O que é o parto empelicado?

02 Dezembro, 2017

Quando falamos de um parto empelicado podem surgir diferentes reações. Aqueles que não conhecem o termo podem imaginar que seja uma anomalia ou um transtorno que ocorre durante o nascimento de um bebê. Por outro lado, aqueles que já ouviram essa expressão talvez considerem o parto empelicado um acontecimento cercado de misticismo.

Se você não se encaixa em nenhuma dessas categorias e prefere pesquisar em vez de dar asas à sua imaginação, continue lendo este artigo pois lhe explicaremos exatamente do que se trata esse parto.

Embora ocorra muito raramente, o parto empelicado pode acontecer como qualquer outro fenômeno incomum que possa ocorrer durante o nascimento de um bebê.

O parto empelicado não tem nenhuma implicação diversa ao normal nem para a mãe nem para o seu bebê. Para os médicos que testemunham esse acontecimento, no entanto, é algo mágico.

O que é o parto empelicado?

É conhecido como parto empelicado quando o bebê sai do útero (geralmente através do canal de parto) envolto no saco amniótico intacto.

Ao contrário do que geralmente acontece em um parto comum, no parto empelicado a bolsa não rompe antes do nascimento. Quem testemunha este tipo de parto tem a oportunidade de ver o bebê no líquido amniótico por alguns segundos, como se ele ainda estivesse dentro do ventre de sua mãe.

Feto na bolsa amniótica e o parto empelicado

O fato de nascer já é um presente para ser feliz e se sentir afortunado ao longo da vida toda. Quem desfruta da vida, também desfruta de tudo o que ela tem para oferecer.

O parto empelicado pode trazer algum perigo para o bebê?

O bebê não corre nenhum tipo de perigo desde que a bolsa for rompida pelos médicos alguns instantes após o nascimento para cortar o cordão umbilical e permitir a respiração.

Qualquer condição que o bebê possa vir a ter no nascimento é independente do fato de o parto ser empelicado ou não. Poderia ocorrer o mesmo se o saco amniótico tivesse se rompido antes do parto.

Esse acontecimento oferece algum benefício para o recém-nascido?

Na verdade, não. Antigamente acreditava-se que nascer dentro do líquido amniótico protegia a criança da ação de agentes patogênicos externos por mais tempo. Porém, hoje em dia sabe-se que isso não passa de um mito.

Além disso, o tempo que o bebê permanece fora do útero dentro do saco amniótico é extremamente curto e a película que o cobre por alguns segundos não é capaz de imunizar contra infecções que possa infectá-lo posteriormente.

O bebê nasce com a bolsa amniótica intacta: o parto empelicado

Com que frequência ocorre um parto empelicado?

O nascimento empelicado é muito raro. Geralmente a bolsa rompe antes do parto e é um dos sinais para a mãe saber que o momento do parto chegou.

O parto empelicado é muito mais comum quando ocorre um parto vaginal natural em comparação ao parto por cesárea.

O nascimento de um ser humano, não importa qual seja e como seja, é um dos eventos mais incríveis do universo.

Por que algumas pessoas consideram esse tipo de nascimento mágico?

Há pessoas que atribuem até mesmo um toque religioso a esse tipo de nascimento. Isto se deve, precisamente, à pouca frequência com a qual ocorre. Aqueles que testemunham o parto empelicado sentem como se estivessem dentro do útero materno por um momento. Eles têm a oportunidade de contemplar e apreciar o comportamento de um bebê que, poderia se dizer, ainda não “nasceu”.

Diz-se que o parto empelicado é um evento extraordinário e incomparável. Um momento em que o início da vida de um ser humano pode ser visto de forma clara.

Anteriormente acreditava-se (e algumas culturas ainda acreditam) que um bebê nascido dessa maneira teria uma proteção espiritual no futuro. Então, a partir do momento em que nasce ele já é extremamente abençoado. No entanto, hoje se sabe que o parto empelicado não é nada mais do que de um capricho da ciência. Um evento que, por ser tão curioso, pode produzir superstições e opiniões de todos os tipos.

  • Vázquez Lara JM, Rodríguez Díaz L, Palomo Gómez R, Romeu Martínez M, Jiménez García MA, Pérez Marón S, Rivero Gutiérrez C, Riesco González FJ, Arroyo Molina JA, Martínez AlsinaN, Vega Gómez M, Vázquez Lara MD RDD. Manual Básico de Obstetricia y Ginecología.; 2014. http://publicacionesoficiales.boe.es/
  • Vivas D. Obstetricia y Ginecologia.Guia de Actuacion. (Panamericana EM, ed.).; 2014. http://www.circulomedicodezarate.org/e-books/Obstetricia-Ginecologia-Guia-de-Actuacion.pdf