Eczema em bebês: características e cuidados

10 Fevereiro, 2021
A pele dos bebês ainda não está totalmente desenvolvida. Por esse motivo, o eczema é uma condição que pode ser tratada com os devidos cuidados.

O eczema em bebês é a doença inflamatória da pele mais comum durante a maior parte da infância, afetando de 5 a 20% das crianças. O eczema atópico geralmente se apresenta durante o primeiro ano de vida. Por sua vez, a maioria das crianças afetadas também é alérgica aos ácaros do pó doméstico e essa é uma das principais causas do agravamento da doença.

O que causa o eczema em bebês?

Embora os fatores genéticos sejam importantes, incluindo aqueles que codificam as proteínas da barreira cutânea, como a filagrina, a genética por si só não explica a maior prevalência em pessoas com um nível socioeconômico mais alto.

Os bebês com eczema apresentam um maior risco de infecções cutâneas secundárias e a doença, muitas vezes, está associada a doenças mediadas pela imunoglobulina E (IgE), tais como asma, alergia alimentar e rinite alérgica, de acordo com estudos do The Journal of allergy and clinical immunology.

Eczema em bebês

As exposições ambientais específicas que explicam o risco de eczema ainda são desconhecidas, mas a exposição microbiana precoce e as variações na exposição a ambientes urbanos podem influenciar.

Como o eczema em bebês se manifesta?

O eczema é uma doença inflamatória crônica da pele, caracterizada por erupções cutâneas avermelhadas que coçam. Por sua vez, são observadas alterações associadas na superfície, tais como:

  • Descamação.
  • Espessamento (liquenificação).
  • Escoriações.
  • Pápulas.
  • Vesículas.
  • Supuração.

Há um amplo espectro de apresentações do eczema atópico, desde o eczema de flexão mínima até a eritrodermia. Embora o eczema possa afetar qualquer parte do corpo, em bebês geralmente afeta as bochechas, o pescoço e as dobras cutâneas dos joelhos e cotovelos.

A importância da barreira cutânea

A camada epidérmica superior da pele humana funciona como uma barreira física e química contra certos agentes externos.

Além da disfunção da barreira de permeabilidade, os bebês com eczema também têm a função de barreira antimicrobiana comprometida, o que leva a um aumento nas infecções cutâneas. Em casos mais graves ou avançados, podem ocorrer superinfecções bacterianas que exigirão outro tipo de tratamento.

Cuidados com a pele com eczema

As crianças com eczema têm a função de barreira cutânea alterada. Como consequência, elas sofrem uma perda da água transepidérmica e da propriedade de conseguir retê-la. Além disso, apresentam uma menor quantidade de ceramidas e lipídios intraepidérmicos. Como evitar o eczema em bebês?

Higiene e banhos

Os óleos de banho e os produtos que contêm aveia são úteis e previnem o ressecamento da pele que o banho pode causar. O banho deve ter curta duração e a água deve estar morna, caso contrário, isso vai contribuir para a desidratação.

O sintoma dominante é a coceira intratável, que pode induzir a um círculo vicioso de coceira que danifica a pele e causa ainda mais coceira. De fato, esse sintoma pode ser desencadeado pelo suor e por roupas ásperas, como, por exemplo, roupas feitas de lã.

Hidratação

Em bebês com eczema, há uma tendência ao ressecamento da pele em geral, que se agrava com a baixa umidade, o clima frio e o uso de sabonetes. Encontrar um hidratante adequado que possa ser aplicado duas vezes ao dia é essencial, haja eczema ativo ou não.

Eczema em bebês

A hidratação reduz o ressecamento da pele de forma notável e, ao mesmo tempo, o prurido. É possível optar por cremes que contenham ácidos graxos essenciais, lipídios e ceramidas.

Evitar alérgenos

O ácaro do pó doméstico é o alérgeno mais importante. Portanto, as medidas para evitá-lo devem ser tomadas com assiduidade e devem incluir o revestimento do colchão e dos travesseiros, bem como o tratamento dos lençóis por meio da lavagem com água quente (mais de 60 °C).

Se houver suspeita de alergia alimentar, o pediatra deve ser consultado para que possa dar as respectivas indicações. Em geral, as crianças com eczema atópico grave são as que têm alergia ou intolerância alimentar.

O papel dos probióticos

Ainda não foi esclarecido o papel da flora intestinal na patogênese dessa doença, nem o efeito preventivo dos probióticos sobre o desenvolvimento do eczema.

No entanto, alguns estudos sugerem que eles poderiam ter resultados benéficos na prevenção do eczema, especialmente quando administrados aos bebês durante o período perinatal.

O que deve ser observado em relação ao eczema em bebês?

Em suma, essa é uma condição que costuma aparecer e desaparecer durante anos. Atualmente, não há tratamentos que possam fazer o eczema desaparecer para sempre, portanto, o mais aconselhável é tentar evitar que o bebê tenha eczema, em primeiro lugar.

Da mesma forma, é importante controlar os fatores predisponentes, tais como os cuidados adequados com a pele por meio de emolientes e os hábitos de higiene adequados.

  • Shelov SP, Hannemann R, editorsThe Complete and Authoritative Guide. 4. New York: NY Bantam Books; 2004. Caring for your baby and young child:brith to age
  • Biagini Myers JM, Khurana Hershey GK. Eczema in early life: genetics, the skin barrier, and lessons learned from birth cohort studies. J Pediatr. 2010;157(5):704-714. doi:10.1016/j.jpeds.2010.07.009
  • Bieber T. Atopic dermatitis. N Engl J Med. 2008 Apr 3;358(14):1483-94. doi: 10.1056/NEJMra074081. PMID: 18385500.
  • Sugarman JL. The epidermal barrier in atopic dermatitis. Semin Cutan Med Surg. 2008 Jun;27(2):108-14. doi: 10.1016/j.sder.2008.04.005. PMID: 18620132.
  • Beck LA, Leung DY. Allergen sensitization through the skin induces systemic allergic responses. J Allergy Clin Immunol. 2000 Nov;106(5 Suppl):S258-63. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11080741/
  • Björkstén B, Sepp E, Julge K, Voor T, Mikelsaar M. Allergy development and the intestinal microflora during the first year of life. J Allergy Clin Immunol. 2001 Oct;108(4):516-20. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11590374/
  • Kalliomäki M, Salminen S, Arvilommi H, Kero P, Koskinen P, Isolauri E. Probiotics in primary prevention of atopic disease: a randomised placebo-controlled trial. Lancet. 2001 Apr 7;357(9262):1076-9. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11297958/
  • Palmer, C. N., Irvine, A. D., Terron-Kwiatkowski, A., Zhao, Y., Liao, H., Lee, S. P., … & O’Regan, G. M. (2006). Common loss-of-function variants of the epidermal barrier protein filaggrin are a major predisposing factor for atopic dermatitis. Nature genetics38(4), 441-446. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16550169/
  • Lodén, M. (2003). Role of topical emollients and moisturizers in the treatment of dry skin barrier disorders. American journal of clinical dermatology4(11), 771-788. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14572299/
  • Edwards, C., & Marks, R. (2004). 2 A Hydration and Atopic Dermatitis. Bioengineering of the skin: water and the stratum corneum, 323. https://www.researchgate.net/publication/329487011_Hydration_and_atopic_dermatitis