O mecônio nos recém-nascidos

26 de fevereiro de 2018
O mecônio costuma assustar muitos pais, especialmente quando é visto pela primeira vez. No entanto, é algo natural.

O mecônio é a primeira excreção do bebê pouco tempo depois do seu nascimento. Geralmente pode ocorrer num período de 48 horas.

Vale frisar que o mecônio é composto por células epiteliais dos intestinos, água, lanugo, líquido amniótico e bile. Em suma são fezes pegajosas e de cor verde escuro.

O mecônio e sua expulsão no líquido amniótico

Enquanto estava na barriga da mãe, o bebê inalava líquido amniótico. Todos os componentes dissolvidos nessa substância se acumulam nos intestinos do feto e formam o mecônio.

Depois de nascer, o mecônio é expelido pelo ânus e não causa nenhum tipo de problema. Ao contrário, está relacionado à expulsão dos primeiros resíduos que não são mais necessários para o organismo.

“No entanto, quando algo aconteceu com o feto, antes ou durante o parto, o bebê pode ter contrações intestinais que farão que seu esfíncter anal se relaxe e permita a saída do mecônio ao líquido amniótico.”

Quando o parto não ocorre a tempo e o mecônio chega até os pulmões do feto, tem lugar uma complicação médica denominada: síndrome de aspiração de mecônio.

O mecônio nos recém-nascidos

Síndrome de aspiração de mecônio

A síndrome de aspiração de mecônio (SAM) é uma dificuldade respiratória aguda que acontece quando o bebê absorve o mecônio dissolvido no líquido amniótico e este chega aos seus pulmões. A quantidade e a consistência do mecônio absorvido afetarão em maior ou menor medida o bebê.

Entre as causas mais comuns que permitem isso estão:

  • Pré-eclâmpsia.
  • O tabagismo.
  • Insuficiência placentária.
  • Retardo no crescimento do feto.
  • Prolapso do cordão umbilical.
  • Doenças respiratórias da mãe.
  • Transtornos cardiovasculares da mulher.
  • Corioamnionite (infecção do líquido amniótico).
  • Escassez de líquido amniótico.
  • Desprendimento prematuro da placenta.
  • A permanência prolongada do feto dentro da barriga da mãe (nascimento depois da data do parto).

Prevenir a síndrome de aspiração de mecônio pode ser difícil. Na verdade o único modo de conseguir isso consiste em evitar os hábitos nocivos para a saúde (como o tabagismo e o alcoolismo) e manter um controle médico rigoroso.

Para reduzir os efeitos dessa urgência o tratamento deve começar desde o momento do parto já que apenas assim se pode evitar complicações que conduzam a uma hipertensão pulmonar ou dano cerebral na criança.

Tenha em mente o tempo

A saída prematura do mecônio também está relacionada com uma complicação. Essa situação acontece quando o feto ainda se encontra dentro da placenta e o mecônio é expulso. Por outro lado, os atrasos na excreção depois de nascer devem ser acompanhados com atenção.

Foi comprovado que a demora dessa excreção tem relação com doenças como fibrose cística ou o íleo meconial (perfuração dos intestinos). Por isso, se o bebê não defeca, depois de transcorrido as 48 horas normais, é preciso consultar o pediatra o mais rápido possível.

O mecônio nos recém-nascidos

Como limpar o mecônio

A limpeza do mecônio requer um pouco mais de cuidado que o resto das fezes. Já que têm um consistência pegajosa, se adere com força à pele e isso dificulta sua limpeza. No entanto, não é preciso perder a calma.

O procedimento para retirar o mecônio deve ser delicado. Os passos a seguir devem ser os seguintes:

  1. Retire com cuidado a fralda. Para evitar que o bebê manche as costas, é preciso segurá-lo com cuidado pelos tornozelos e levantá-lo um pouco para deslizar a fralda suja fora da área.
  2. Uma vez que você tenha retirado a fralda, recomenda-se lavar o bebê com água morna, da cintura para baixo. Dessa forma, você poderá retirar grande parte do excesso de fezes sem esfregar muito a pele do bebê.
  3. Seque com toalhas úmidas. Pouco a pouco. Não é preciso esfregar muito porque você pode irritar a pele do recém-nascido.
  4. Tenha em mente que a limpeza dos genitais deve ser feita de frente para trás. Nunca ao contrário, já que é possível causar uma infecção.
  5. Caso alguns fragmentos de mecônio não se desprendam totalmente, você deve deixá-los ali, já que o mecônio faz menos dano a pele do bebê que a irritação que pode gerar devido a insistência de limpar o local.

O mecônio é desagradável à primeira vista. Também é difícil de limpar, mas sua presença dará a certeza de que o sistema intestinal do bebê funciona bem.

  • García, J. O., Gallardo, D. C., i Tortajada, J. F., Macián, A. M., & Grimalt, J. O. (2004). Meconio y exposición prenatal a neurotóxicos. Revista Española de, 60(4), 291-296. https://www.seinap.es/wp-content/uploads/Revista-de-Pediatria/2004/REP%2060-4.pdf#page=29
  • Malagón, G. M., Martínez, C. A., Castillo, K., Delfín, L., Cruz, E., & Paniagua, M. E. (2008). Síndrome de aspiración de meconio. Lavado traqueobronquial con surfactante y administración de éste como reemplazo. Reporte de caso. Revista Mexicana de Pediatría, 75(6), 270-276.
  • Quintero-Villegas, L., Rodríguez-Balderrama, I., & de la O-Cavazos, M. (2012). Incidencia y morbimortalidad del recién nacido con síndrome de aspiración de meconio en un hospital de tercer nivel. Medicina Universitaria, 14(57), 205-10. http://www.medicina.uanl.mx/educacioncontinua/wp-content/uploads/2015/05/MEDICINA_UNIVERSITARIA_57.pdf#page=29
  • Valdés Moreno, J., Cardellá Rosales, L., Gómez Álvarez, A. M., & Rojas Palacios, G. (2002). Determinación de variables metabólicas en recién nacidos con presencia de meconio en el líquido amniótico. Revista Cubana de Investigaciones Biomédicas, 21(4), 248-252.