O que é a fecundação heteropaternal?

05 Agosto, 2018

Se você tem curiosidade em saber do que se trata a fecundação heteropaternal, recomendamos que você continue lendo este artigo. Você vai se surpreender ao saber que é um processo realmente pouco comum, embora incrível. Para que esse tipo de fecundação aconteça, devem estar presentes vários fatores, entre eles a hiperovulação da mulher.

A fecundação heteropaternal também é conhecida como fecundação múltipla e se trata da fertilização de mais de um óvulo durante o mesmo ciclo. Ou seja, dois óvulos são fecundados por espermatozoides de homens diferentes, o que significa que será uma gravidez de gêmeos que não são filhos do mesmo pai.

Por outro lado, devemos nos lembrar de que a hiperovulação é uma condição que provoca a liberação de dois ou mais óvulos por ciclo. Outro processo necessário é a superfetação e, por fim, a intervenção de pelo menos dois parceiros sexuais.

Também é possível que dois períodos ovulatórios ocorram imediatamente um após o outro. Nesse sentido, pode acontecer de uma mulher, cujo óvulo já foi fecundado, ovular novamente e ter seu óvulo fecundado mais uma vez. Esse processo é conhecido como superfetação.

Quando a superfetação ocorre também é possível que ambos os bebês tenham o mesmo pai. Também é possível que a mulher libere mais de um óvulo e que apenas um seja fecundado ou que não ocorra a fertilização de nenhum dos óvulos. Enfim, há vários cenários possíveis para esse tipo de fecundação.

Como acontece a superfetação?

Uma mulher pode estar ovulando com mais frequência do que o normal. Embora seja um processo irregular, pode ocorrer de maneira natural. Em outras palavras, a mulher fica grávida apesar de já estar nessa condição. Sim, é como se ela ficasse grávida duas vezes no mesmo período de gestação.

gêmes dormindo juntos na cama

Na verdade, trata-se de uma situação inconscientemente ignorada pela maioria das pessoas. No entanto, o processo de superfetação faz com que seja completamente possível.

Quando uma mulher está sendo submetida a tratamentos de fertilidade, certamente a estimulação é realizada por meio de hormônios. Tais hormônios sintéticos a ajudam a amadurecer mais óvulos. Quanto mais óvulos forem liberados, mais chances de conseguir engravidar. 

Acredita-se que aproximadamente 1 de cada 13 mil fecundações pode resultar em superfetação heteropaternal

Os especialistas identificam uma superfetação quando descobrem que os fetos apresentam idades gestacionais diferentes. Ou seja, um dos fetos terá características diferentes em relação ao outro, podendo estar mais ou menos desenvolvido. Embora isso possa ser constatado quando ainda estão na barriga da mãe, também pode ser percebido após o parto.

médico analisando ultrassonografia com suspeita de fecundação heteropaternal

Casos de fecundação heteropaternal

Para que ocorra o fenômenos da fecundação heteropaternal vários fatores são necessários. Por esse motivo é pouco, pouquíssimo comum que isso ocorra espontaneamente. Geralmente é um procedimento supervisionado por uma equipe médica e por profissionais da saúde.

Em geral, a superfetação ocorre em poucos dias. Ou seja, dois óvulos são liberados simultaneamente ou com poucas horas de diferença. É por isso que na maioria dos casos as diferenças comecem a ser notadas à medida que os fetos crescem.

Os casos de fecundação heteropaternal conhecidos, na sua maioria, resultaram ser produto de frequentes relações sexuais com diferentes parceiros. Seja por infidelidade, poligamia ou poliamor, estupros, etc…

Há menos de 10 casos conhecidos de gêmeos de diferentes pais no mundo. É possível que existam outros casos, mas os pais e/ou os gêmeos não têm consciência disso ou não desejam fornecer mais informações sobre seus casos.

–Dinh Le Luong. Associação Genética do Vietnã-

Caso “A”

No ano de 2009, um estadunidense descobriu que um dos seus gêmeos não era seu filho. O casal começou a notar diferenças marcantes entre seus filhos e, por isso decidiram realizar um teste de DNA. Por fim a mãe explicou que tinha tido relações sexuais com outro homem no mesmo período.

Caso “B”

Às vezes a notícia é revelada imediatamente. Por exemplo, ao nascer, sabe-se que a idade gestacional dos bebês é diferente. Esse foi o caso de um casal vietnamita, cujos gêmeos eram tão diferentes que o teste de DNA foi obrigatório para confirmar a suspeita.

Quando gêmeos tão diferentes nascem o mais provável é pensar que um dos bebês foi trocado no hospital, em vez de se pensar que não são filhos do mesmo pai. Por isso, como dizem os especialistas, talvez seja uma situação mais frequente do que se imagina, mas os pais não têm consciência do fato.