4 tipos de leite para o bebê

· 7 de fevereiro de 2019
Se a mãe tiver dificuldade de amamentar, ela pode recorrer a várias opções lácteas que também vão fornecer uma nutrição completa ao bebê. Vamos te mostrar uma lista de opções para o período de aleitamento do seu filho.

Existem diversos tipos de leite para o bebê. Entre eles, o leite materno aparece como o mais importante, devido às suas diversas propriedades nutricionais e digestivas. No entanto, existem outras alternativas que devemos conhecer.

O leite de vaca é o mais comum, abundante, acessível e, além disso, rico em proteínas. Por meio de um processo de diluição industrial, tentamos fazer com que esse leite seja o mais parecido possível com o que é produzido pelas mães.

Essa diluição será usada apenas durante o primeiro mês. Mais tarde, a proporção vai subir gradualmente para duas partes de leite e uma de água. Finalmente, aos seis meses, o leite puro pode ser oferecido.

Tipos de leite para o bebê

No mercado, há uma boa quantidade de tipos de leite para o bebê, com características muito específicas. Cada um deles procura satisfazer as necessidades mais especiais dos lactentes. A seguir, vamos listar os mais populares:

1. Leite de cabra

Para dar esse tipo de leite ao bebê, ele deve necessariamente passar pelo processo de diluição. A brucelose – também chamada de  febre de Malta – é facilmente disseminada se este leite for consumido cru. Por isso, o mais aconselhável é sempre fervê-lo antes de consumir.

2. Soro de leite de ovelha

Alguns especialistas recomendam o seu uso na lactação artificial. Esse soro é composto por 25% de água açucarada a 10%, 25% de leite de ovelha e 50% de soro de leite de ovelha.

Geralmente, contém mais proteína e a mesma proporção de lactose que o leite de vaca, ou menos. Requer certos cuidados especiais para evitar a proliferação de bactérias, de forma que o seu processo de conservação tem um papel primordial na sua qualidade.

leite de soja

3. Leite de vaca

Existem várias apresentações que derivam desse leite, entre as quais estão:

  • Leite condensado: esse leite, embora conserve muito poucas vitaminas, é recomendado para a lactação artificial e deve ser usado fresco. Por isso, o armazenamento é perigoso no verão.
    • Como regra geral, deve-se adicionar água fervida ao leite condensado em igual proporção. Dentre os tipos de leite para o bebê, esse é o menos utilizado.
  • Leite em pó: é desidratado por vários métodos, tais como o de Krause, por exemplo. Isso faz com que perca vitaminas e, em geral, é necessário adoçá-lo.

O leite integral só deve ser dado ao bebê após a aprovação do especialista. Esse tipo de leite tem um alto teor de gordura. Por isso, o bebê pode não assimilá-lo corretamente, dependendo da sua idade.

4. Leites especiais

No caso específico dos bebês prematuros, bem como quando há algum tipo de alergia ou quando o bebê não tolera o alto teor de gordura do leite de vaca processado ou integral, o leite de soja deve ser fornecido.

Esse tipo de leite é de origem vegetal e nutre a criança de uma ótima forma. Assim, ela vai estar protegida contra as cólicas e outros desconfortos estomacais.

Algumas crianças desenvolvem alergias às proteínas lácteas desde o momento do seu nascimento. Nesses casos, os chamados leites hipoalergênicos devem ser administrados, visto que são ideais porque não contêm esse tipo de nutriente.

“O leite em pó integral tem um alto teor de gordura. Por isso, o bebê pode não assimilá-lo corretamente, dependendo da sua idade”

Para os bebês prematuros ou com baixo peso ao nascer, são receitados leites com fórmulas especiais, com alto teor calórico e de minerais. Isso ocorre porque suas necessidades nesse sentido são maiores do que as dos outros bebês.

Outros leites de fórmula que são engrossados com amido de arroz são usados no caso de bebês que sofrem de refluxo constantemente e que não conseguem ganhar peso como deveriam.

5. Leite materno

Obviamente, você não vai encontrar esse tipo de leite no mercado. Contudo, quando falamos da alimentação do bebê, é impossível deixar de mencioná-lo.

O leite materno é classificado como o único e mais completo. É o único alimento de que o bebê precisa desde o momento do nascimento até os seis meses de vida.

Leite materno

Uma das características do leite materno é que a proporção entre gorduras e açúcares é de dois para um. Isso faz com que ele seja excelente para a nutrição da criança.

De fato, o leite que a mãe produz inclui uma série de substâncias que ajudam na digestão. Como se não fosse o suficiente, ele também contém substâncias imunizadoras que vão colaborar na defesa do organismo do bebê contra doenças.

Certamente, quando se trata da saúde e do bem-estar integral dos nossos bebês, sempre vamos procurar as melhores opções. Assim, a alimentação não é algo que possa ser deixado ao acaso. Por isso, devemos sempre consultar um especialista para escolher a melhor opção.

Em síntese, felizmente, existem muitas alternativas no mercado no que se refere às bebidas lácteas, com especificações próprias para as necessidades de cada criança.

Então, se necessário, quando o leite materno definitivamente não for uma opção por qualquer motivo que seja, você pode ter nelas um aliado.

  • Vinagre, R. D., Diniz, E. M. A., & Vaz, F. A. C. (2001). Leite humano: um pouco de sua história. Pediatria.