O uso do telefone celular pode causar atraso na fala

· 17 de novembro de 2018
De uns tempos para cá têm surgido algumas doenças que antes era impossível acontecer, como por exemplo, aquelas causadas pelo contato excessivo com aparelhos tecnológicos.

Devemos considerar com precaução quando falamos sobre um atraso na fala. Cada criança aprende à sua própria maneira e ritmo, mas em algum momento elas vão acabar falando.

Se o seu bebê fica em contato frequente com o celular, talvez ele possa sofrer um atraso na aquisição da fala.

Estudos recentes têm descoberto uma relação entre o uso de aparelhos como o celular e o atraso na fala. Não é realmente a causa do problema, mas pode ter grande influência.

Muitas vezes comparamos nosso filho com outras crianças, especialmente sobre questões de desenvolvimento. Se o meu filho já engatinha, o do outro já começou a andar. No entanto, certas capacidades são adquiridas em uma etapa comum.

Geralmente, entre seis meses e dois anos, o bebê começa a falar algumas palavras. Ele terá balbuciado, falado “mamãe” ou pedido água.

Mesmo assim, se ele ainda não tiver falado nesse estágio, não podemos considerar realmente que se trata de um atraso.

atraso na fala

Especialistas explicam que pode ser considerado um atraso na fala quando é observado o seguinte:

  • Bebês de 12 a 15 meses que não falaram palavras claras ou ainda que não pronunciaram nenhuma palavra. Estamos considerando aqui palavras simples como “mama”
  • Aos 18 meses, a criança não parece entender nossas palavras como por exemplo um “não”. Algumas instruções simples como “parar” ou “sentar”, geralmente já são compreendidas nesta idade, mesmo quando ainda não são pronunciadas pela criança.
  • Uma criança de 3 anos não é capaz de produzir frases curtas
  • Uma criança de 4 ou 5 anos não é capaz de contar pequenas histórias ou simplesmente não tenta.

Como o uso do celular influencia no atraso da fala?

De acordo com resultados de um estudo realizado pela Academia Americana de Pediatria, bebês que usam aparelhos eletrônicos como celulares e tablets estão em risco.

Sabemos que estes aparelhos podem manter uma criança distraída e deixamos isso acontecer mesmo que estejamos conscientes de que não é a melhor coisa a se fazer.

Outros fatores também são arriscados como a luz azul que esses aparelhos emitem e certos sons altos. No entanto, focaremos aqui sobre as causas possíveis pelos quais o desenvolvimento da fala pode ser afetado.

Em relação a isso, os estudos afirmaram que apenas meia hora por dia em contato com o celular pode causar problemas na aprendizagem da fala.

Aparentemente, o contato com o celular elimina a necessidade de a criança se comunicar. Enquanto ela está distraída, deixa de ouvir o que se fala no ambiente em que se encontra, além de não precisar se dirigir a ninguém para falar.

Os especialistas não recomendam o contato com esses aparelhos até que as crianças completem pelo menos um ano e meio, quando o risco é menor. Foi o que concluiu uma pesquisa realizada com 900 crianças entre 6 e 24 meses.

O estudo foi realizado entre 2011 e 2015, acompanhando cada caso. Foi observado o desenvolvimento da fala das crianças desde os seis meses de idade até que atingissem os dois anos.

Recomendações de especialistas

atraso na fala

Para que possamos falar de um risco real em relação ao uso desses aparelhos, devemos considerar alguns fatores.

Como mencionamos acima, a criança não irá sofrer um atraso na fala somente por estar em contato com o celular. Devemos considerar o tempo de utilização do aparelho, assim como o que é acessado nele.

Em relação a isso, a pesquisadora Dra Catherine Birken, que fez parte deste estudo, recomenda o seguinte:

  • A idade recomendada para deixar uma criança usar o tablet e o celular é a partir dos 18 meses.
  • O uso do aparelho deve ser limitado a menos de duas horas não consecutivas por dia.
  • Baixar jogos ou aplicativos com conteúdo adaptado à idade da criança, de preferência educativos e práticos.
  • Manter contato com a criança mesmo quando ela estiver muito focada na atividade.
  • Observar se ela não está apresentando nenhum atraso psicológico ou psicomotor.
  • Nunca pare de conversar com ela. Para que a criança desenvolva a fala adequadamente, é necessário que escute o tempo todo.