O importante papel da fisioterapia infantil

A fisioterapia é vital para a recuperação de muitas das condições que afetam os pequenos. Descubra o que é essa disciplina e como saber se seus filhos precisam de ajuda.
O importante papel da fisioterapia infantil

Última atualização: 21 Julho, 2021

A fisioterapia infantil ou pediátrica é uma ferramenta muito útil no tratamento e na correção de certas dificuldades do desenvolvimento motor da criança, sejam elas congênitas ou adquiridas. Assim, o fisioterapeuta ficará encarregado de atender a criança desde o nascimento até os 2 anos de idade.

Segundo os especialistas, a fisioterapia é adequada para o tratamento de certas patologias neurológicas, como paralisia cerebral infantil, doenças neuromusculares, torcicolo congênito, etc; em processos reumatológicos ou respiratórios; nas anomalias ortopédicas e traumáticas, como escoliose e malformações nos pés, entre outras.

Nessas circunstâncias, os especialistas buscam restaurar as funções afetadas por essas condições, ao mesmo tempo que auxiliam a criança no desenvolvimento das habilidades motoras, por meio da estimulação neuromotora e psicomotora. Em geral, são usadas técnicas de tratamento para corrigir a postura, fisioterapia respiratória e muito mais.

Para os pais, não é fácil saber que seu bebê precisa dessa ajuda para um crescimento normal, mas o importante é que os resultados obtidos sejam positivos na maioria dos pacientes, que têm a esperança de seguir em frente com uma melhor qualidade de vida.

Fisioterapia infantil: quando devo procurar?

 

Geralmente, o pediatra é quem toma a iniciativa de recomendar que a criança seja encaminhada ao fisioterapeuta. No entanto, é necessário esclarecer que os tratamentos individuais em bebês menores de cinco anos são aplicados quando há sofrimento fetal ou algum risco no desenvolvimento inicial, como no caso dos bebês prematuros.

Da mesma forma, é fundamental nas situações em que houver evidências de um possível atraso na obtenção de habilidades típicas da idade por parte da criança ou no funcionamento em algum dos sistemas.

Porém, em circunstâncias normais, bebês saudáveis também podem se beneficiar com esses exercícios, para fortalecer seus músculos, melhorar a respiração, evitar a má postura e ter boa elasticidade.

A fisioterapia desempenha um grande papel na prevenção de certos problemas em uma idade precoce. Por exemplo, reduz o aparecimento de cólicas infantis ou distúrbios do sono.

Como saber se o bebê precisa de ajuda?

 

Fisioterapia infantil: para crianças e bebês.

Se o pediatra não falou nada a respeito e você quer descartar qualquer possibilidade, não hesite em visitar um bom fisioterapeuta infantil. Como especialista na área, o profissional deverá seguir um protocolo de avaliação prévia para verificar:

  • A força do bebê.
  • A coordenação.
  • O desenvolvimento global.
  • As posturas funcionais.
  • A mobilidade espontânea.
  • As condições musculoesqueléticas.

Dependendo dos critérios médicos, ele aplicará um método de acordo com as necessidades particulares da criança. Às vezes esses exercícios são feitos com a sua colaboração para que você também aprenda as técnicas, para depois reproduzir em casa e ajudar a criança a se sentir à vontade durante as sessões.

Os objetivos da fisioterapia na infância

Os objetivos dessa disciplina são claros para o ser humano. Principalmente quando se trata de crianças. Sabemos que você pode se preocupar com a saúde do seu filho, mas não se esqueça de que esses tratamentos se concentram em:

  • Ajudá-los a serem independentes.
  • Promover seu desenvolvimento normal.
  • Reduzir diversos incômodos.

A ciência disponibiliza todas as suas ferramentas para ajudar os pequenos. Mantenha-se forte e acompanhe seu bebê que tanto precisa de você nesse momento.

Pode interessar a você...
Massagens para combater a prisão de ventre do bebê
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Massagens para combater a prisão de ventre do bebê

A prisão de ventre do bebê é um transtorno que se caracteriza pela impossibilidade ou dificuldade de defecar e costuma incomodar nos primeiros mese...



  • Fritz. S. (2001). Fundamentos del Masaje Terapéutico. Editorial Paidotribo. Barcelona.
  • Gracia, M. G. (2007). Masaje infantil. Medicina naturista, 1(2), 45-62.
  • Sebastián, M. Y., & Sebastián, M. Y. (2005). Estimulación multisensorial en el trabajo del fisioterapeuta pediátrico. Fisioterapia, 27(4), 228-238. https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S021156380573443X