A importância das habilidades emocionais na infância

As habilidades emocionais são necessárias para uma vida bem-sucedida. Você tem que saber quais são elas e ensiná-las aos seus filhos para que eles tenham um desenvolvimento ideal.
A importância das habilidades emocionais na infância

Última atualização: 25 Junho, 2021

As habilidades emocionais são muito importantes na infância e por isso devem necessariamente ser trabalhadas nas crianças para que, à medida que elas forem crescendo, estejam automatizadas. É essencial compreender as próprias emoções e as dos outros para se autorregular e entender as situações vividas e se adaptar a elas.

Habilidades emocionais

Quando falamos sobre habilidades emocionais, também estamos falando sobre habilidades sociais. Elas são necessárias para o desenvolvimento infantil e vão definir a situação geral da criança, tanto no presente quanto no futuro.

Existem diferentes tipos de habilidades emocionais que você deve conhecer. Sabendo quais são os tipos que existem, você pode ajudar seus filhos a desenvolvê-los de forma saudável, para que tenham uma vida muito mais bem-sucedida, tanto pessoal quanto profissionalmente.

Pais conversando com a filha sobre maturidade emocional.

Competência pessoal

Esse tipo de habilidades são as habilidades de autoconhecimento (autoconsciência, autorregulação, determinação) e as habilidades de tomada de decisão (tomada de decisão responsável, pensamento crítico).

É necessário que as pessoas conheçam seu mundo emocional. Dessa forma, podemos identificar quais emoções sentimos e o que nos faz sentir melhor ou pior. Seremos capazes de gerenciar melhor as emoções e enfrentar diferentes situações.

A capacidade de autorregulação é essencial porque é o que nos ajuda a compreender as emoções que temos e a nos adaptar às diferentes situações da vida. Assim se adquire um autoconceito positivo e uma melhor autoestima.

Pessoas com boas habilidades para a vida terão mais sucesso no futuro. A inteligência é importante, mas a inteligência emocional é ainda mais importante. É fundamental obter bem-estar e bom desempenho em qualquer fase da vida.

Identificar suas próprias emoções e as dos outros

Da mesma forma, é importante saber identificar as emoções dos outros. A empatia é essencial para uma boa convivência. Saber o que outra pessoa precisa, por que ela está se sentindo de determinada maneira e o que se pode fazer para ajudar, se necessário. A empatia e a assertividade são necessárias e devem ser sempre levadas em consideração para um relacionamento interpessoal fluido e bem-sucedido.

Seguindo essa linha, também é essencial aprender a entender e aceitar suas próprias emoções e aprender com elas. Temos que pensar que as emoções estão conosco porque são nossos professores, são nossos guias na vida. Elas nos dizem como estamos nos sentindo em um determinado momento e o que podemos fazer para nos sentirmos melhor quando não estamos bem.

É preciso nomear as emoções, saber por que elas ocorrem e o que estão nos dizendo a todo momento. Não existem emoções positivas ou negativas porque todas são igualmente importantes. Mas sempre é necessário identificar sua intensidade para agir de acordo.

Competência social

Embora no ponto anterior tenhamos mencionado algumas delas, existem algumas habilidades sociais que também são necessárias dentro das habilidades emocionais. São as seguintes:

  • Assertividade. Defender seus próprios sentimentos e pensamentos sem magoar os outros.
  • Escuta ativa. Saber ouvir sem interromper e com compressão.
  • Empatia. Saber se colocar no lugar dos outros, entender suas emoções.
  • Comunicação. Comunicar-se corretamente.
  • Resolução de problemas. Ser capaz de encontrar soluções sem focar apenas nos problemas.
  • Pensamento crítico Tenha seu próprio pensamento sem ser manipulado por outras pessoas sob nenhuma circunstância.
  • Conduta adequada. Saber ser e saber estar em sociedade.
Mãe ouvindo o filho com empatia.

Técnicas para melhorar as habilidades emocionais

As habilidades sociais devem ser aprendidas e, para isso, como pai ou mãe, você deve fazer a sua parte para que seus filhos as internalizem. Para isso, você pode levar em consideração os seguintes aspectos:

  • Fazer encenações interpretando distintos papéis em família para que as crianças aprendam as normas sociais.
  • Ser um bom exemplo a seguir para que seus filhos imitem. Lembre-se de que eles estão sempre observando você.
  • Promover experiências para que os pequenos coloquem em prática essas habilidades e as internalizem com a prática e com o passar do tempo.

Em geral, todas essas habilidades sociais e pessoais se transformam em habilidades socioemocionais que nos fazem ser mais competentes com os outros e conosco mesmos. Somos seres sociais e as relações positivas com os outros são os aspectos que nos farão sentir bem no presente e no futuro.

Pode interessar a você...
O que é a estimulação socioemocional?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
O que é a estimulação socioemocional?

O desenvolvimento socioemocional da criança começa nos primeiros dias de vida e vai depender da sua relação com o exterior e com as outras pessoas.



  • Lantieri, L.; Goleman, D. (2009) Inteligencia emocional infantil y juvenil: Ejercicios para cultivar la fortaleza interior en niños y jóvenes. Editorial: Aguilar.
  • Salovey, P., & Mayer, J. (1990). Inteligencia emocional. Imaginación, conocimiento y personalidad9(3), 185-211. https://d1wqtxts1xzle7.cloudfront.net/40394256/Inteligencia_emocional_wiki-with-cover-page-v2.pdf?Expires=1623317867&Signature=bCqm9nloI9mnUCsvScmO3LdJfRMW1S-c-MP6efWt88q-VfW3tdPGdQ1HiosWEv-gE~HF3z~HQ4uW8hRddj4GmQ6pOXDyt5NBaiqlOY8jHWAJYb1qXnumlUhGMHaFVyWtLzqkUNttYe0nZstAzDW1mCC8-uFV7eXHSZKVaQjUlcL87qPrpNo0eOJ77tOVdLCh~V1ioLqLH7TmLh04eGgB6wWOeBqCXcRlWizIeg-9c8vO7YZSFZrOtZIf-Wo~KqvbUvu5tsQeIGuhMKBrtZp5JfWfVZwBh2JtyWvsPlLIohsrxi3OBXVWnLgfI~MrIRgIqT1D3Bkw2L~ZtnpKOzWIxA__&Key-Pair-Id=APKAJLOHF5GGSLRBV4ZA
  • Lacunza, A. B., & de González, N. C. (2011). Las habilidades sociales en niños y adolescentes. Su importancia en la prevención de trastornos psicopatológicos. Fundamentos en humanidades12(23), 159-182. https://www.redalyc.org/pdf/184/18424417009.pdf