Glúten na alimentação do bebê: em qual idade introduzi-lo e como fazer isso?

Você tem dúvidas sobre o momento certo para introduzir o glúten na alimentação do seu bebê? De agora em diante, você vai ficar sabendo com base no que vamos contar a seguir.
Glúten na alimentação do bebê: em qual idade introduzi-lo e como fazer isso?

Última atualização: 11 Janeiro, 2021

Você se preocupa com a introdução dos alimentos na dieta do seu filho? No início, é normal sentir medo e ter muitas dúvidas. Uma das mais frequentes é quando e de que forma incluir o glúten na alimentação do bebê. A partir de agora, você vai ficar sabendo, pois vamos revelar tudo o que é preciso saber sobre esse assunto.

Esse é um assunto que tem gerado debates entre os especialistas da Sociedade Europeia de Gastroenterologia Pediátrica, Hepatologia e Nutrição (ESPGHAN, na sigla em inglês), visto que o glúten está entre as 3 alergias e intolerâncias mais comuns em crianças.

Por esse motivo, foram realizadas pesquisas sobre o efeito de adiantar e de retardar a ingestão de glúten em relação ao aparecimento de doença celíaca, de eczemas, da asma e de outros sintomas respiratórios que começam a se manifestar durante a infância.

O objetivo principal era descobrir se o problema poderia ser prevenido, principalmente no caso de crianças que apresentavam alto risco porque tinham um familiar direto com esse histórico.

Glúten na alimentação do bebê

Glúten na alimentação do bebê: por quanto tempo devemos esperar?

Até 2016, a recomendação era esperar até os 7 ou 8 meses para oferecer o glúten, pois se acreditava que, dessa forma, seria possível reduzir o risco de desenvolver a doença celíaca e outros distúrbios relacionados a essa proteína.

No entanto, nesse mesmo ano, foi publicado o maior estudo europeu sobre o efeito do aleitamento materno e da idade de introdução do glúten no aparecimento da doença celíaca em crianças predispostas.

Por um lado, os bebês que foram amamentados com leite materno tiveram o mesmo risco em comparação com aqueles que foram amamentados com fórmula. Por outro lado, avaliou-se o efeito da introdução do glúten em diferentes momentos (antes dos 3 meses, dos 4 aos 6 meses e com mais de 6 meses).

O que se observou foi que, antes dos 3 meses, o risco é maior porque a função renal e gastrointestinal ainda não está totalmente desenvolvida, o que dificulta a digestão.

Dessa forma, é preferível esperar pelo menos até os 4 meses e então oferecê-lo o mais cedo possível, apesar de não ter havido diferenças entre o período de 4 a 6 meses e o de 6 meses.

Além disso, oferecê-lo antes dos 6 meses reduz o aparecimento de eczema antes dos 10 anos. Porém, lembramos que até os 6 meses a amamentação deve ser a principal fonte de nutrientes e, portanto, os outros alimentos devem ser complementares. Por outro lado, não houve efeitos sobre o aparecimento de asma ou rinite.

Glúten: como introduzi-lo e em qual quantidade?

Em relação à quantidade segura para prevenir a doença celíaca, não foi estabelecida nenhuma, embora não seja recomendado que os pequenos consumam grandes quantidades durante as 2 primeiras semanas. Para que se possa ter uma ideia, a recomendação é evitar exceder a ingestão de meia fatia de pão branco.

Também se desconhece o tipo de preparo adequado e a sua ordem. No entanto, é sempre melhor começar com massa bem cozida, pão branco ou parte de um bolo caseiro sem adição de açúcar.

Uma vez que a quantidade seja tolerada, deve-se substituí-la pela versão integral e aumentá-la aos poucos. Dessa forma, o sistema digestivo do bebê vai se acostumar e permitir que ele continue amadurecendo.

Glúten na alimentação do bebê

Além disso, aconselhamos que você evite dar ao seu filho alimentos ultraprocessados com frequência, pois eles contêm grandes quantidades de açúcares e gorduras trans que contribuem para o futuro desenvolvimento de sobrepeso, diabetes e obesidade, entre outras patologias. É até mesmo recomendável que você espere pelo menos até o bebê completar 1 ano de vida para fazer isso.

Quando se trata do glúten na alimentação do bebê…

Esperamos que tenha ficado claro para você como e quando introduzir o glúten na alimentação do bebê. Além disso, você precisa saber que se o seu filho não tiver uma predisposição genética para reagir ao glúten, não importa que ele seja oferecido mais tarde. Mais do que a ordem dessa introdução, o mais importante é incorporar uma variedade cada vez maior de alimentos.

No entanto, você deve ficar por perto enquanto o seu filho estiver comendo para observar se há alguma reação e para evitar a asfixia. Por fim, procure não distraí-lo nem pressioná-lo a terminar tudo o que está no prato, pois ele mesmo é capaz de regular o próprio apetite. Por outro lado, você também pode colocar o prato diante dele com o pão ou a massa cortada em pedacinhos para que ele possa pegar com as mãos.

Pode interessar a você...
Alergia à proteína do leite de vaca em crianças
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Alergia à proteína do leite de vaca em crianças

Você já ouviu falar da alergia à proteína do leite de vaca em crianças? Vamos te contar como diferenciá-la da intolerância à lactose. Confira!



  • Fewtrell, M; Bronsky, J; Campoy, C; Domellöf, M; Embleton, N; Fidler Mis, N et al (2017) Complementary Feeding: A Position Paper by the European Society for Paediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition (ESPGHAN) Committee on Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr, 64(1): 119-32.
  • Szajewska, H; Shamir, R; Mearin, L; Ribes-Koninckx, C;  Catassi, C; Domellöfet, M al (2016) Gluten Introduction and the Risk of Coeliac Disease: A Position Paper by the European Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr, 62(3): 507.13.
  • Elbert, N J; Kiefte-de Jong, J C; Voortman, T; C Nijsten, T E; de Jong, N W; V Jaddoe, V W et al (2017) Allergenic food introduction and risk of childhood atopic diseases. PLos One, 12(11). 
  • Ierodiakonou, D; Garcia-Larsen, V; Logan, A; Groome, A; Cunha, S; Chivinge, J et al (2016) Timing of Allergenic Food Introduction to the Infant Diet and Risk of Allergic or Autoimmune Disease: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA, 316(11): 1181-92.