O efeito analgésico da amamentação

· 20 de novembro de 2018
De acordo com a experiência de alguns profissionais de saúde, o peito de mamãe é o melhor calmante quando os bebês tomam vacinas ou precisam ser submetidos a determinados tratamentos.

Você sabia que o saio da mãe também tem a função de acalmar o bebê? Neste artigo, vamos falar um pouco mais sobre o efeito analgésico da amamentação.

Por muitos anos, o momento de dar uma vacina no bebê foi doloroso. Era difícil tornar o momento menos doloroso e traumático.

Entretanto, alguns especialistas consideravam que, por serem bebês, seus cérebros não conseguiam identificar nem sentir a dor, o que não é verdade.

No entanto, atualmente tem sido colocada em prática uma solução brilhante. Na verdade, a amamentação pode ajudar a aliviar a dor nos bebês. Inclusive, pode fazer com que não sintam.

De fato, o efeito analgésico da amamentação já foi comprovado pela fisiologia da dor através de estudos.

Como o efeito analgésico da amamentação funciona?

efeito analgésico da amamentação

É falsa a ideia de que o bebê não pode sentir dor. Estudos recentes revelaram que seus cérebros são maduros o suficiente para processar estímulos relacionados a essa sensação.

As lágrimas são reais, o medo e a inquietação têm fundamentos. Por esta razão, foi cientificamente comprovado que o efeito analgésico da amamentação funciona para acalmar a dor ao bebê.

De acordo com um relatório da OMS, este método oferece conforto e alívio efetivos por diversas razões.

Não se trata de uma solução mágica, mas funciona porque se concentra em um processo significativo para o bebê. Talvez ele possa chegar a chorar, mas não irá se sentir desconsolado porque está na posição mais segura para ele.

Da mesma forma, a amamentação traz a sensação de alívio por conta própria. O bebê estará saciando a sede e praticando um instinto milenar.

Acredita-se que mãe e filho se desconectam durante a amamentação, inclusive fala-se sobre o cérebro embaçado da mãe.

Isto é, enquanto a mãe dá o peito, seu cérebro entra em uma espécie de pausa, o que a impede de processar a informação de maneira normal.

Com o bebê, acontece algo parecido e talvez mais intenso. Enquanto está sendo amamentado, ele está totalmente focado nessa função.

A sucção gera endorfina, que, por sua vez, produz uma sensação agradável. Podemos tentar distraí-lo, mas certamente ele permanecerá em sua tarefa. Além disso, ele é capaz de relaxar o suficiente para tirar uma soneca.

efeito analgésico da amamentação

O leite materno também tem sua função no efeito analgésico da amamentação. Contém lactose, o que ajuda na produção e liberação de substâncias que produzem alívio.

Ao mesmo tempo, também contém glicose que serve para acalmar o bebê, devido ao seu efeito calmante.

Outras formas de administrar o efeito analgésico da amamentação

Como é de se esperar, esta solução não é aplicável em todos os casos. A hora de tirar uma amostra de sangue, tomar medicamentos ou aplicar vacinas nas crianças nem sempre é propícia para a amamentação.

No entanto, a OMS desenvolveu uma série de recomendações regidas pelo mesmo princípio.

Nesse sentido, os especialistas explicam uma variante conhecida como “mãenestesia”. A mãenestesia, não é nada além do que o método universal para acalmar o bebê: o colo da mãe.

Os braços da mãe parecem proporcionar um alívio imediato. Por isso, é uma alternativa nesses casos.

Se não podemos dar de mamar, seja porque não amamentamos ou porque as condições não são propícias, as seguintes recomendações podem ajudar:

  • É conveniente que a mãe, os cuidadores ou a pessoa de confiança da criança estejam presentes antes, durante e depois de aplicar a vacina ou o tratamento. De modo algum é recomendável que a criança seja enganada ou deixada sozinha com o pessoal médico.
  • Se o bebê mama, mas não é possível amamentar naquele momento, é aconselhável dar de mamar antes e depois de receber a injeção ou o tratamento.
  • Em crianças não lactentes, o colo da mãe é uma alternativa efetiva. Da mesma forma, recomenda-se distraí-las com algum brinquedo ou com o celular.

O peito da mãe não apenas proporciona comida ao bebê, mas também calor, carinho e conexão com a mãe.

Sem dúvida, quando o bebê mama, está recebendo todo o abrigo e a proteção de que precisa, além de ser um processo alimentar.

Este método promove um vínculo capaz de aliviar medos e dores. Por esse motivo, é amplamente aprovado e aceito.