4 dicas para obter uma higiene postural adequada em crianças

Os adultos podem contribuir para a consciência corporal da criança, o que afeta diretamente sua higiene postural. Aqui falamos em mais detalhes sobre dicas que devem ser levadas em consideração.
4 dicas para obter uma higiene postural adequada em crianças

Última atualização: 06 Maio, 2021

Durante a primeira infância, o corpo da criança se desenvolve rapidamente. É o momento certo de observá-la, acompanhá-la e educá-la sobre o cuidado consigo mesmo, a fim de prevenir possíveis posições viciosas que podem levar a futuras alterações. Os hábitos saudáveis e a liberdade de circulação devem ser considerados os principais eixos a incorporar e manter ao longo da vida. Confira aqui algumas das dicas para obter uma higiene postural adequada em crianças.

A postura é a maneira como organizamos as diferentes partes do corpo. É uma atividade que será determinada por vários fatores, como fatores genéticos e ambientais. Ao adotar uma atitude postural e repeti-la ao longo do tempo, obtemos os hábitos posturais.

Daí a importância de oferecer educação corporal às crianças desde cedo, pois nos primeiros anos de vida se aprofunda o desenvolvimento do sistema nervoso central e do aparelho locomotor.

O desenvolvimento motor da criança ocorre em diferentes etapas. Em suas primeiras semanas, ela deve ser capaz de endireitar a cabeça para poder orientá-la voluntariamente no espaço. Desde os primeiros meses ele adquire maior força muscular até que consegue se sentar e depois passa a engatinhar.

Por volta do primeiro ano ela consegue parar em pé para dar os primeiros passos. Dos 2 aos 5 anos, ela melhora a coordenação ao andar, as habilidades motoras e o conhecimento do próprio corpo. A seguir, vamos dar mais detalhes sobre 4 dicas para conseguir uma higiene postural adequada em crianças.

4 dicas para obter uma higiene postural adequada em crianças

Bebê feliz enquanto engatinha e aprende a ter uma boa higiene postural.

1. Ensinar hábitos saudáveis à criança

A partir do momento em que o bebê nasce, ele começa a se adaptar ao ambiente que o cerca, bem como aos seus cuidadores e aos seus hábitos e atividades cotidianas. É a partir desse momento que devemos ter consciência de como os comportamentos dos adultos influenciam o desenvolvimento da criança e da importância dos hábitos saudáveis em ambos.

A maneira como nos alimentamos, como nos relacionamos uns com os outros, além de como nos movemos, influenciarão diretamente a maneira como a criança reproduzirá esses comportamentos. É uma oportunidade para oferecer alimentos saudáveis e de boa qualidade em sua fonte de energia. Além de construir uma comunicação clara e simples, adaptada à criança, para entender melhor suas necessidades em cada etapa, e transmitir o valor de ser fisicamente ativo.

A exposição às telas é um dos tópicos mais difíceis para muitas mães e pais. Pode ser um grande obstáculo para obter uma higiene postural adequada em crianças. O fato de serem cada vez mais envolventes faz com que as crianças fiquem na frente delas por mais tempo.

Isso significa que elas mantêm a mesma postura, sem se mover, por períodos prolongados, o que leva a criança a se habituar a um comportamento mais sedentário.

2. Facilitar o movimento livre da criança para uma higiene postural adequada

A exploração é uma das maneiras pelas quais a criança conhece o mundo. Para isso, você precisa de liberdade para se movimentar, com roupas confortáveis (com os pés descalços, na medida do possível) e no espaço em que se encontra.

Existem inúmeros dispositivos no mercado para manter os pequenos em segurança em um espaço restrito. Esses elementos proporcionam maior conforto ao adulto, mas tiram possibilidades importantes de movimento para a criança.

Isso não significa que não devam ser usados, e sim que seu uso não deve durar longos períodos. A prioridade deve ser o uso do chão, adaptado com os elementos necessários para torná-lo seguro. Em cobertores ou pisos acolchoados, com brinquedos ou elementos para entretenimento de cada idade. Sempre acompanhando e supervisionando a criança, sem deixá-la sozinha.

