Como prevenir um parto prematuro

· 18 de setembro de 2017

Um dos maiores medos de uma mãe durante a gravidez é ter um parto prematuro, isso principalmente devido aos problemas que isso pode trazer à saúde do bebê.

Se seu bebê nasce antes do tempo, as chances de acontecerem complicações médicas aumentam em grande medida. Dependendo de quantas semanas você estiver grávida, o bebê corre o risco de nascer com deficiência em alguns órgãos e, principalmente, no sistema respiratório.

Hoje em dia, graças aos avanços da ciência, os bebês prematuros têm cada vez mais chances de sobreviver. Paralelamente a isso, existem várias medidas que podem ajudar a diminuir os riscos de ter um parto prematuro.

O cuidado pré-natal pode reduzir os riscos de um parto prematuro

parto prematuro

Assim que você souber que está grávida é indispensável consultar seu médico para dar início ao processo de cuidado pré-natal

Realizar constantes check-ups vai permitir acompanhar sua saúde e o desenvolvimento do seu bebê, para assim poder detectar qualquer eventualidade e resolvê-la o mais rápido possível.

O lado bom de quando o médico consegue determinar com antecedência que você corre o risco de ter um parto prematuro é que você pode se preparar da melhor maneira para encará-lo.

Normalmente, a primeira coisa que o médico receita é um tratamento com corticosteroides que contribuirão para o amadurecimento precoce dos pulmões do bebê. Isso diminui o risco de infecções e complicações para o bebê no momento do nascimento.

Aumente o consumo de ferro e ácido fólico

Estudos da Organização Mundial da Saúde mostram que a deficiência de ferro e ácido fólico nas mulheres grávidas aumenta o risco de partos prematuros.

A falta de alimentos ricos em ferro e ácido fólico e o baixo consumo de vitaminas prescritas em forma de complementos alimentícios podem levar a diferentes formas de anemia que aceleram os processos do parto.

Saber as doses e as quantidades ideais de ferro e ácido fólico que você deve consumir é essencial para a prevenção de um nascimento prematuro.

Controlar o peso ajuda a prevenir partos prematuros

parto prematuro

É um fato que as mulheres com sobrepeso ou muito magras apresentam mais riscos de sofrer um parto prematuro, principalmente devido a problemas associados com uma alimentação ruim ou com excessos.

Quando uma grávida tem distúrbios alimentícios o bebê que está sendo gerado também sofre as consequências negativas desse distúrbio.

Uma alimentação balanceada e de acordo com o que foi estabelecido pelo médico pode prevenir problemas de hipertensão, triglicérides, hemoglobina e colesterol, os quais afetam diretamente o desenvolvimento da placenta e a formação do bebê.

O amor à primeira vista é o amor que você sente pelo seu bebê

-Anônimo-

Proibido o consumo de drogas e álcool

Pode parecer que é evidente ou que não é preciso dizer que o consumo de drogas e álcool afeta a formação do bebê, e induz a um parto prematuro.

No entanto, ao contrário do que muita gente imagina, as estatísticas mostram que existe uma alta porcentagem de mulheres que ignoram essas advertências.

Tanto o consumo de álcool quanto o de drogas afetam significativamente a formação do bebê e do seu sistema nervoso. Além disso, também podem provocar anomalias na formação de órgãos que podem deixar consequência para a vida toda.

Não fumar é essencial para ter um parto a termo

Assim como as drogas e o álcool, o cigarro está vetado para mulheres grávidas por ser altamente prejudicial para o corpo da mãe e, consequentemente, do bebê também.

Ao fumar, os componentes tóxicos do cigarro são transferidos para o sistema sanguíneo da mãe, que tem a importante função de levar oxigênio ao bebê.

Como consequência disso, a placenta diminui de tamanho durante sua formação. Por esse motivo, o bebê pode nascer antes do tempo ou, no pior dos casos, sem vida.

Além do parto prematuro, os pulmões do bebê também podem ser afetados e a função cerebral pode ser prejudicada por toda a vida, produzindo transtornos de aprendizado ou motores.

Dados extras

  • Quando uma mulher decide engravidar como um ato consciente e planejado, o risco de nascimento prematuro se reduz.
  • O risco de nascimentos prematuros também aumenta nas mulheres com menos de 17 anos ou com mais de 35. Por isso, as conhecidas gravidezes não desejadas na adolescência também são fatores de risco.
  • É preciso se manter sempre hidratada. Não tomar água pode provocar contrações, o que pode adiantar o parto.
  • Se passou menos de nove meses entre seu último parto e o início da seguinte gravidez, há chances de um parto prematuro.
  • Mantenha seu corpo saudável e uma dieta equilibrada.
  • Faça exercícios para evitar complicações como a pré-eclâmpsia ou a diabetes gestacional. Essas duas situações podem fazer com que um parto prematuro seja necessário.

Conheça os sintomas e os sinais de um parto prematuro que incluem: mais de cinco contrações por hora, sangue saindo da vagina, mãos e rosto inchados, dor ao urinar, vômito frequente, dor intensa na parte inferior das costas e pressão na pélvis, entre outros.