O desenvolvimento do autoconceito nas crianças

13 Março, 2018
O autoconceito é uma crença razoalvelmente objetiva que podemos colocar em palavras para nos descrever frente aos outros. Construímos nosso autoconceito desde pequenos, com1 cada uma das experiências e interações que acontecem em nosso dia a dia.

O autoconceito é, basicamente, a imagem ou a percepção que uma pessoa tem de si mesma. Diferente da autoestima, este pode ser exteriorizado por meio de palavras.

Como quase todas as características da personalidade humana, o autoconceito é formado desde cedo. Por isso, o autoconceito nas crianças é algo que merece a nossa atenção.

Quando você diz para outras pessoas frases como “sou preguiçoso”, “sou bom em matemática” ou “eu me considero uma pessoa tolerante às diferenças”, não está fazendo mais do que expressar a sua visão sobre si mesmo. Ou seja, seu autoconceito.

Este se forma através dos diferentes conceitos sobre as características e as capacidades que você vai adquirindo ao longo de sua vida. Estas avaliações são descobertas através da relação com o meio.

À medida que surgem novos desafios e quando nos relacionamentos com as pessoas, nos damos conta de nossos pontos fortes e fracos.

Muitas pessoas supervalorizam o que não são e subvalorizam o que são.

– Malcolm S. Forbes –

Diferença entre autoconceito e autoestima

Vale a pena fazer uma distinção entre esses termos, frequentemente confundidos. O autoconceito é uma crença razoavelmente objetiva que podemos colocar em palavras pra nos descrever para os outros.

A autoestima, em contrapartida, é uma avaliação pessoal que não é expressada em palavras. Para dar um exemplo concreto, podemos dizer “sou um bom atleta”, mas não podemos explicar a carga emocional que isso gera em nossa personalidade.

Como se forma o autoconceito nas crianças?

Como apontamos previamente, o autoconceito é uma construção paulatina que começa na infância. O primeiro “espelho” no qual a criança se observa para se avaliar é a família. Por isso é tão importante que os pais sejam cuidadosos com as críticas e sensatos com os elogios.

Estas são algumas recomendações que podem ser seguidas para uma formação correta de autoconceito:

  • Aponte virtudes em público e corrija no privado. Reitere as conquistas, as atitudes positivas e as habilidades que se destacam para que a confiança da criança aumente. Assim, criaremos uma pessoa capaz e segura de si mesma. Se há algo ruim para dizer, procure fazer isso em casa.
  • Destaque o que ela fez em particular. Cada pessoa é única e tem suas particularidades. Ensine que todos temos algo que nos faz ser quem somos e o que devemos saber valorizar.
  • Estimule a capacidade crítica. Em vez de dar soluções a tudo, fomente a capacidade de encontrá-las por conta própria. Ensine a criança a questionar, formar sua opinião e assumir uma postura sobre um tema. Ela vai se sentir muito mais independente ao conseguir fazer isso.
  • Escute a opinião da criança. É importante para o autoconceito nas crianças saber que sua palavra conta e é considerada. Do contrário, se formará nela a crença de que sua voz não merece ser respeitada.

A escola, o segundo cenário de construção do autoconceito

Assim como a família é o primeiro elo da extensa cadeia que é a vida social de uma pessoa, a escola é o segundo.

Nesse ambiente, a criança estabelece suas primeiras conexões independentes com o mundo exterior. É onde ela se relaciona por conta própria com as outras crianças.

Por isso, a escola também é um âmbito onde o autoconceito nas crianças adquire sua forma. Isso ocorre através da realização das seguintes atividades:

  • Comparação entre as capacidades dos demais alunos e as suas.
  • Interação e retroalimentação com seus companheiros.
  • Avaliação que a professora faz da criança.
  • Realização das atividades demandadas da forma esperada.

Por que a formação do autoconceito é importante?

A imagem que uma pessoa tem de si mesma vai determinar sua atitude em muitos aspectos da vida. Desde o trabalho ao social, incluindo até aspectos como a sexualidade, serão influenciados pelo quanto nos sentimos capazes de fazer algo ou de obter sucesso.

Quem tem um autoconceito ruim apresenta problemas nas relações sociais, na manifestação de seus sentimentos e também no rendimento educativo ou no trabalho. Inclusive, em casos graves podem se gerar quadros de depressão.

O autoconceito é um fator chave da personalidade da pessoa. Se a percepção de si mesma for positiva, no futuro será uma pessoa otimista e confiante de suas possibilidades. Além disso, terá assertividade e inclusive poderá surgir como líder de um grupo.

Se, em contrapartida, as experiências e as avaliações externas formarem um autoconceito deficiente, a criança crescerá desconfiando de suas aptidões. Isso poderia gerar uma autoestima baixa, que produziria diversos efeitos negativos no decorrer de sua vida.

Você é muito poderoso, desde que saiba o quão poderoso você é.

– Yogi Bhajan –

Em conclusão, podemos estabelecer que um dos melhores favores que os pais podem fazer é colaborar com o gerenciamento do autoconceito nas crianças. Um simples gesto ou uma palavra de apoio, ainda que seja uma vez por dia, podem formar na criança uma sensação de determinação para conseguir atingir os objetivos planejados.