3. Incentivar a criança a brincar

A brincadeira é outra das formas com que o pequeno descobre o seu ambiente e é a sua melhor forma de aprender. É uma necessidade que apresenta características distintas no interesse da criança, dependendo do estágio de maturação e do contexto em que se encontra.

O brinquedo é uma ferramenta que permite aprender enquanto se diverte. A criança aprende com todo o seu ser, o que lhe permite desenvolver simultaneamente suas áreas motora, emocional e intelectual. Isso favorece o desenvolvimento da coordenação, do esquema corporal e, portanto, da sua consciência postural.

4. Fornecer estimulação múltipla à criança para uma boa higiene postural

A riqueza dos estímulos reside na variedade de atividades. E aí reside a importância de os cuidadores poderem registrar quais são as necessidades da criança em cada fase e poder adaptá-las aos objetos e às circunstâncias que a cercam.

Menina fazendo lição de casa com boa higiene postural.

Portanto, é fundamental respeitar os tempos de desenvolvimento individual e não forçar posições ou posturas que a criança ainda não conquistou por conta própria. Também não podemos apressar a criança para ficar de pé ou andar se ela ainda não se sente confiante para fazer isso sozinha.

É melhor prevenir que remediar

As alterações posturais geralmente se manifestam, ou pelo menos são detectadas, por volta dos 6 a 8 anos de idade, quando a criança inicia o ensino fundamental. Nessa época, já estão estabelecidos desequilíbrios biomecânicos que poderiam ter sido evitados com uma higiene postural adequada.

Entre as doenças mais comuns estão escoliose, hipercifose e hiperlordose, ou seja, diferentes desvios da coluna. Os tratamentos são longos e requerem uma equipe interdisciplinar. Tudo isso afeta a qualidade de vida e a emocionalidade da criança.

A partir do momento em que ela inicia o nível básico (pré-escolar), sua coluna deve ser protegida com mochilas apoiadas em ambos os ombros ou com rodinhas, cujo peso não pode ultrapassar 10% do peso corporal da criança. Assim como o mobiliário escolar deve ser adequado e proporcional. É a partir desse momento que você deve insistir na importância de se sentar corretamente na cadeira.

Portanto, é fundamental começar a ensinar hábitos saudáveis, permitir a liberdade de movimento, incentivar o brincar e estimular a criança de diversas formas desde os primeiros meses de vida, para obter uma higiene postural adequada. Isso lhes proporcionará grandes benefícios no desenvolvimento motor e um melhor equilíbrio muscular além de, consequentemente, hábitos posturais mais saudáveis e menor predisposição a alterações futuras.

Pode interessar a você...
Cinco posturas de yoga para crianças
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Cinco posturas de yoga para crianças

Se você quer que o seu filho comece uma atividade que lhe permita tonificar o seu corpo, relaxar e se divertir, o yoga para crianças será ideal.



  • Chacón Borrego, Fátima, et al. “Educación e higiene postural en el ámbito de la Educación Física: Papel del maestro en la prevención de lesiones: Revisión sistemática.” (2018).
  • Pardo Priante, Nazaret. “Como afectan las TICs en el cuerpo de los niños y el papel de la higiene postural. Propuesta de intervención en Educación Física.” (2019).
  • Campo-Ternera, Lilia, et al. “Estilos de vida saludables de niños, niñas y adolescentes.” Salud Uninorte 33.3 (2017): 419-428.
  • Vasquez Romero, Claudia Maria. “Análisis de riesgos posturales asociados al dolor de espalda en escolares y su prevención desde la higiene postural.” (2018).
  • Yang, Le. Estudio de la influencia de la higiene postural y la ergonomía en el rendimiento académico. BS thesis. Universitat Politècnica de Catalunya, 2018.
  • Mejía-Balcázar, Milton, Bélgica Aguilar-Aguilar, and Krupskaya Mejía-Baraja. “Hábitos posturales de riesgo para desarrollar hiperlordosis, cifosis y escoliosis en niños/as de 11 a 13 años.” CEDAMAZ 7.1 (2017).
  • Rodríguez Torres, Ángel Freddy, et al. “Beneficios de la actividad física para niños y adolescentes en el contexto escolar.” Revista Cubana de Medicina General Integral 36.2 (2020).