefícios, no entanto, na atualidade se acrescentou dois fundamentalmente relacionadas com a fertilidade: proporciona uma maior percentagem de espermatozoides móveis nos homens e aumenta a fertilidade das mulheres.

Qual é a dieta mediterrânea e por que aumenta as chances de engravidar? Conheça neste artigo uma das principais virtudes que uma série de estudos científicos concedeu a esta dieta variada, rica em frutas, verduras, legumes e pescado.

Porque, como bem sabemos a boa alimentação é essencial para desfrutar de uma ótima saúde mesmo quando falamos de nossa capacidade reprodutiva. Inclusive, é um fator que devemos nos atentar se a concepção não ocorre naturalmente.

Dieta mediterrânea para conseguir conceber

Como sabemos, uma boa alimentação influencia no estado geral de nossa saúde, mas também tem inferência não só em uma boa gestação e no bom desenvolvimento do embrião e inclusive na hora de engravidar.

Um estudo recente realizado por cientistas da Universidade de Navarra sobre 2.000 mulheres entre 20 e 45 anos mostra que, seguindo a dieta mediterrânea as mulheres podem aumentar as chances de engravidar graças aos benefícios da sua alimentação.

Esta pesquisa foi desenvolvida pelo Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Pública com os estudos de casas Instituto Cultura e sociedade espanhola. O trabalho seguiu dois padrões de dieta: um mais ocidentalizado e outro mediterrâneo.

A dieta ocidental se concentra em alto consumo de carne vermelha, fast food, leite integral, batatas, ovos, cereais refinados, molhos e refrigerantes, enquanto que a dieta mediterrânea inclui azeite, legumes, peixe, frutas e aves, bem como laticínios de baixo teor de gordura.

De acordo com estes dois modelos e depois de acompanhar as voluntárias por mais de seis anos, os pesquisadores observaram que aquelas que seguiram a dieta mediterrânea recorreram 44% menos vezes a um médico por dificuldades em engravidar do que as outras.

Um regime que aumenta a mobilidade dos espermatozoides

Enquanto isso, um grupo de pesquisadores da Universidade de Murcia, em conjunto com a Escola de Saúde Pública de Harvard analisou o condicionamento dos hábitos alimentares em jovens saudáveis sob parâmetros do esperma. O que os homens comem influencia na qualidade e quantidade de espermatozoides?

Para isso, realizaram durante um ano testes com 188 estudantes americanos em que se consideraram tanto os parâmetros do esperma como os hábitos alimentares. Então eles dividiram os estudantes em dois grupos de hábitos de consumo: “prudentes” ou “mediterrâneo” e “ocidentais”.

Assim, considerando fatores como tabagismo, ingestão calórica total, tempo de abstinência sexual, índice de massa corporal (IMC) ou o nível de exercício físico, se chegou à conclusão de que, embora a dieta não pareça afetar a forma ou contagem de esperma, a mobilidade é claramente afetada.

Dieta mediterrânica para mulheres em tratamentos de fertilidade?

Por outro lado, de acordo com um estudo realizado pelo Hospital Universitário Erasmus (Rotterdam) sobre a influência da dieta mediterrânea sobre a fertilidade, argumenta-se que este regime propicia a gravidez nas mulheres submetidas a tratamentos de fertilidade.

O teste foi realizado em 161 mulheres que foram acompanhadas para extrair determinados dados. A partir destes dados verificou-se que as mulheres mais “bem-sucedidas” na hora de conceber tinham em suas dietas alimentos em comuns: vegetais, azeite de oliva, pescado, legumes, frutas, etc.

Portanto, a boa notícia a que se chegou essa pesquisa é que, em tais casos, as chances de conseguir engravidar aumentam em até 40%. O relatório também observa que a variável da idade e hábitos como fumar ou beber não estão relacionados com o sucesso ou não de engravidar.