Varíola do macaco em crianças: tudo o que você precisa saber

Você está preocupada com o impacto da varíola nas crianças? Aqui vamos revelar o que as agências de saúde nos dizem sobre isso.
Varíola do macaco em crianças: tudo o que você precisa saber

Última atualização: 02 agosto, 2022

No início de maio de 2022, a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi notificada sobre um surto de varíola do macaco em países não endêmicos. Desde então, essa doença tem sido o centro das atenções, tanto da mídia quanto das organizações de saúde. Por esse motivo, hoje vamos contar tudo o que você precisa saber sobre essa patologia.

De fato, quando os pais pensam em varíola em crianças, é inevitável que a associem ao vírus da varíola e outros vírus semelhantes e potencialmente perigosos. A partir de agora, queremos transmitir palavras de encorajamento, uma vez que essa variante do vírus é menos letal do que aquela que foi erradicada em meados dos anos oitenta do século passado.

O que é a varíola?

A varíola é uma infecção causada por um Orthopoxvirus pertencente à família Poxviridae. Esse vírus foi descoberto pela primeira vez em 1958, em macacos enviados de Cingapura para um centro de pesquisa na Dinamarca. No entanto, o primeiro caso de infecção humana foi relatado apenas em 1970, na República Democrática do Congo.

Como apontam os especialistas, a imunidade conferida pela vacina contra o vírus da varíola (vaccinia) conseguiu manter sob controle o surto de varíola naquele momento. No entanto, a falta de reforços e a dispensa de campanhas de vacinação em zonas onde esse vírus é endêmico abriu caminho para a propagação da doença em questão para além das fronteiras.

A maioria dos casos de varíola ocorre na África rural e é considerada uma infecção endêmica nas seguintes nações:

  • República Democrática do Congo (RDC).
  • Camarões.
  • República Centro-Africana.
  • Gabão.
  • Costa do Marfim.
  • Libéria.
  • Serra Leoa.
  • Sudão do Sul.
  • Nigéria. Esse país tem sido foco de infecção nos últimos anos e de 2017 a abril de 2020 foram notificados 558 casos.

Esse tipo de varíola faz parte das doenças zoonóticas, que são características dos animais, mas que podem eventualmente afetar os humanos. Assim, o mais comum é que uma pessoa seja infectada através de um reservatório animal, mas no contexto de um surto, existe também a possibilidade de o contágio ser inter-humano.

Deve-se notar que, embora pertençam à mesma família, o vírus da varíola dos macacos é muito mais brando do que o vírus da varíola já erradicado. Dessa forma, as taxas de mortalidade associadas a essa doença hoje são muito baixas.

Costas de uma criança com herpes zoster eruptivo
As lesões características do vírus que causa a varíola do macaco são polimórficas. Ou seja, seguem uma certa sequência desde o momento em que aparecem até a resolução completa.

Quais são os sintomas da varíola do macaco em crianças?

Os sintomas da varíola do macaco em crianças são semelhantes aos sintomas da varíola comum, mas muito mais leves. Deve-se notar que eles não aparecem imediatamente após o contato com o vírus, sendo o período de incubação de 14 dias em média. Na verdade, varia entre 5 e 21 dias.

De acordo com o site oficial dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, as manifestações mais comuns da doença são as seguintes:

  • Febre.
  • Dor de cabeça.
  • Dores musculares.
  • Calafrios.
  • Exaustão e fadiga.
  • Dor nas costas.
  • Erupção cutânea.

As erupções cutâneas tendem a se desenvolver entre 3 e 5 dias após o início dos sintomas e têm um curso característico, tanto na distribuição quanto na aparência. Primeiro, elas começam no centro do corpo e depois se espalham para os membros. Em segundo lugar, a forma das lesões muda com o passar dos dias. Começam como manchas, depois aumentam. Após um tempo se transformam em bolhas líquidas, que se rompem e deixam crostas.

Quanto à febre, geralmente não dura mais de 5 dias e após esse período é acompanhada de lesões na pele e linfonodos inchados. Este último sinal é comum em quadros infantis e é uma das características que diferencia a varíola do macaco da varíola comum.

Embora a doença tenha manifestações típicas, sua intensidade varia de pessoa para pessoa. Isso depende principalmente da condição básica de cada criança.

Vale a pena notar que as pessoas infectadas com o vírus da varíola do macaco podem infectar seus familiares ou contatos próximos enquanto apresentarem sinais ou sintomas ativos da doença.

Como a varíola do macaco é transmitida

Como explicamos anteriormente, o reservatório natural do vírus são os animais. Além de macacos, também foi detectado em roedores, como ratos, esquilos e arganazes.

De acordo com a OMS, o vírus é transmitido aos seres humanos através do contato direto com o sangue, fluidos corporais ou membranas mucosas de animais infectados. Além disso, acredita-se que a ingestão de carnes mal cozidas e outros produtos animais de origem duvidosa possa ser uma possível via de infecção.

Em relação à transmissão entre pessoas, esse fenômeno geralmente ocorre no contexto de um surto. Para contrair o vírus de um humano infectado, basta entrar em contato com suas secreções respiratórias, sua pele ou objetos recentemente manuseados por elas.

A transmissão por gotículas respiratórias requer contato próximo e prolongado, pois a taxa de contagiosidade desse vírus é bastante baixa.

No caso específico da varíola do macaco, os bebês podem contrair o vírus pela placenta ou logo após o nascimento devido ao contato próximo com a mãe infectada. No primeiro caso, falamos de varíola do macaco congênita.

Menino com erupção viral segurando seringa com vacina
A vacinação contra a varíola ainda não foi aprovada como estratégia de prevenção universal no contexto do atual surto. É reservada para casos específicos.

Opções de tratamento para a varíola do macaco em crianças

Atualmente, não há tratamento curativo para a varíola dos macacos. No entanto, na maioria das vezes, o quadro se resolve espontaneamente após alguns dias.

A vacina contra a varíola, os antivirais e as imunoglobulinas são usados como método de prevenção, mas essas estratégias são reservadas para quem viaja para países endêmicos ou faz parte de um grupo de alto risco.

O principal objetivo das terapias contra a varíola do macaco em crianças é aliviar os sintomas, bem como evitar complicações e prevenir sequelas a longo prazo.

A maioria dos pacientes se recupera satisfatoriamente. Portanto, não há motivo para se alarmar nesse momento. Hoje, as organizações internacionais de saúde definem o problema como um surto e não como uma pandemia.

A maioria dos casos relatados são de adultos e, como dissemos, o risco de infecção é baixo em comparação com o vírus da varíola já erradicado. No entanto, em caso de dúvida ou na presença de sintomas compatíveis, é melhor consultar o médico para saber como agir.

Pode interessar a você...
Vacina anti-D na gravidez: o que acontece se eu não tomar?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Vacina anti-D na gravidez: o que acontece se eu não tomar?

A administração da vacina anti-D na gravidez evita complicações devido às incompatibilidades do fator Rh entre a mãe e o bebê.