É positivo que seu filho veja você nua?

Se seu filho vir você nua, não será um trauma. Pelo contrário, pode ser uma oportunidade para falar sobre ele e suas diferenças. Saiba mais sobre o tema!
É positivo que seu filho veja você nua?

Última atualização: 19 junho, 2022

O corpo humano, em todas as suas formas, ainda é um tabu na sociedade. Em alguns casos, é até difícil dar um nome a certas partes, como os genitais. Em outros, são elogiados aqueles que apresentam uma figura esbelta (independentemente do contexto dessa magreza) e o excesso de peso de certas pessoas é criticado.

Inúmeras batalhas são travadas pelo corpo e uma delas tem a ver com uma pergunta clássica que acompanha a criação dos filhos: o que acontece se seu filho vir você nua? Para responder adequadamente essa questão, preparamos o artigo a seguir com cuidado, respeitando as nuances que evitam uma lógica simplista e, provavelmente, errônea. Você quer vir conosco?

Algumas dicas para refletir sobre os corpos

Em primeiro lugar, é importante ter em mente que as crianças não têm preconceitos ou ideias formadas sobre o corpo. O que elas aprendem sobre isso é o que recebem do ambiente. Portanto, também é um exercício importante fazer a si mesmo as seguintes perguntas: O que penso sobre meu corpo e o dos outros? Eu tenho algum ideal sobre isso? Quais ideias quero transmitir ao meu filho?

Por outro lado, embora possamos mencioná-lo no singular (“o corpo”), na realidade, é preciso reconhecer que existem diversidades corporais. Todos coincidem em uma morfologia geral, mas são diferentes e até funcionam de uma maneira particular. Apenas aceitando essa premissa é que poderemos respeitar todos os corpos igualmente.

Ao mesmo tempo, deve-se levar em conta que as necessidades e formas de interpretar ou lidar com o mundo mudam com a idade.

A partir dos 2 anos, as crianças ficam curiosas sobre as diferenças do corpo e começam a perguntar sobre elas. Essa é uma oportunidade de ouro para conversar sobre o assunto com elas, descobrir o que elas sabem ou já ouviram e fornecer as informações corretas e adequadas à idade.

No entanto, a partir dos 6 anos, costuma aparecer o pudor infantil, o desejo de intimidade e uma certa “recusa” de ser visto enquanto toma banho ou se veste. Muitas crianças dessa idade inclusive não querem compartilhar o banheiro com seus irmãos mais novos. É importante considerar isso como parte da autonomia que conquistam e respeitar seus desejos. Caso contrário, a mensagem subliminar pode ser bastante complexa.

grupo mães felizes poses bebê pós-parto confiança corporal
Todos os corpos são diferentes, embora compartilhem características comuns da espécie. Aprender a reconhecê-los como são é o primeiro passo para aceitá-los e valorizá-los.

O que acontece quando seu filho vê você nua?

Agora sim, com as dicas anteriores, podemos antecipar mais ou menos uma ideia de resposta, pois não há uma única possível.

A conotação sobre se é bom ou ruim para seu filho ver você nua é dada pelos adultos. É bom, se conseguirmos lidar com isso corretamente, se conseguirmos lidar com nossos próprios preconceitos e se conseguirmos entender essa situação.

Se seu filho vê você nua e você se mantiver tranquila, ele também vai perceber isso. Ele se sentirá seguro e confiante e não verá nada além de um corpo ao vivo e a cores.

O que acontece é que muitas vezes equiparamos a nudez à sexualização e, por isso, quando os meninos nos surpreendem nuas no quarto ficamos imediatamente preocupadas. Quando isso acontece, criamos ideias erradas sobre o corpo: como algo para esconder, para cobrir ou para se envergonhar.

Se o pai está sempre sem camisa em casa, mas a criança não pode perguntar por que ele não tem seios e a mãe tem, ou a mãe está nua mas repreende o filho se olhar para ela com curiosidade sobre seu corpo, a mensagem será diferente.

Criadas dessa forma, ambas as situações de nudez no lar não são positivas, pois trazem uma mensagem contraditória que as crianças não conseguem decifrar: “Eu me mostro, mas não explico”, “Eu pergunto, mas você fica com raiva”. Colocando em termos grotescos, você ensina à ela que “Não se fala sobre isso”.

Finalmente, se a sua pergunta se originar do medo de traumas futuros se seu filho a vir nua, a resposta é não. Não será a nudez em si que “criará” um trauma, mas a resposta que você é capaz de lhe dar, a ideia que você transmite daquela situação e as emoções que são desencadeadas a esse respeito.

Descubra o que você pensa sobre seu filho ver você nua

A nudez também tem a ver consigo mesmo, ou seja, com o fato de naturalmente (ou não) mostrar o corpo. Há muitas maneiras de ensinar sobre anatomia, então não há necessidade de se “forçar” a fazer algo com o qual não se sinta confortável.

Nessa mesma direção, é preciso explicar às crianças que todos temos o direito de decidir sobre nosso corpo, que ninguém pode decidir sobre ele se não concordarmos.

Outro ponto a considerar nesse ensinamento é que o limite é sempre o outro. Podemos não ter nenhum problema em usar roupas íntimas em casa, mas se nosso filho se incomodar, teremos que estabelecer acordos e respeitar a privacidade de todos. Por exemplo, respeite a privacidade do banheiro se a porta estiver fechada e alguém estiver dentro.

A abordagem do corpo deve ser pensada com naturalidade, como algo que devemos cuidar e respeitar, seja o nosso ou o dos outros, pois permite que nos sintamos bem e alcancemos os nossos objetivos.

Cada família deve encontrar uma forma de falar sobre sexualidade de acordo com seu estilo e sempre se reconhecendo entre seus membros. O importante é respeitar o direito das crianças de conhecer e cumprir a obrigação moral de lhes fornecer informações adequadas, de forma respeitosa e a partir de uma perspectiva abrangente, sempre mantendo uma perspectiva de diversidade.

Desenvolvimento afetivo-sexual.
A educação sexual começa em casa, na primeira infância, e estabelece as bases necessárias para um desenvolvimento saudável e pleno bem-estar para toda a vida.

Pensando a educação sexual de forma integral

Dito tudo isso, se pensarmos novamente no que alimenta o tabu social sobre o corpo, podemos dizer que é essa ideia limitada e incorreta que equipara a sexualidade ao sexo. Por isso, a nudez é vista como algo indigno e humilhante ou mesmo um risco para as crianças.

É importante destacar que a sexualidade tem uma conotação mais ampla que o sexo, pois envolve afetividade, emoções, respeito, cuidado com o corpo e gozo. Por isso, é necessário abordar a educação sexual de forma integral e desde a mais tenra idade. Pois bem, com isso vamos fornecer aos nossos filhos as ferramentas para fortalecer sua autoestima e melhorar as relações com o meio ambiente.

Pode interessar a você...
Orientação sexual na adolescência: como conversar com seus filhos
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Orientação sexual na adolescência: como conversar com seus filhos

Como conversar com seus filhos sobre a orientação sexual na adolescência? Neste espaço, vamos dar algumas dicas para fazer isso corretamente.