Erva-doce na gravidez: é recomendada?

A erva-doce na gravidez pode ser consumida completamente normalmente em doses dietéticas normais. Antes de tomar infusões ou produtos mais concentrados, é necessário consultar um médico.
Erva-doce na gravidez: é recomendada?

Última atualização: 15 abril, 2022

O consumo de plantas e infusões durante a gravidez gera muitas dúvidas entre as futuras mães e recomendações um tanto confusas. A erva-doce é uma deles porque seu uso é muito comum para melhorar pequenos desconfortos. No entanto, é necessário ter cuidado ao consumir erva-doce durante a gravidez.

As plantas medicinais possuem princípios ativos que exercem funções no organismo. Algumas podem ser contraproducentes para a saúde da gestante ou do feto. Em outras ocasiões, não são recomendadas porque não há evidências suficientes sobre sua segurança.

Por essa razão, é aconselhável consultar o médico primeiro em caso de desconhecimento ou dúvida, tomar infusões de ervas apenas para melhorar qualquer desconforto (e quando não há outras alternativas) e desde que sejam plantas adequadas para a gravidez.

A seguir vamos aprender mais sobre a erva-doce e quais são as principais recomendações.

Infusão de erva-doce.

Benefícios da erva-doce

A erva-doce é uma planta que tem mostrado vários benefícios para a saúde. Tradicionalmente, tem sido usada para tratar muitas doenças, desde problemas respiratórios até uma ampla gama de problemas digestivos, endócrinos e reprodutivos.

É uma planta medicinal que pertence à família das umbelíferas e é cultivada em muitas partes do mundo. Ao consumi-la, quase todas as suas partes podem ser utilizadas: cruas ou cozidas (a nível alimentar), em infusões, licores e em apresentações mais concentradas como óleos essenciais ou extratos de plantas.

Estas são algumas de suas atividades mais destacadas:

  • É capaz de estimular o apetite.
  • Reduz os movimentos intestinais, o que pode ajudar a reduzir os gases e os espasmos intestinais. É recomendada em caso de digestões pesadas.
  • Devido às suas propriedades expectorantes, é útil em caso de bronquite e resfriados.
  • Ajuda a melhorar a retenção de líquidos, pois é uma planta diurética.
  • Anti-inflamatória e antioxidante.
  • Protetor hepático.
  • Antiestresse e ansiolítico.

Agora, a erva-doce também é uma das muitas plantas com função ou propriedade semelhante à do estrogênio. Por esse motivo, alguns especialistas não aconselham seu uso durante a gravidez se não for recomendada por um especialista.

No caso da erva-doce, observou-se um efeito tóxico nas células fetais (em animais) e há dúvidas sobre os possíveis efeitos adversos que podem aparecer em doses muito concentradas e a longo prazo.

Então, a erva-doce é recomendada na gravidez?

Dados os possíveis benefícios e dúvidas geradas pelo uso de erva-doce durante a gravidez, o melhor conselho é ter cautela. Antes de consumi-la para melhorar alguns dos possíveis desconfortos que podem aparecer, é preferível consultar um especialista. Vale lembrar que, em grande parte, a prevenção se deve ao fato de não haver comprovação científica sobre sua inocuidade.

A nível alimentar não há problema em poder desfrutar dessa planta desde que seja feito um consumo moderado. Seja cru ou cozida, a erva-doce pode ser incluída numa infinidade de pratos e receitas muito nutritivos: saladas, guisados de legumes, cremes de legumes, assados no forno, salteados, etc.

Além do bulbo, as sementes também podem ser usadas para dar sabor e aroma a alguns pratos e molhos. Para esse efeito, pode ser adicionada a vegetais flatulentos (para ajudar a reduzir os gases), ensopados de carne, sopas ou em preparações de pão e biscoitos.

No caso de preparações com maiores concentrações de erva-doce (como infusões, extratos vegetais ou óleo essencial) é melhor evitá-las durante a gravidez.

Infusões que podem ser consumidas durante a gravidez

Certamente você já sabe que o café e o chá devem ser evitados durante a gravidez, pois podem causar problemas no desenvolvimento do feto ou ter efeito abortivo. No entanto, existem algumas infusões que podem ser ingeridas sem contraindicações, tornando-se benéficas em certos casos.

Mulher tomando uma infusão de erva-doce durante a gravidez.

As mais comuns são gengibre e rooibos. Ambas se destacam por suas propriedades antioxidantes. Além disso, são capazes de aliviar as náuseas que ocorrem durante os primeiros meses de gravidez.

Use erva-doce com cautela na gravidez

Em princípio, o uso de erva-doce em nível alimentar, em quantidades moderadas e com cautela, é seguro durante a gravidez. Ou seja, pode fazer parte de uma dieta saudável, equilibrada e variada, que é necessária para ter uma gravidez bem sucedida.

Infusões de plantas e suplementos de plantas são frequentemente usados para melhorar alguns desconfortos recorrentes durante a gravidez: digestão pesada, vômitos, náuseas, resfriados ou infecções do trato urinário. Em muitos casos, promovem a tranquilidade, pois são consideradas opções naturais, saudáveis e levemente nocivas.

No entanto, ocasionalmente também podem causar problemas. Os riscos mais notórios são aborto espontâneo, parto prematuro, toxicidade para a mãe e o feto ou reações alérgicas (entre outros).

Por esse motivo, os especialistas recomendam não tomá-las, pois também não há dados suficientes sobre sua segurança. Se você acha que a erva-doce pode ajudar de alguma forma, consulte seu ginecologista sobre a possibilidade de tomá-la de forma pontual.

Pode interessar a você...
8 temperos e especiarias proibidos na gravidez
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
8 temperos e especiarias proibidos na gravidez

Há uma série de temperos e especiarias que são proibidos durante a gravidez, pois seu consumo pode causar abortos e outros problemas.



  • Badgujar S. B, Patel B. B, et al. Foeniculum vulgare Mill: a review of its botany, phytochemistry, pharmacology, contemporary application, and toxicology. BioMed Research International. Agosto 2014. 2014: 842674.
  • Bebitoglu B, T. Frequently used herbal teas during pregnancy – short update. Medeniyet Medical Journal. Febrero 2020. 35 (1): 55-61.
  • Bernstein N, Akram M, et al. Is it safe to consume traditional medicinal plants during pregnancy? Phytotherapy Research. Abril 2021. 35 (4): 1908-1924.
  • Body C, Christie JA. Gastrointestinal Diseases in Pregnancy: Nausea, Vomiting, Hyperemesis Gravidarum, Gastroesophageal Reflux Disease, Constipation, and Diarrhea. Gastroenterol Clin North Am. 2016 Jun;45(2):267-83. doi: 10.1016/j.gtc.2016.02.005. PMID: 27261898.
  • Illamola S. M, Amaeze O. U, et al. Use of herbal medicine by pregnant woman: what physicians need to know. Frontiers in Pharmacology. Enero 2020.
  • Malik R, Kumar V. Hypertension in Pregnancy. Adv Exp Med Biol. 2017;956:375-393. doi: 10.1007/5584_2016_150. PMID: 27957708.