O vínculo com meu filho não nasce por ter o mesmo sangue: vem da alma

O laço mais intenso e autêntico surge por meio do apego, dos olhares, dos carinhos, da criação em fogo baixo, da paciência a passos de tartaruga e dessa intimidade que nos faz mães, que nos faz pais.
O vínculo com meu filho não nasce por ter o mesmo sangue: vem da alma

Última atualização: 26 Dezembro, 2018

O vínculo com os filhos não existe porque temos o mesmo sangue nem por causa do código genético que nos situa na mesma árvore genealógica.

Muitas das nossas leitoras que realizaram o maravilhoso ato da adoção vão entender, sem dúvida, que o fato de não ter carregado seu bebê na própria barriga não faz com que esse bebê seja menos filho, não o faz ser menos digno de ser amado.

Porque o amor não se cria. O amor, em primeiro lugar, se constrói e é assim que nos legitimamos como pais, sendo sensatos na criação e na educação, estando próximos dos nossos filhos, sendo hábeis e respeitosos com essa pequena vida que, sem dúvida, merece tudo.

Por sua vez, e não menos importante, convém relembrar que a construção do vínculo com os nossos pequenos é fundamental para estabelecer as bases dessa arquitetura psíquica e emocional que é a autoestima.

Um vínculo saudável, forte e seguro é como uma aliança de afetos, na qual nós somos as primeiras referências, as pessoas especiais que ajudarão as crianças a fazerem parte do mundo e se sentirem dignas de amor.

Em Sou Mamãe falamos um pouco sobre isso.

Nosso vínculo: amo você por você ser quem é, não pelo que faz

o vínculo com

Nós amamos nossos filhos simplesmente porque são eles. Adoramos o jeito que respiram e aqueles olhos nos quais nos vemos refletidos todos os dias.

Cuidamos deles porque sentimos que são uma parte indispensável do nosso coração, uma linda parte da nossa vida, o ser mais perfeito que habita esse mundo e pelo qual daríamos qualquer coisa.

É assim que se entende esse amor real e sem condições, esse que nunca dirá a um filho “se você errar, a mamãe não vai amar mais você” ou “como você continua agindo assim, vou amar você menos do que amo seu irmão”.

Esse tipo de frases e de abordagem educacional machucam e deixam sequelas. Não é dessa maneira que se constrói um vínculo digno, no qual nós somos merecedores dos nossos filhos.

O vínculo criado com nossos pais é algo que sempre nos define

Vamos fazer um pequeno ato de reflexão, de autoanálise. Como é o vínculo que construímos com nossos pais?

Eles nos fizeram nos sentir seguros? Nos ofereceram segurança e a sensação de que éramos importantes? De que merecíamos o melhor? De que éramos dignos de conseguir o que desejássemos?

Por mais curioso que pareça, este costuma ser o principal problema que as pessoas têm ao longo da vida: perceber que alguma coisa estava errada nas bases da nossa criação, notar que há pontos soltos nessa costura que foi a nossa autoestima quando crianças.

É por isso que, chegado o momento em que nos tornamos mães, em que nos tornamos pais, fazemos uma profunda reflexão sobre esse vínculo que tivemos – e ainda temos com nossos progenitores – para dizer a nós mesmos que faremos melhor que eles.

O tipo de vínculo que terei com meu filho será seguro, forte e vai vir da minha alma

o vínculo com

O vínculo autêntico entre uma mãe e seu filho, entre um bebê e seu pai, é como um cordão umbilical através do qual se transmite o alimento do afeto, da consideração, do cuidado, da dedicação e do amor mais nutritivo.

No entanto, e devemos ter consciência disso, nem sempre “por muito amar agimos corretamente”. Ou seja, não basta amar uma criança para oferecer um vínculo forte e seguro, é preciso fazer da melhor maneira.

Por isso, é interessante relembrar aqui os trabalho de Mary Ainsworth, uma psicóloga estadunidense e colaboradora nos estudos de John Bowlby sobre o apego, quem diferenciou três tipos de vínculos. São os seguintes:

O vínculo seguro

No vínculo seguro, os progenitores sabem atender as necessidades da criança, de forma que ela percebe desde cedo que eles sempre estarão disponíveis e que saberão agir frente a cada dificuldade, cada medo, cada dúvida.

Nesse tipo de vínculo predomina, acima de tudo, a confiança e a interação respeitosa, na qual a criança se sente segura para amadurecer, fazer coisas por si mesma, para ser cada vez mais autônoma ao se sentir sempre respaldada.

O vínculo inseguro

Nesse caso, os progenitores praticam o desapego, no qual o pequeno não se sente conectado com seus pais, no qual surge o medo e a dúvida.

Nesse tipo de vínculo, as necessidades não são atendidas e pouco a pouco os pequenos entendem que não vão ser ajudados porque não há uma proximidade real.

O vínculo ansioso

Falamos anteriormente que às vezes “amar muito não é agir corretamente” e aqui temos, por exemplo, as bases dessa criação tóxica na qual se restringe a autonomia da criança, na qual a proteção em excesso dificulta oportunidades de crescimento.

Há dependência mútua entre os pais e os filhos. Um apego irracional, no qual não há confiança e tudo é confuso.

A criança pode sentir medo de ser repreendida ao começar algo sozinha, e os pais não oferecem ferramentas para a autonomia.

É um vínculo inseguro que, sem dúvida, devemos evitar para nos focar apenas nessa relação e na criação que permitirá à criança construir uma boa autoestima, que nos unirá de forma intensa, mas respeitando os espaços de crescimento e de oportunidade.

Vamos, portanto, cultivar esse amor que nasce da alma e que sabe deixar os filhos livres quando o momento chegar.

Pode interessar a você...
7 formas de se conectar com seu filho
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
7 formas de se conectar com seu filho

Para se conectar com seu filho, você precisa de tempo. Todas as vezes que você conseguir administrar seu tempo, será mais fácil se dedicar por comp...



  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.