O estresse na infância pode mudar o cérebro de crianças e adolescentes

A presença do estresse nos primeiros estágios da vida não prejudica apenas a saúde física e emocional, pois também pode deixar sequelas no cérebro em desenvolvimento.
O estresse na infância pode mudar o cérebro de crianças e adolescentes

Última atualização: 08 Setembro, 2021

O estresse pode causar estragos na saúde física e emocional em qualquer idade. Entretanto, durante os primeiros anos de vida, seus efeitos são ainda mais prejudiciais. A ciência descobriu que o estresse na infância pode danificar o cérebro em desenvolvimento. Consequentemente, a criança pode apresentar problemas emocionais e comportamentais no futuro.

Podemos pensar que a vida dos pequenos é simples e que a ansiedade e a tensão não fazem parte do seu dia a dia. No entanto, muitas crianças enfrentam situações estressantes de magnitudes variadas. Problemas escolares, familiares ou de saúde podem afetar negativamente suas vidas. E embora tenham uma grande capacidade de adaptação, no longo prazo as consequências ficam evidentes.

Queremos transmitir a você a importância de prevenir as consequências do estresse na infância. Não deixe de ler este artigo!

“As mulheres sofrem mais”

Um dos estudos mais importantes sobre os efeitos do estresse na infância foi publicado na revista Neurobiology of Stress. Entre seus resultados, é estabelecida uma associação direta  entre experiências aversivas no início da vida e mudanças na estrutura do cérebro em desenvolvimento.

Os efeitos descritos estão localizados no nível do córtex pré-frontal e são traduzidos em alterações nas conexões neuronais e no funcionamento dessa área do cérebro.

Outra descoberta sugere que as mulheres são mais vulneráveis aos efeitos do estresse em uma idade precoce. Um aspecto impressionante é que isso possa deixá-las mais propensas a desenvolver transtornos psiquiátricos no futuro.

 

Você sabe quais são os efeitos do estresse na infância?

O estresse faz mal à saúde de crianças e adolescentes

Todos nós sabemos que o estresse é prejudicial à saúde. No entanto, podemos não estar totalmente cientes da magnitude do impacto, especialmente nas crianças.

Um dos principais efeitos diretos do estresse é o aumento da produção de cortisol, um hormônio fundamental no metabolismo que participa de vários processos vitais.

Seu aumento excessivo e sustentado pode provocar um aumento nos níveis de glicose no sangue (hiperglicemia) e causar algumas doenças, como o diabetes. Além disso, é acompanhado de hipertensão, o que aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

No aspecto neurológico, o estresse está relacionado à dificuldade para dormir, seja para adormecer ou para manter o sono e o descanso à noite.

O estresse crônico também afeta a memória e o aprendizado, dois processos básicos durante a infância. Isso pode levar a dificuldades no desempenho escolar e outras limitações cognitivas.

Por fim, o estresse mantém o indivíduo em estado de alerta permanente, por muito tempo. Tudo isso leva à fraqueza muscular e ao aparecimento de doenças gastrointestinais e psicológicas (como ansiedade ou depressão) e problemas relacionados ao sistema imunológico.

Mas, apesar de tudo isso, o dano nas crianças e nos adolescentes é ainda maior, uma vez que essas etapas são fundamentais para a construção do indivíduo. Durante esses anos, os indivíduos aprendem a interpretar o mundo e, dessa forma, estabelecem seus padrões de pensamento, sentimento e comportamento.

Por esse motivo, experiências estressantes em uma idade precoce podem condicionar todas as respostas futuras aos eventos da vida cotidiana.

Você pode evitar que seus filhos fiquem muito estressados

Tendo em vista as consequências importantes do estresse na infância, é importante evitar que seus filhos tenham esse tipo de experiência. Como isso não será possível 100% das vezes, é importante implementar uma série de diretrizes para reduzir seu impacto.

Tente proporcionar um ambiente saudável, tanto na escola quanto em casa

Esses espaços são muito importantes para as crianças, pois é onde elas passam a maior parte de suas vidas. Por isso, é importante que sejam ambientes seguros, onde os pequenos recebam amor, respeito e orientação.

Se você perceber que essas condições não estão sendo atendidas, faça as alterações necessárias. Os maus-tratos da família ou o bullying são dois dos maiores estressores da infância.

Evite sobrecarregar as crianças com responsabilidades

Reveja com seu filho a agenda dele e analise se é necessário reduzir ou modificar alguma das atividades. As crianças geralmente carregam mais responsabilidades do que as adequadas para a sua idade e o seu nível de maturidade. Isso pode causar ansiedade ou  pressões totalmente evitáveis.

A formação educacional, o esporte e a arte são importantes, mas é fundamental reservar tempo suficiente para o lazer e o descanso.

Ensine seu filho a controlar o estresse

Mais cedo ou mais tarde, os conflitos e as adversidades surgirão na vida do seu filho. Portanto, é importante que você seja um guia para que ele possa lidar com essas situações sem sofrimento. Dessa forma, ele se tornará uma pessoa resiliente, capaz de superar desafios e aprender com as circunstâncias difíceis.

Para fazer isso, você deve aumentar sua autoestima, trabalhar sua inteligência emocional e ensinar algumas técnicas para reduzir a reatividade.

Sobre o estresse no início da vida

Em última análise, as experiências da infância moldam o cérebro das crianças, bem como sua personalidade e comportamento. Se essas experiências forem estressantes e se prolongarem ao longo do tempo, o efeito pode ser muito negativo para elas.

Por isso, procure oferecer aos seus filhos uma infância tranquila e ensinar a eles os recursos adequados para enfrentar as adversidades. Dessa forma, você evitará que o estresse prejudique seu desenvolvimento.

Pode interessar a você...
Por que as mães se sentem mais estressadas que os pais ao cuidar dos filhos
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Por que as mães se sentem mais estressadas que os pais ao cuidar dos filhos

Sem dúvidas, há mães mais estressadas que outras. Mas alguns estudos mostram que nenhuma delas é menos estressadas que os papais.



  • Bueno-Fernandez, C., Perez-Rando, M., Alcaide, J., Coviello, S., Sandi, C., Castillo-Gómez, E., & Nacher, J. (2021). Long term effects of peripubertal stress on excitatory and inhibitory circuits in the prefrontal cortex of male and female mice. Neurobiology of Stress14, 100322.
  • Joseph-Bravo, P., & Gortari, P. (2007). El estrés y sus efectos en el metabolismo y el aprendizaje. Biotecnología14(3), 65-76.
  • Palacio, C., Tobón, J., Toro, D. A., & Vicuña, J. (2018). El estrés escolar en la infancia: una reflexión teórica. Cuadernos de Neuropsicología/Panamerican Journal of Neuropsychology12(2).