Por que eu só tenho meninas?

· 29 de março de 2019
Muitos pais e mães se perguntam por que eles só têm meninas devido à predominância do sexo feminino na família. Embora não haja uma certeza, existem algumas razões que ainda estão sendo discutidas pelos especialistas. Você quer saber quais são elas?

Uma das coisas mais agradáveis da gravidez é saber o sexo do bebê. Embora isso carregue uma carga importante de questões, muitas pessoas usam a ideia de que o novo integrante da família seja menino ou menina para poder fazer certas atividades. A seguir, descubra porque você ‘só’ tem meninas e aproveite a paternidade ao máximo.

Do que o sexo do bebê depende?

Cromossomo 23

O sexo do bebê é determinado pelo cromossomo transportado pelo espermatozoide que consegue fertilizar o óvulo. É necessário salientar que as células do corpo são compostas por 46 cromossomos. Eles, por sua vez, são agrupados em pares (isto é, 23 pares) e, em cada par, um cromossomo é herdado do pai e o outro da mãe.

Do que o sexo do bebê depende

Os cromossomos XX são para o sexo feminino e os XY para o masculino.

No cromossomo número 23 estão as informações que determinarão o sexo da criança. Cada célula sexual carrega metade dos cromossomos (23) e, no caso do óvulo, o cromossomo 23 é um X.

No espermatozoide, o cromossomo 23 pode ser um X ou um Y. Se o óvulo for fecundado por um espermatozoide Y, o resultado será um menino, mas se for um cromossomo X, será uma menina.

O que acontece com os espermatozoides?

Se você só tem meninas, pode ser que você se pergunte se só tem espermatozoides X. Este é um assunto que ainda é discutido pelos especialistas, já que alguns apostam no acaso e outros nas condições dos espermatozoides.

No entanto, entre os motivos que podem explicar essa prevalência, estão:

Características dos espermatozoides

Acredita-se que existam diferenças entre eles em termos de velocidade, resistência e força. Os espermatozoides X são mais fortes e resistentes, porém mais lentos. Os Y são frágeis e pequenos, porém mais ágeis.

Dessa forma, ao ter relações sexuais antes da ovulação, há uma chance maior de que um espermatozoide X fecunde o óvulo, devido à sua resistência. Enquanto isso, nas relações durante a ovulação, a possibilidade de o óvulo ser fecundado por um espermatozoide Y aumenta, por causa da sua velocidade.

Existência de uma síndrome letal para o sexo masculino

Por outro lado, existe a crença de que algumas famílias possam portar uma condição que destrói o gene para um sexo específico, na sua maioria, o sexo masculino. Por isso, embora possam ser concebidos, são muito poucos os que conseguem sobreviver.

Anormalidades do esperma

Outra razão pode ser uma estranha condição do esperma que destrói os cromossomos Y. No entanto, isso ainda está sendo estudado, portanto, ainda não pode ser tomado como um fato científico.

 Vantagens de ter meninas

Vantagens de ter meninas

Independentemente do sexo, todos os pais amam seus filhos e filhas e cuidam deles com carinho e muito amor. No entanto, o fato de ter várias meninas pode ter algumas vantagens, entre as quais vale a pena destacar:

  • Para as mães: Você ganha uma amiga com possíveis interesses em comum que variam desde roupas até viagens, o que permite uma coleção de experiências positivas entre as duas. Ensine-a desde pequena a ser forte e inteligente.
  • Para os pais: Você aprende um novo papel para conseguir identificar as necessidades da sua filha, de tal forma que você se torna mais amoroso e compreensivo. Além disso, você também se torna um protetor para garantir o sucesso e a felicidade das suas meninas.

Em conclusão, o fato de você só ter meninas é determinado pelos espermatozoides X ou Y, presentes nos cromossomos do homem. No que diz respeito à predominância de algum sexo, isso pode ser obra do acaso, da condição dos espermatozoides ou ainda de anormalidades ou defeitos no sêmen.

De qualquer forma, a verdade é que ser pais de meninas traz grandes experiências e desafios que são superados com amor.

  • Audí Parera, L. (2001). Fisiología de la diferenciación sexual. In Libro Curso de Formación PostGrado:  2001 – Estados intersexuales e hipogonadismo
  • Baca, G., & Calderón, S. (2012). Desarrollo y crecimiento. General: Biol
  • Domínguez, F., & Simón, C. (2002). Impronta genómica. Cuadernos de Medicina Reproductiva